terça-feira, dezembro 30, 2014

Bem Vindos Ao Ano De Todas As Mudanças!



Votos de um bom Ano Novo para todos. Que a resistência vença o colaboracionismo são os meus desejos para 2015. Está na hora da mudança!

Bom Ano de 2015!

FMI, a Comissão Europeia, o Governo da Chanceler Merkel e a alta burguesia financeira internacional antidemocrática querem impor um regime de chantagem e de medo sobre os eleitores gregos impedindo de forma ditatorial a democracia de funcionar. Nós cidadãos do mundo e de Portugal em defesa da democracia e contra a lógica terrorista dos mercados financeiros vamos dia 24 de Janeiro concentrarmo-nos em vigília à porta da Câmara Municipal de Loulé em solidariedade com o Povo Grego para dizer em voz bem alta que para nós a democracia será sempre mais importante que os mercados financeiros e o pagamento de uma dívida austeritária que esmaga os povos do Sul da Europa. Dia 24 de Janeiro aparece à porta da Câmara Municipal de Loulé pelas 15h30m para relembrar aos donos da Europa que estamos do lado do povo Grego. Basta de austeridade. Chegou a hora da mudança!
 

segunda-feira, dezembro 29, 2014

O Futuro Em Suspenso, O Algarve Na Era da Troika, Memórias



O Algarve saiu à rua na Era da ocupação da Troika. Este vídeo tem mais de um ano. A austeridade já provocava uma fadiga arrasadora sobre o quotidiano de vida da maior parte dos cidadãos. Fica o registo que houve gente digna a resistir. Cantou-se nas ruas as músicas do Zeca e soltou-se a raiva e a indignação em palavras em Portimão. Fica o discurso da altura do João Vasconcelos e o meu (João Martins). No meu discurso, desculpem-me a imodéstia, estão lá ainda hoje as questões fundamentais para o país sair do beco sem saída em que aparentemente se enfiou. O alerta para a resignação que se instalava. O ciclo vicioso da austeridade recessiva e a austeridade como receita para os efeitos desastrosos da austeridade. A dívida como um novo modo de aprisionamento dos povos. A corrupção que já na altura tresandava e que hoje abala o regime. Tudo está na mesma com a agravante de se ter instalado uma anomia social generalizada e a sociedade portuguesa estar esfrangalhada e dividida. 

sábado, dezembro 27, 2014

A Arte de Roubar Aos Pobres Para Distribuir Pelos Ricos Ou De Como Os Políticos Se Transformaram Em Ladrões

Não se percebe tanta quietude. Estamos perante uma das maiores transferências da história do capitalismo do trabalho para o capital. Uma espécie de Robin dos Bosques ao contrário. Roubar aos pobres para distribuir pelos ricos. Quem não se indigna com isto não se indigna com coisa nenhuma.
 

sexta-feira, dezembro 26, 2014

A Gestão Do Lixo Socialista, Parte II


Loulé, 26 de Dezembro de 2014. A gestão do lixo socialista em Loulé é isto. À porta da minha cozinha. Eu compreendo, é Natal, não há dinheiro para funcionários e temos que salvar a banca e os banqueiros corruptos. O Dr. Vítor Aleixo já deveria saber disso quando decidiu autocraticamente colocar ali a lixeira.

Um Asno Com Tiques Fascistas

O palhaço do circo cada vez que abre a boca entra mosca. Aqui por casa não se vê sinal do Sol. Está optimista pois já deve ter um emprego garantido neoliberalmente e com muito mérito, junto de Vítor Gaspar ou de Carlos Moedas, por aí. O mexilhão esse, que hoje é composto pelas classes intermédias e pelos pobres e remediados de Portugal é que fica sem visão de futuro que se vislumbre. É o que dá eleger um asno com tiques fascistas.
 

quarta-feira, dezembro 24, 2014

(Cancelado Por Falta De Povo - Boas Festas) O Algarve Diz Não À Privatização Da TAP - Concentração Sábado, Dia 27 de Dezembro, Junto À Rotunda do Aeroporto De Faro

Apela-se a todos os cidadãos residentes no Algarve que se juntem Sábado, dia 27 de Dezembro, pelas 16 horas, na rotunda do aeroporto de Faro em solidariedade com os trabalhadores da TAP e na defesa do interesse público nacional. Um Governo que tudo privatiza é um governo de traição nacional que entrega os melhores recursos públicos nas mãos de uns quaisquer abutres que compram a preço de saldo o que resta dos interesses estratégicos da nação. Aparece. Vem manifestar a tua solidariedade. Vem dizer não à privatização da TAP! Vem exigir a demissão imediata do Governo de Pedro Passos Coelho e de Cavaco Silva!
 

segunda-feira, dezembro 22, 2014

Alerta Vermelho, Centro de Saúde De Loulé De Novo Em Risco?

Caros amig@s do Concelho de Loulé parece que vamos ter que voltar a sair à rua em defesa do Centro de Saúde de Loulé. A defesa da nossa dignidade a isso obriga. Esperemos atentos aos próximos desenvolvimentos. Esta gente do PSD/CDS anda a brincar com o fogo e quem brinca com o fogo, um dia queima-se a sério.

 
Ver aqui a notícia do risco da falta de técnicos e do encerramento de serviços:

Sobre Arte, Política E Outros Assuntos, Uma Grande Entrevista

Acabei de vir da apresentação do livro Projecto Troika em Loulé, na galeria Out Print do Luís Henrique onde tive uma interessante conversa com o Joel sobre a dicotomia neutralidade/implicação onde defendia eu a necessidade da implicação dos Autores no mundo social em que vivem. Esta entrevista dada hoje ao público por Charles Esche não poderia vir mais a calhar. A ler com a devida atenção.
 

domingo, dezembro 21, 2014

O Tea Party Em São Bento

"Finalmente, Passos desatou a língua e começou a proclamar, sem eufemismos, o seu programa. Não aquele programa social-democrata escrutinado nas eleições, mas sim o programa fundado nas suas crenças pessoais, jamais escrutinado pelo seu próprio partido e muito menos pelo povo português. Fá-lo com uma euforia inaudita, qual cabo de guerra já derrotado e acossado no seu Bunker que, de súbito, lesse nos astros um sinal da divina Providência. Cercado dos escombros e ruínas da “destruição criativa”, partilha agora connosco, diariamente, em voz alta, o sonho duma radiosa vitória final: a promessa duma revolução milenar, que trará a redenção a Portugal, à Europa e a toda a humanidade."
 
Recomenda-se a leitura do resto do artigo aqui:
 

sábado, dezembro 20, 2014

Notícia De Última Hora

O Presidente de todos os banqueiros está hoje, Sábado, em Boliqueime, Vale Silves, às 21 horas.

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Quando A Justiça Vai Ao Fundo De Submarino

Sobre os submarinos e a justiça vale a pena dizer que pior ainda do que uma justiça de classe (essa já sabíamos que existe) é a perceção pública de uma justiça ao serviço da política partidária. Essa arruína o que resta de credibilidade do sistema de justiça.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

Parabéns Nuno Crato, Nunca Estivemos Tão Mal Na Educação E Na Ciência

"Hoje, investigadores e estudantes de várias instituições e universidades interromperam Nuno Crato durante a sua intervenção no Instituto Superior de Economia e Gestão para o congratularem ironicamente pela destruição que empreendeu desde que tomou posse. A precarização aliada a uma elitização do Ensino Superior e da Ciência fazem de Nuno Crato o pior ministro da Educação de que há memória."
 

Os Ziguezagues Do Costa Serão Sinais De Desorientação Ou De Mero Oportunismo Político?

Costa elogia Bloco Central e pede confiança aos portugueses. Qual das duas partes desta frase não bate certo? Talvez o Rui Tavares do Livre seja a pessoa certa para esclarecer a resposta. Eu se fosse Director do jornal Barlavento ia-lhe já solicitar uma entrevista. Não se pode perder uma ocasião destas para fazer uma boa primeira página.
 
 

terça-feira, dezembro 16, 2014

Sócrates Em Protesto Na Cadeia

Parece que Sócrates não quer ser parte da "solução" e decidiu passar ao "protesto".
 

Um Palerma Que Por Acaso Até É Primeiro-Ministro

Quando um palerma que por acaso até é Primeiro-Ministro de Portugal diz que a investigação científica tem que estar ao serviço das empresas o que fazem os investigadores na área científica das artes, da literatura, da filosofia, da geografia, da história, da sociologia, da antropologia, da arqueologia, da linguística, etc, etc, etc? Ficam em casa a ler o Capital de Karl Marx?
 

domingo, dezembro 14, 2014

Protestar Não Compensa, É Preciso É Votar No Partido Da Solução (Este Título É Uma Ironia Obviamente)

Protestar não compensa. Deixem-se ficar quietinhos e caladinhos e nunca lutem pelos vossos direitos porque obedientes e macambuzios é que é e é assim que o mundo pula e avança entre bola colorida nas mãos de uma criança. Cada vez me sinto mais isolado num mundo composto de gente sã (tinha escrito idiota mas é capaz de ser excessivamente arrogante) por quase todos os lados. Um arquipélago de sanidade, portanto. Desculpem lá a arrogância mas não se aguenta tanto colaboracionismo, indiferença e apatia face à barbárie instalada. Boa sonolência.
 

Entretanto, Enquanto Os Socialistas Vendem Falsos Sonhos Que Não Se Constituem Em Alternativas...

Depois não digam que ninguém avisou. E sim, a seguir por este caminho a Portugal resta a morte da democracia (ela ainda existe?) e o regresso da ditadura. O drama é que parece que boa parte da sociedade portuguesa nem tem consciência disto ou está-se absolutamente nas tintas.
 
Por Paul Krugman, aqui
 

Quando Os Políticos São Meras Correias De Transmissão Do Capital Financeiro, Servem Para Quê? O Título Do Post É Do Macloulé, O Texto De Manuel Carvalho Da Silva

Cativos da especulação e da mentira
 
A democracia está a tornar-se, acelerada e perigosamente, refém dos mercados financeiros. Estes, utilizando o seu poder dominante, procuram impor, nas mais diversas esferas da sociedade, a cartilha neoliberal que marca a atual fase do capitalismo reinante. Os governos que ideologicamente se situam neste campo - e mesmo aqueles que o rejeitam conceptualmente mas se sujeitam às suas inevitabilidades - estão condenados a mentir sistematicamente aos cidadãos: é a "inevitabilidade" resultante do choque brutal entre os objetivos e resultados das políticas prosseguidas e a vida em democracia em sociedades modernas, que implica supremacia da política definida pelo voto e anseios dos povos, desenvolvimento humano com sistemas universais e solidários de direitos sociais fundamentais. Entre o dia 8 e o dia 11 deste mês, os juros da dívida pública portuguesa subiram de novo de 2,72% para perto de 3%. Algo semelhante, embora em menor extensão, aconteceu com os juros das dívidas espanhola e italiana. O que aconteceu de extraordinário nesses dias em Portugal, Espanha e Itália? Nada, além do que vem acontecendo nos últimos anos. Na Grécia, também prosseguiram as políticas de austeridade, mas surgiu ali um facto novo. O Governo grego decidiu antecipar as votações no Parlamento, tendentes à eleição do novo presidente da República. Se nessas eleições não forem obtidos os dois terços necessários, a consequência possível será a realização de eleições para o Parlamento já no início de 2015. Segundo as sondagens, a oposição pode ganhar essas eleições. Perante este cenário, o direito de o povo grego escolher os seus governantes e as políticas que deseja para o seu país é de imediato ameaçado: os juros da dívida subiram para 8,58%. Para os agentes financeiros que comandam a flutuação dos juros, eleições democráticas representam "riscos políticos".
Este episódio mostra que vivemos à beira do abismo. Um espirro na Grécia é transformado num tremor de terra em toda a periferia da União Europeia. O acesso ao mercado da dívida soberana, de que o Governo português tanto se gaba, está preso por arames face a estas instabilidades e à falta de transparência dos balanços dos bancos portugueses. E a democracia tem sobre a cabeça a espada, não de Dâmocles mas da finança internacional. Ao mínimo sinal de mudança política contra os seus gostos, os capitais, com toda a liberdade especulativa, batem asas e atiram os juros para os píncaros. Assim, qualquer país pode ficar sujeito ao incumprimento do serviço da dívida, ou a um novo resgate.
Num mundo desprovido de instituições de governação à escala internacional e com governos que subjugam a política, a integração económica e financeira exponencia os riscos sistémicos. Como numa floresta sem aceiros, qualquer pequena fogueira se transforma rapidamente num incêndio. Na União Europeia e no país, em vez de andarem a "encanar a perna à rã" com declarações de boas intenções e indução de falsas esperanças, mas sem ação concreta, exige-se a criação de alguns atritos nas pistas onde viajam os capitais e a colocação de barreiras de controlo, impeditivas dos roubos atualmente "legais" e potenciadoras da taxação da riqueza a favor do bem coletivo.
Em Portugal, sentimo-nos chocados com as trapaças, manipulações e mentiras concretizadas por gestores sem escrúpulos nas negociatas dos swaps, nos processos BES/GES, BPN, Portugal Telecom e tantos outros.
Mas as privatizações e as negociatas das PPP também foram feitas debaixo de idênticas propagandas mentirosas. Além disso, se compararmos com objetividade as promessa eleitorais dos responsáveis políticos que estão no Governo com as políticas que depois impuseram, ou se compararmos os objetivos por eles anunciados nas "reformas" da justiça, do ensino, da saúde com aquilo que delas resultou, deparamo-nos igualmente com monumentais manipulações e mentiras. O Governo manipula leituras e dados estatísticos, para nos mentir sobre a evolução do emprego e do desemprego. Tem em marcha um ataque brutal à segurança social para privatizar serviços sociais e despedir trabalhadores. Fá-lo, a coberto de propaganda mentirosa.
O futuro reclama forte combate à especulação e à mentira.
 
Texto de Manuel Carvalho da Silva
 

sexta-feira, dezembro 12, 2014

Continuam As Visitas De Gente Mui Nobre E Ilustre À Prisão De Évora



Évora está ao rubro. Para além dos notáveis do PS também o general palhaço fez uma visita a Sócrates. Olha, façam lá o favor de espreitar o vídeo do CMTV. No Natal parece que vai o Costa e quem sabe no ano novo a mui nobre e ilustre boa sociedade louletana não vai visitar o Templo de Diana.
 

quarta-feira, dezembro 10, 2014

Agora, Porque O Costa Não É Dono Do Nosso Tempo

Não consigo perceber gente que faz cenários para dois anos ou quatro anos e que explica que, neste momento, não é tempo de construir alternativas, mas de esperar: "É preciso aguardar", dizem- -nos. Como se a vida, na sua urgência, não os desmentisse em cada momento.
Explicam-nos que não há condições subjectivas para fazer uma alternativa, estaríamos no tempo de António Costa: aqueles que se opõem ao pacto orçamental; ao mando de Bruxelas e Berlim; ao empobrecimento das pessoas para sustentar o euro; ao aumento das desigualdades sociais para enriquecer os milionários; à expulsão dos jovens e à liquidação cruel dos reformados; a gente que não acredita em 40 anos de bloco central alternado, está condenada à inacção - porque este é, repetem--nos, o tempo de António Costa.
Este discurso esconde a impotência dos pequenos poderes e dos grupos que acham normal fabricar derrotas. Não se consegue entender: se a maioria da sociedade, e se os partidos à esquerda do PS e muitos eleitores socialistas e milhões de pessoas que não se revêem nem na esquerda nem na direita, concordam que este caminho para o precipício tem de ser parado, por que razão não o fazem? O que esperam? Que isto fique ainda pior?
Como declarou o filósofo esloveno Slavoj Zizek em entrevista ao Vítor Belanciano, no "Público": "Os esquerdistas são os melhores teóricos do seu próprio falhanço. O que admiro no Syriza ou no Podemos é a tarefa quase heróica de quererem seriamente alcançar o poder", isto tudo numa conversa sabiamente intitulada: "Se esperamos o momento certo para uma revolução, ela nunca acontecerá", que resume bem aquilo que acontece nos dias de hoje.
Aquilo que se faz gera em si as condições da sua possibilidade. As condições sociais não bastam, apesar de existirem; para alterar uma realidade, é necessário dar-lhes um sentido. Produzir com as pessoas uma leitura que conduza a um rumo colectivo. Em vez de aceitar uma situação que significa uma total destruição social: a precariedade generalizada, o empobrecimento de todo um povo, o fim dos serviços públicos, a implosão de todos os sectores de emprego com direitos e a liquidação dos sindicatos. É necessário actuar - não para resistir, mas para vencer. Pode ser um desafio impossível, mas a derrota é certa se ficarmos, como agora, parados.
Existem condições para aproveitar uma hegemonia social e transformá-la em mudança política. A maioria dos portugueses é contra a existência de uma casta política e económica que vive da corrupção, não está de acordo com uma política de austeridade que liquida a vida e a economia e só serve os especuladores, e pretende ter voz activa no seu futuro. Nestes três eixos (corrupção, economia e democracia) há uma posição maioritária das pessoas para mudar. É só preciso dar-lhe uma voz credível.
Garantem-nos que temos de ser pacientes. Vivemos acima das nossas possibilidades, dizem-nos. É preciso reformar a economia, explicam-nos. O mundo muda a uma velocidade vertiginosa, e é necessário, sob perigo de ruína, adaptarmo-nos a essa mudança inevitável, ou não estar mais neste mundo, repetem-nos.
Às vezes devemos preferir a dor à sonolência. Escolher a acção em vez da passividade. Fazer um acto irreversível. É melhor, simplesmente, não ser como nos querem: quietinhos.
 
Por Nuno Ramos de Almeida

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Ensaio Sobre A Lucidez


A Gestão Socialista Do Lixo

Um dos primeiros actos de gestão da autarquia do Presidente Vítor Aleixo foi pôr um contentor do lixo à minha porta. À sucapa, pela madrugada, lá acordei com a infraestrutura do lixo à minha porta, às 7 horas da manhã. Na altura fiz saber ao senhor presidente, ao senhor vice-presidente, ao senhor vereador do lixo e ao senhor presidente da junta de freguesia que não concordava com a localização do lixo. Hoje passei pelo contentor e à semelhança de outros dias já não se trata de um mero contentor do lixo mas de uma autêntica lixeira. Saudades do tempo em que o lixo era gerido (e mal) pelo executivo PSD. Ao menos não tinha este sentimento hoje de ter sido manifestamente enganado.

domingo, dezembro 07, 2014

sábado, dezembro 06, 2014

Sobre O Faz De Conta Socialista, Por Manuel Loff

"Eu sou dos que estou convencido que o PS não governará à esquerda depois de 2015. Não porque seja Costa o candidato. Simplesmente porque nunca governou à esquerda. A única forma de conseguir por via eleitoral um governo à esquerda passa por inverter a correlação de forças entre o PS e os partidos à sua esquerda – isto é, que o conjunto de votos da CDU e do BE supere claramente os do PS e o obrigue, como sucedeu na Grécia e brevemente sucederá em Espanha, a escolher assumidamente entre uma coligação com a direita (como fez o PASOK – e foi o fim de qualquer ilusão) ou uma coligação a sério (e não uma simples cooptaçãozinha de pesca à linha) com quem, na esquerda a sério, coloca as opções difíceis mas fundamentais entre austeridade e democracia social, entre Tratado Orçamental e soberania dos portugueses, entre submissão cega a uma dívida ilegítima e cheia de juros usurários e a recuperação de uma vida com um mínimo de dignidade. Como tentarei demonstrar na minha próxima crónica, a história de 16 anos de governos socialistas mostram que o PS no poder fez quase sempre as escolhas contrárias aos interesses da maioria de quem nele votou, descrevendo-as, contudo, como inevitáveis para depois, quando passou à oposição, procurar voltar a dar esperança a muitos eleitores. Até à desilusão seguinte."
 

As Urgências Ficam Em Loulé, O Governo Que Emigre

Hoje estive com o meu filho que está com uma gripe forte nas urgências do Centro de Saúde de Loulé. Estavam a funcionar (não sei se a 100%) e mais gente recorreu hoje a este serviço enquanto lá estive. No dia que este Governo for corrido (varrido) sairei com a faixa para a rua que encabeçou as manifestações em Loulé com a inscrição "As Urgências Ficam em Loulé. O governo que emigre!". Está quase. Depois é exigir aos socialistas que as urgências funcionem a 100% com um serviço digno e sem taxas moderadoras que inibam/impeçam as pessoas de recorrer aos cuidados médicos a que têm direito.

Nada Porreiro Pá



Não comento porque obviamente não quero ser sujeito a um vendaval de azia e as pessoas sérias não comentam estas coisas.

sexta-feira, dezembro 05, 2014

O Horror Dos Partidos Políticos Ao Discurso Anti-Corrupção

Pedro Nuno Santos, um dos mais esquerdistas do PS horrorizado na SIC Notícias com o discurso anticorrupção de Joana Amaral Dias. O melhor que se lhe oferece dizer é que a corrupção sempre existiu ao longo da história. Não se passa nada.

Conhece-te a Ti Mesmo

segunda-feira, dezembro 01, 2014

Ir À Raíz Do Problema, Não Encontrei Melhor Crítica A Determinados Usos Políticos Do Programa Desperdício Zero



Grande, grande José António Pinto. Para além de ser um grande testemunho dos efeitos da passagem da Troika em Portugal, eu proponho desde já que o "Chalana" substitua Isabel Jonet à frente do Banco Alimentar Contra a Fome.

António Costa E A Situação Cómoda De Protesto

Estas declarações de António Costa são um verdadeiro insulto a todos aqueles que como eu foram vandalizados na sua dignidade nestes três anos de políticas destrutivas do Governo e da Troika e que saíram muito dignamente à rua em luta contra a austeridade. A linguagem e a estratégia utilizadas por Costa é Socratismo puro e duro. Não aprenderam nada.
 

domingo, novembro 30, 2014

O Poder Pelo Poder, Não Chega Para Uma Alternativa

Acho uma enorme piada esta ideia de António Costa recuperada do Daniel Oliveira entre partidos de "protesto" e partidos de "solução". Como se o combate às devastadoras medidas de austeridade não implicassem resistência e protesto popular. Depois de todas as lutas que muito portugueses travaram e continuam a travar, o PS quer apenas a parte do pote. Tudo na mesma. Ficámos pela alternância.

Rankings Escolares e Desigualdades Sociais

Foram publicados este fim de semana em alguns jornais nacionais os rankings sobre as escolas portuguesas do ensino básico e secundário. Mesmo contextualizados com variáveis inerentes ao contexto socioeconómico dos alunos e portanto menos vulneráveis a uma leitura manipulada dos dados do que uma redutora análise a partir apenas dos resultados dos exames nacionais; os rankings escolares não deixam de evidenciar brutalmente o papel da escola na reprodução e na legitimação das desigualdades educativas e sociais. Nos lugares cimeiros dos rankings lá estão maioritariamente as escolas privadas enquanto nos últimos lugares predominam as escolas públicas de composição social constituída por públicos desfavorecidos provenientes de famílias com menor capital económico e cultural. Sendo necessário uma análise atenta à complexidade das situações que fogem a esta tendência dominante, nomeadamente as escolas que surpreendem pelos bons resultados onde não seria de esperar e as escolas que ficam abaixo dos valores esperados, a divulgação destes resultados podem produzir efeitos a partir da percepção pública constituída no sentido daquelas que foram algumas das principais críticas às teorias da reprodução social. Por um lado, a associação por directores de escolas, pais e professores de que os piores resultados estão associados a alunos e famílias de contextos sócio-económicos desfavorecidos pode levar à ideia de uma fatalidade social à qual as escolas não podem responder assente na teoria das "carências sócio-culturais". A ideologia seria aqui a de que a escola é impotente para colmatar aquilo que os alunos e as suas famílias não têm e portanto, não se peça à escola para mitigar as desigualdades sociais. Por outro lado, a associação entre escolas privadas e melhores resultados nos rankings pode levar à ilusão da "ideologia do dom" ou seja, a ideia de que os bons resultados se devem ao esforço e mérito destes alunos ignorando-se a composição social favorecida dos seus públicos, factor essencial este no resultado final produzido pelos alunos e suas escolas. Se no primeiro caso, a teoria dos "défices" pode servir de mecanismo desculpabilizador do papel dos professores, da gestão e da organização dos contextos escolares e das próprias políticas educativas na fabricação social de desigualdades sociais, no segundo caso é o mecanismo inverso que pode acontecer, a ideologia meritocrática assente na ideia do dom pessoal servir para fazer esquecer a forma como a escola é o contexto ideal para a fabricação da ilusão meritocrática transformando o privilégio em virtude. Era bom que não se deixasse esta discussão ao bom senso comum de cada um dos intervenientes neste debate e muito menos por conta dos economistas neoliberais de serviço nos media.

sábado, novembro 29, 2014

Está Quietinho Ou Levas No Focinho



Sente-se o ar irrespirável por todos os lados, e engana-se quem pensa que isso tem a ver com esquerda ou direita. Tem a ver com a casta, que se sentindo claramente ameaçada, iniciou a caça às bruxas recorrendo a todos os meios que tem à sua disposição para calar as vozes dissonantes. Sufoca-se em Portugal. Tempos difíceis estes de demência colectiva em que quem manifesta o seu sentimento face à barbárie da agressão austeritária é rotulado de coitadinho quando não olhado com uma certa condescendência. Um maravilhoso tempo para a análise histórica, essa ciência em vias de extinção face à sua inutilidade para a exigência dos "mercados".

quinta-feira, novembro 27, 2014

É A Austeridade, Estúpido!

Sinceramente, vou-vos dizer, depois de ter sido humilhado durante mais de três anos com o partido socialista a assistir, à espera do dia triunfal das eleições, em nome da democracia formal e representativa, seria hipócrita se não admitisse que me dá um certo gozo de vê-los esbracejar desta maneira na defesa dos seus, maneira essa de que nunca os vi esbracejar face à barbárie austeritária que se abateu sobre a vida dos portugueses. Se isto não fosse trágico para a República portuguesa, seria cómico. O reino não está só dividido. Está esfrangalhado. Normal funcionamento das instituições democráticas, diz o outro.

segunda-feira, novembro 24, 2014

Os Meus Sinceros Pêsames

Os meus sinceros pêsames a todos os meus amigos socialistas do concelho de Loulé. Um cumprimento muito especial ao senhor vereador neoliberal Hugo Nunes, defensor acérrimo do senhor ex-Primeiro-Ministro de Portugal, hoje preso, até ver, preventivamente.

SMS Dirigido À Turba

Agradeço que os meus amigos facebookianos não se excedam com a notícia da prisão preventiva de José Sócrates porque depois os teóricos do regime vêm dizer que a turba quer sangue e nem sequer há razão para isso. O "regime" não está corroído de alto a baixo pela corrupção e não está podre.

domingo, novembro 23, 2014

Portugal Sem Futuro, O Título É Meu E O Texto da Raquel Varela

Um largo número de comentadores e pessoas com exposição pública estão a transformar um alegado caso de corrupção do ex primeiro-ministro de Portugal num debate sobre a justiça. O que diz muito sobre a relação das pessoas com o poder - com o poder que acham que vai estar nas mãos do PS. Mais assustador do que prender um ex primeiro-ministro com a televisão às costas - o que é errado - é ver a relação que as pessoas têm com o poder e de como estão dispostas a usar todo o tipo de argumentos para salvar politicamente um partido, o PS, que está a caminho do poder. Pertenço aos que acham que o PS destruiu este país com medidas legais e que consistem em anos e anos de usar o orçamento público para negócios privados (na Banca, na erosão salarial, nas PPPs, na Parque Escolar...). O mesmo Sócrates que, só para pegar um exemplo, entre literalmente centenas, pelos legalíssimos Orçamentos de Estado, deu de uma só vez 2 mil milhões de euros de benefícios fiscais às grandes empresas, e da outra retirou o abono de família aos que ganhavam mais de...628 euros por mês. Também faço parte dos que pensam que com os partidos que temos, os do Governo e os da pálida oposição, nada vai mudar. Não porque são todos iguais, são todos diferentes aliás, mas porque têm em comum um pacto de regime com uma democracia representativa que deixou de representar a larga maioria da população, que devia ser mobilizada, por estes mesmos partidos, para formas de democracia directa nos locais de trabalho, moradia, nos serviços públicos - a politica ou é a arte de todos se envolverem na vida politica ou é a profissionalização de uma casta de gente sem imaginação. Ainda assim não defendo uma TV em cima de um detido mas neste momento acho muito mais importante não usar isso para ocultar a vergonha infindável que é a gestão dos dinheiros públicos neste país, e acho ainda mais importante lembrar que este taticismo mostra que há muita gente que não quer mudar de politica - quer mudar de partido no Governo.
 
Por Raquel Varela no seu facebook.

sábado, novembro 22, 2014

Cozido Em Lume Brando

Quem não perceber que as lógicas da justiça (cumprir a lei) são diferentes das lógicas dos media (audiência a partir do sensacionalismo) que por sua vez são diferentes das lógicas da política (conquista do poder através do voto) e até das lógicas do espaço de opinião do facebook (onde impera a livre expressão) não percebe bem a alhada em que se meteu o PS daqui até às eleições. Não há moralismo que resista a isto. O regime está de facto, podre.

Ver O Nascer Do Sol Aos Quadradinhos

Que fixe. Agora falta o Passos Coelho e o Portas. Podem ficar todos na mesma cela porque em época de austeridade não podemos viver acima das nossas possibilidades. O "ajustamento" é inevitável. Para a alimentação podem sempre recorrer ao programa "desperdício zero" com o alto patrocínio da Câmara Municipal de Loulé.
 

sexta-feira, novembro 21, 2014

Os Mamões Dos Políticos

Ver os deputados do PS nas televisões a defender a reposição das subvenções vitalícias aos políticos é deprimente. Isabel Moreira, deputada do PS invocava ainda há pouco na TV, em defesa de uma "medida justa" em nome de uma justa "repartição dos sacrifícios". Belos tempos aqueles onde os socialistas lutavam por uma justa repartição da riqueza. Grão a grão o regime bate no fundo dos fundos. Não se percebe ainda bem é o tamanho do buraco do fundo. O que dirão todos aqueles, trabalhadores e reformados que continuam a levar cortes atrás de cortes nos salários e nas reformas e cujos políticos do centrão (PS/PSD/CDS) continuam a invocar a impossibilidade de acabar com as medidas de austeridade?

quinta-feira, novembro 20, 2014

Vigília Contra A Corrupção, 29 de Novembro Em Loulé, Porta Da Sede Do PSD

Porque o regime está podre e o topo do aparelho de Estado tresanda a corrupção vamos levar a cabo uma vigília em Loulé, à porta da sede do PSD, a exigir a demissão imediata do Governo PSD/CDS e a dizer bem alto Basta De Corrupção. Swaps, Vistos Gold, BPN, BES, Submarinos com corruptores e sem corrompidos, PPP corruptas, pães de forma, favores, cunhas e jeitinhos derrubam qualquer ideia de democracia e de meritocracia. Porque não queremos o feudalismo de regresso e defendemos e valorizamos a democracia estaremos em vigília no dia 29 de Novembro em Loulé, a partir das 11 horas da manhã, à porta de um dos principais partidos responsáveis pelo assalto aos salários e às reformas dos portugueses para dizer basta. Não temos que pagar a dívida com o esforço do nosso trabalho para resgatar bancos e banqueiros corruptos. Basta! Aparece!
 

quarta-feira, novembro 19, 2014

Não Nos Obriguem A Vir Para A Rua Gritar

Como se o empobrecimento, a austeridade, a humilhação, o roubo e o esmagamento destes três anos de política destruidora já não bastassem parece que os políticos do PS e do PSD ali para os lados de Portimão querem fazer queixa da minha pessoa no Ministério Público e tentar a criminalização do protesto social. Não me obriguem a vir para a rua gritar. Já basta o que basta. Se tiver que defender o que resta da minha humilhada dignidade, isto desta vez vai até ao fim. Depois não invoquem moralismos bacocos. Quem tudo perde, já não teme.

Imposto Austeritário Do Partido Socialista Continua A Provocar Revolta Em Portimão

Deputados do PS e do PSD não comparecem na Assembleia Municipal Extraordinária em Portimão destinada à votação da revogação da Taxa de Protecção Civil, um imposto austeritário imposto pelo PS aos cidadãos.
 

terça-feira, novembro 18, 2014

PS E PSD Avançam Para A Intimidação Dos Cidadãos E Para A Tentativa De Criminalização Do Protesto Social

A tentativa de criminalização do protesto social por parte de PS e PSD é óbvia. O PS do Dr. Vítor Aleixo que andou atrás dos manifestantes nas ruas, a maior parte das vezes agindo como ratos à espreita na cauda das manifestações em Loulé e Portimão agora já não gosta de protestos e quer levar quem se manifesta a tribunal. Chegou a fase da intimidação, da ameaça e da agitação do bicho papão do medo a quem contesta as suas políticas austeritárias. Estaremos cá para o que der e vier. A morte é a única coisa que nos resta. Essa ninguém nos tira.

Vá, Atrevam-se Lá

Parece que PS e PSD me querem pôr em tribunal por ter dito que o PS levou a Câmara Municipal de Portimão à falência através da corrupção. Isto anda bonito. Ainda vou preso. Mas já agora, a Câmara Municipal de Portimão foi à falência porquê? É impressão minha ou li na imprensa que um autarca do PS foi detido pela PJ e "mastigou" o papel das provas?

domingo, novembro 16, 2014

Demite-se o Ministro da Administração Interna Miguel Macedo, Falta Partir O Governo Todo



Miguel Macedo ficará para a História como o responsável máximo da carga policial de 14 de Novembro de 2012 sobre população inocente que se manifestava à frente da Assembleia da República. Fica destes últimos dias a vaia da população louletana ao Ministro e o elogio orgiástico do Dr. Vítor Aleixo ao ministro mais austeritário do Governo de Passos Coelho.

PS: Espera-se que os vistos Gold não tenham chegado ao Algarve, ao mercado de habitação de luxo.

sábado, novembro 15, 2014

Protesto Contra O PSD E As Políticas Do Governo Em Loulé

Pronto, já está. Protesto forte à porta da Assembleia Municipal de Loulé onde reunia o PSD-Algarve. Um para umas dezenas é um bocado desequilibrado mas é o que temos. Três elementos do partido dos ladrões disseram que eu era um caso de psiquiatria e lá tive que responder que o caso é de política e quem sabe de polícia. Ainda fui ameaçado assim à maneira do marido da Ministra das Finanças mas sobretudo, há que não ter medo desta gente que nos esmaga e nos assalta. O tema da reunião eram as políticas de saúde, o que revela uma grande lata, depois de quase terem destruído o SNS no Algarve.

sexta-feira, novembro 14, 2014

Texto de Interesse Público, o do "Chalana"

"Os construtores de opinião ao serviço do regime já se pronunciaram sobre este documento que tem força de lei: dizem eles, com convicção, que não é um orçamento eleitoralista nem a pensar nas pessoas. Eu não sou comentador político, mas digo que se trata de um orçamento ideológico e com uma forte marca de natureza de classe.
As pessoas pobres vão, em 2015, vivenciar uma situação social ainda mais precária e dependente. A pobreza vai tornar-se mais severa, persistir no tempo e atingir mais pessoas. As desigualdades sociais vão acentuar-se. A Segurança Social vai despedir centenas de trabalhadores, a qualidade das respostas sociais vai deteriorar-se.
Com o agravamento da carga fiscal, os produtos de consumo vão ficar mais caros, o poder de compra dos beneficiários de baixas prestações sociais vai diminuir. Com a criação de um tecto máximo para o pagamento das prestações sociais em 2015 aprofunda-se a opção política de direita deste Governo de redução de despesas em pensões de sobrevivência, de velhice e invalidez, subsídio de doença de desemprego, abono de família, rendimento social de inserção (RSI), complemento solidário de idosos (CSI).
No momento em que as pessoas mais precisam da protecção social do Estado, este Governo decide poupar cem milhões de euros na atribuição das prestações sociais para sacrificar os mais vulneráveis e poupar dinheiro à custa dos que mais necessitam de ajuda para não cair no risco de pobreza ou romper com o seu ciclo de exclusão social.
O RSI e o CSI vão sofrer uma redução de 2,8% e 6,7%, respectivamente, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2015. Na prática significa que haverá menos 14,3 milhões de euros para o CSI. O RSI vai ter menos 8,30 milhões de euros. O abono de família segue a mesma tendência: fica com apenas 639,04 milhões de euros, o que significa uma redução de 1%, menos 6,49 milhões de euros. Em 2010, o RSI contava com 526 mil beneficiários, em 2013 só recebiam esta prestação 360 mil. Em 2010, havia 247 mil beneficiários de CSI, em 2013 o número já diminuiu para 238 mil.
No que diz respeito ao subsídio social de desemprego, foi a prestação que mais contribuiu para a diminuição da protecção social aos desempregados. Nos últimos anos, o regime de subsídio de desemprego sofreu várias alterações e neste momento 45% dos desempregados continuam sem ter acesso a qualquer tipo de apoio.
No Orçamento para 2015 haverá menos 243 milhões para subsídios de desemprego e apoio ao emprego. Menos dinheiro para proteger as pessoas na doença, na velhice e no desemprego, mais dificuldade para ter acesso a estes apoios, um valor do cheque ou do vale postal mais reduzido e o tempo de duração destes subsídios mais curto.
Esta opção política é inevitável? Não. Existia outro caminho e outra alternativa? Claro que sim. Quando o Governo em reunião de Conselho de Ministros decide baixar o IRC das grandes empresas de 23% para 21%, significa que esta injustiça fiscal permite ao Estado perder no Orçamento de 2015 mais de 892 milhões de euros. Os lucros líquidos da EDP só no primeiro semestre de 2014 foram de 502 milhões de euros. Com uma taxa de IRC de 25% pagaria 125,5 milhões de euros ao Estado. Com uma taxa de 21% pagará apenas 105,4 milhões, ou seja menos 20,1 milhões de euros.
Em 2015, o Estado vai gastar com o negócio das rendas das parcerias público-privadas 924 milhões de euros nos contratos rodoviários, 400 milhões na área da saúde e 49 milhões na área da segurança.
Portugal tem pago por ano, tal como plasmado por exemplo no Orçamento do Estado para 2014, perto de 7,2 mil milhões de euros apenas em juros da dívida pública. Esse valor, que representa cerca de 4,3% do PIB, é muito próximo daquele que o Estado gasta com o Sistema Nacional de Saúde ou com a Educação, as maiores rubricas do Orçamento do Estado. Os juros da dívida em termos financeiros consomem o equivalente aos custos de um resgate de um BPN por ano.
Taxar as grandes fortunas em 1% permitiria ao Estado encaixar uma receita de 1700 milhões de euros, mas outras iniciativas políticas poderiam ser tomadas para garantir recursos, dignidade e protecção às pessoas em situação de desfavorecimento e vulnerabilidade social. Quer isto dizer que este orçamento não é o possível — é o orçamento da mentira, dos sacrifícios em vão, do esforço colectivo que penaliza os mais frágeis."
 
 
PS: José António Pinto é Assistente Social e no bairro onde faz a sua intervenção junto das populações pobres é conhecido por "Chalana". Discursou na Assembleia da República, local onde recusou a condecoração que o Estado lhe atribuiu por discordar das políticas de austeridade implementadas por este governo. 

quinta-feira, novembro 13, 2014

O Costa Da Austeridade

Não se faz assim com o dedo e acaba-se com a austeridade. Assim, disse António Costa, o grande líder do partido que ainda se chama socialista, na sua entrevista esta semana à RTP. E portanto, quanto à austeridade, estamos esclarecidos.

terça-feira, novembro 11, 2014

Novo Protesto Em Portimão Contra A Taxa De Protecção Civil

A Drª Isilda quer continuar a taxar mas os Portimonenses recusam-se a aceitar. Basta de taxas, taxinhas e tachões. O povo não aguenta mais impostos. Segunda-Feira, 17 de Novembro, às 21h30m, apela-se a todos os portimonenses e a todos os algarvios que se manifestem novamente contra este injusto imposto na Assembleia Municipal Extraordinária que o PS não quis marcar. Esta é mais uma oportunidade dos cidadãos dizerem em voz bem alta que estão fartos de austeridade. Tragam faixas, cartazes, bombos, pandeiretas, tachos e panelas. Traz a tua voz. A taxa de protecção civil é um sinal claro de abuso de poder do partido - agora uma aliança PS/PSD - que levou a Câmara Municipal de Portimão à falência através da corrupção. Aparece. Vem dizer basta! Vem mostrar que em Portimão o povo é quem mais ordena! Vamos ver, olhos nos olhos, quem irá votar a favor da taxa, ou quem irá votar pela revogação/nulidade dessa mesma taxa!
 

sexta-feira, novembro 07, 2014

A Morte Do Socialismo Pelas Mãos De António Costa

Dois erros crassos da agenda "socialista" de António Costa. Ignorar problema o gigantesco da dívida (fazer de conta que ele não existe). Pensar ser possível uma qualquer interpretação flexível do Tratado Orçamental que permita a não destruição do Estado Social e da democracia. Está enganado.

quinta-feira, novembro 06, 2014

A Não Posição Do PS Sobre A Reestruturação Da Dívida Portuguesa

Ainda sobre a não posição do PS face à reestruturação da dívida portuguesa, gostava de saber o que pensam Daniel Oliveira, Ana Drago, Rui Tavares e esses muitos outros que acham que o caminho é a colagem ao PS porque a esquerda "radical" aquilo que só faz é protesto (uma ideia falsa e desonesta que não passa de uma verdadeira traição à esquerda). Aqui por Loulé também vale a pena ver alguns dos que andaram pelo Bloco de Esquerda e que saíram aborrecidos e cansados de estarem tanto tempo na oposição. Aos outros, como eu, resta-lhes uma resistência determinada às políticas de austeridade assassinas. Entre o partido que ainda se diz socialista, o Podemos e o Syriza, prefiro situar-me claramente junto destes últimos. Mais faz de conta, não obrigado. O tempo não é de ilusões e de manipulações. Trata-se de deixar ou não acontecer a destruição de Portugal como país minimamente civilizado.
 

quarta-feira, novembro 05, 2014

A Censura de Regresso Nas Ciências Sociais


Sinais preocupantes os que percorrem hoje as ciências sociais e em especial os saberes críticos e incomodativos para os poderes dominantes. A censura ao último número da revista Análise Social, uma das mais conceituadas revistas de ciências sociais da comunidade científica portuguesa está a agitar o campo científico destas áreas científicas. O capitalismo selvagem reinante convive mal com os saberes que o questionam e os censores aparecem em cena. Vale a pena lembrar a minha indignação pela ausência de indignação na academia quando Fernando Ulrick ainda Presidente do Conselho Geral da UALG afirmou publicamente que não percebia como é que havia professores universitários que defendiam a renegociação da dívida portuguesa. Vale a pena recordar a avaliação ao Centro de Investigação do ICS e a ideia veiculada pelos avaliadores externos e ditos "independentes" de que as desigualdades sociais não são uma área prioritária de investigação sociológica ou a proibição de um debate sobre ideologia na Faculdade de Direito de Coimbra entre Rui Tavares e Pedro Mexia em nome da pureza ideológica. Já não falo das múltiplas formas de censura que consistem em habilidosamente definir as áreas de investigação que são dignas de interesse e as que não são e os critérios altamente discutíveis que levam a apostar em determinados objectos em detrimento de outros. A coisa está a ganhar contornos muito explícitos. Os tempos são de alerta. O ar anda altamente contaminado.

domingo, novembro 02, 2014

Entrevista de Interesse Público, António Sampaio da Nóvoa

Este Outono pode ser encarado como um começo de fim de ciclo?
Espero que sim. Creio que Portugal precisa de abrir um tempo novo na sua história, na sua vida política. Este tempo da troika está esgotado.

O tempo da troika ou o tempo deste Governo?
É igual. Não consigo separar este Governo da troika nem a troika deste Governo. O Governo já não devia existir. Parece-me óbvio que já devia ter sido demitido.

Qual foi o momento agónico, para si?
Depois do momento Vítor Gaspar, este Governo perdeu grande parte da sua legitimidade e da sua capacidade de governar. Estamos a assistir a um desmantelar do Governo em muitos sectores. Era qualquer coisa que devia ter tido consequências. Consequências do ponto de vista dos órgãos do poder, do Presidente da República.

Mantém-se até ao final da legislatura?
Claro que o Governo vai procurar manter-se até ao final da legislatura, mas espero que haja a capacidade de reagrupar uma energia de mudança.

Os portugueses parecem amedrontados, apáticos, desesperançados. Como é que a sociedade, globalmente, se agrega para operar a mudança?
É um enorme desafio. É um desafio em Portugal, é um desafio na Europa, é um desafio no mundo. Essas energias de mudança não coincidem necessariamente com a tradicional clivagem entre a esquerda e a direita. Elas têm outras configurações que temos que perceber neste século XXI.

Quais são as outras grandes configurações? Ricos e pobres?
Não. Há dois elementos importantes: um são as pessoas que já não aceitam um mundo regulado por um capitalismo financeiro completamente selvagem, sem nenhum controlo, especulativo. Que está a destruir as sociedades. A criar cada vez mais pobreza, mais desigualdade. Desta crise resultam mais ricos e resultam mais pobres. Não podemos deixar de voltar aos vampiros de que falou o Zeca Afonso. São outros vampiros, mas é impressionante como se relê aquela letra...

"Eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada".
E há a parte: "Senhores à força, mandadores sem lei"... Levam-nos a tombar, vencidos. É preciso fazer um trabalho para tornar isto insuportável.

http://www.jornaldenegocios.pt/especiais/weekend/detalhe/antonio_sampaio_da_novoa_nunca_tivemos
_uma_politica_educativa_tao_extremista_e_tao_fundamentalista_pelo_menos_desde_os_anos_50.html
 

sábado, novembro 01, 2014

Acampada e Assembleia Popular Pela Demissão Do Governo, 15 de Novembro, Loulé

Porque a nação está a cair aos bocados em razão das políticas do (des) governo PSD/CDS e da Troika. Porque é preciso continuar a resistir às políticas de austeridade. Porque é preciso fazer cair já este governo. Porque enquanto a destruição de Portugal e o seu empobrecimento continuam o senhor Presidente da República decidiu brincar às condecorações distinguindo um dos principais responsáveis pela destruição do modelo social europeu, Durão Barroso. Porque António Costa decidiu ficar no trono à espera do dia da sua coroação enquanto a vida dos portugueses e a democracia continuam a ser esmagadas. Porque a maior parte dos partidos da oposição já só pensam no dia das eleições. Porque não se pode contar com um dos principais sindicatos, a UGT, para resistir à barbárie política imposta por este governo. Só resta um caminho. Os cidadãos continuarem a resistir. É isso que faremos. Loulé, 15 de Novembro - Acampada e Assembleia Popular Pela Demissão do Governo, às 15h30m, à porta da Câmara Municipal de Loulé. Aparece. Traz outro amigo também!
 

segunda-feira, outubro 27, 2014

Dividir A Sociedade Em Classes

A pressão que um determinado cretino põe em cima de crianças de 9 anos e das suas famílias com o exame salazarista da 4ª classe é meio caminho andado para dividir a sociedade em classes logo na fase inicial da escolarização.

domingo, outubro 26, 2014

Qual É A Pressa?

Acho boa a ideia de Manuel Valls mudar o nome ao partido "socialista" em França. Em Portugal o novo nome poderia ser "Partido Oportunista". Boa noite. Qual é a pressa António?

Hora de Inverno

Boa tarde. Mudou a hora mas continua tudo na mesma. O relógio de Paulo Portas continua irrevogável. O Primeiro-Ministro de Portugal é o mesmo fascistóide aldrabão e incompetente. O Presidente da República é a mesma múmia. A comunicação social insiste numa monumental operação de propaganda. O principal partido da "oposição" continua um antro de oportunismo. Uma boa parte do Zé Povinho poderia hoje ser retratado como Zé Parvinho. A hora mudou mas Portugal parou no tempo. Este país não se recomenda.

Voto de Protesto

Car@s amigos, em protesto contra toda a esquerda que não quer fazer cair o governo já porque quer explorar eleitoralmente a miséria do povo português decidi hoje, que nas próximas eleições, vou votar em Pedro Passos Coelho. Passem bem.

quinta-feira, outubro 23, 2014

Mudar O Nome Ao Partido

Não é a primeira vez que Manuel Valls o propõe, mas desta feita, porque é primeiro-ministro francês, fá-lo com mais força. Acossado pela ala esquerda do partido e pelo "movimento dos 40 deputados rebeldes" (chamados "les frondeurs") Valls contra-ataca: quer mudar o nome do PSF e propõe alianças com a direita centrista moderada para tentar reforçar a sua atual muito frágil maioria no Parlamento.
 
Fiel à sua imagem de agitador de ideias e de iconoclasta admirador do trabalhista britânico Tony Blair, o franco-espanhol vai mais longe. Numa entrevista à nova fórmula da revista "Le Nouvel Observateur" (que a partir desta quinta-feira se chama "L'Obs"), responde aos críticos dizendo-se, antes de socialista, "pragmático, reformista e republicano".
 
Valls acha que mesmo a mudança do nome do partido não deve ser um tabu: diz que deverão ser fundados uma federação ou um movimento, "uma casa comum" aberta aos "progressistas', nos quais inclui os centristas de François Bayrou, antigo ministro da Educação.
 
Nos últimos dias, Manuel Valls foi violentamente criticado, designadamente por Martine Aubry, ex-líder do PS em França e filha de Jacques Delors, antigo presidente da Comissão Europeia, bem como por Benoit Hamon, seu ex-ministro da Educação. Além disso, 39 deputados socialistas abstiveram-se, esta semana, na votação do Orçamento para 2015, por o considerarem longe das aspirações do eleitorado que elegeu o Presidente François Hollande, em 2012.
 
No Eliseu, o chefe de Estado segue esta guerra interna no PS com alguma impotência. Desacreditado e com sondagens em mínimos históricos, Hollande não tem autoridade para impor calma e respeito aos militantes e dirigentes. Esta manhã, vários chefes socialistas surgiram a criticar Valls, designadamente Claude Bartolone, presidente da Assembleia Nacional.
 
Depois destas reações negativas, Manuel Valls, garantiu: "Sou socialista". No entanto, a "L'Obs" desta quinta-feira publica este diálogo:
A sua esquerda é pragmática, mais do que ideológica?
Sim, é pragmática, reformista e republicana.
Não socialista?
Repito: pragmática, reformista e republicana.

Ler mais:

quarta-feira, outubro 22, 2014

As Contas Da Câmara Municipal De Loulé: Gato Escondido Com Rabo De Fora?

A Câmara Municipal de Loulé pela voz do Presidente Vítor Aleixo anunciou ao fim do seu primeiro ano de mandato o seu milagre financeiro. De Câmara mais rica do país passou a Câmara resgatada e agora a Câmara liberta da Troika Governamental. A dívida vai ser paga antecipadamente num valor respectivo que seria para pagar em mais três. Ao mesmo tempo deste anunciado milagre da Mãe Soberana, o número dois de Vítor Aleixo, o neoliberal vereador Hugo Nunes, anunciou uma auditoria às contas da CML em dois anos específicos. Há um ano atrás após uma crítica minha no blogue macloulé em que se exigia uma auditoria às contas do anterior mandato autárquico, em nome da transparência democrática, recebi como resposta deste mesmo vereador Hugo Nunes que a auditoria era dispensável pois segundo este senhor, tanto o Dr. Seruca Emídio como o Dr. Graça eram pessoas muito sérias e responsáveis e isso segundo o Dr. Hugo Nunes era coisa por si só mais que suficiente para que não se praticasse a accountability das contas públicas. Vem agora um ano depois o Dr. Hugo Nunes defender uma auditoria em dois anos específicos da gestão do Governo PSD em Loulé, 2009 e 2010. E a questão que se coloca é do porquê de não serem as contas do anterior mandato auditadas na totalidade. A prestação de contas da gestão de uma autarquia não podem andar ao sabor das boas vontades manipulatórias de um qualquer vereador ou ao saber dos interesses de um qualquer partido político. Era bom que se entendesse isso de uma vez por todas se se quer recuperar o mínimo de confiança que seja dos cidadãos face à política e aos políticos. Não é esse o caminho. Há gato escondido com rabo de fora nesta decisão. De que se trata? Porquê que só ao fim de um ano se decide pela auditoria de dois anos específicos deixando os outros anos de governação de fora das contas a auditar?
 
Ver mais aqui:

segunda-feira, outubro 20, 2014

A Autarquia Ao Serviço Do Partido: Um Ano De Governação Do Socialista Vítor Aleixo

 
Passado um ano da tomada do poder pelo partido socialista em Loulé que balanço se pode fazer da sua governação? O balanço é claro, mudaram os donos das cadeiras do poder mas a prática política não se alterou substancialmente e pode-se dizer que em alguns do maus aspectos da anterior governação foram mesmo muito mais rápidos a pôr em prática aquilo de que os cidadãos tinham francas expectativas de que iria mudar. Desde logo, a autarquia ao serviço do partido. A distribuição de lugares pelos boys do partido, pelos familiares e amigos impressiona até os menos atentos a estas coisas. As empresas municipais que o Bloco de Esquerda (esse partido que não existe em Loulé a não ser como apêndice do PS) sugeriu ao partido socialista para fundir, são afinal excelentes lugares à disposição dos membros do partido e uns óptimos espaços de elevadas remunerações e regalias. Gente competente e muito qualificada foi preterida pelos encartados do partido. O slogan ninguém ficará para trás aplica-se na perfeição se entendido no sentido de "ninguém do partido socialista ficará para trás". Depois foi a aprovação do Continente em Quarteira com uma declaração de voto cheia de manigâncias entre o senhor presidente da autarquia e o seu Vice-Presidente ao nível das manigâncias entre o Dr. Paulo Portas e Dr. Passos Coelho a quando da aprovação de cada Orçamento de Estado. Leiam a declaração de voto do Dr. Hugo Nunes para se aperceberem do que estou a falar. Ao IKEA, esse gigante multinacional que vai ser uma máquina trituradora de empregos na região, os socialistas também foram dando uma no cravo e outra na ferradura optando finalmente por estar do lado do capitalismo ultraliberal. Um dos primeiros actos do pelouro do ambiente foi uma poda massiva das árvores de Loulé ao nível do pior que tinha feito o anterior executivo e tanta polémica tinha gerado na cidade, o que é revelador do respeito que esta gente (não) tem pelos cidadãos e pela forma como trata os recursos públicos e ambientais. Não vale a pena consultar os cidadãos sobre a "desmontagem" de pinheiros no parque municipal porque as árvores da cidade ainda não têm partido político. As comemorações do 25 de Abril na cidade estão claramente controladas pelo partido socialista. Para assistir ao auto inaugural foi preciso reclamar à porta do Cine-Teatro Louletano para poder assistir em igualdade de condições com qualquer outro cidadão ao que lá se iria passar. O culto das "obras", culto de qualquer autarca digno desse nome, gerou um novo mamarracho de gosto discutível em frente ao Castelo de Loulé (pago com o dinheiro dos contribuintes). Uma aposta no Estado policial que de forma consciente ou inconsciente leva ao investimento prioritário em esquadras da polícia quando se assiste a uma vandalização autêntica do Estado Social. A arrogância do executivo com boa parte dos cidadãos é outra marca clara da sua governação. Vejamos o que ganhei eu com a mudança deste executivo municipal. O vereador do lixo espetou-me com um contentor do lixo à porta da cozinha contra minha vontade e à sucapa às 7 horas da manhã e perante a minha reclamação disse-me que eu é que era lixo e mandou-me ir para tribunal. O Vice-Presidente da autarquia perante a minha reclamação insistente disse-me que eu não sabia educar o meu filho, nas barbas deste, que este ainda não tem. O senhor Presidente da autarquia telefonou-me directamente para o telemóvel a dizer-me que não me recebia na Câmara Municipal num encontro que tinha requerido à sua secretária como revanche do meu protesto. Uma faixa foi roubada da minha propriedade privada que dizia "Obrigado Vítor Aleixo pelo lixo à porta de casa". A quando dos protestos aos ministros da direita radical que o senhor presidente recebe na autarquia lá me deparo eu com ordens para a polícia me reprimir. Aspectos positivos? Uma certa aposta na cultura que perece ser genuína e uma defesa das "questões sociais" que infelizmente não passa de um paliativo quase insignificante da destruição sistémica da vida das pessoas. O orçamento participativo sendo em princípio uma boa coisa pode-se facilmente transformar numa certa ilusão de participação quando a democracia chegou ao fim. Tudo isto somado não chega para fazer uma boa governação. O que espanta é como tudo isto se passou em tão pouco tempo. O ziguezague e o namoro (com contornos de indecência) entre a esquerda e a direita do Dr. Vítor Aleixo arrisca-se a dar muito mau resultado.

domingo, outubro 19, 2014

26 de Outubro, Loulé - Acampada Popular Em Frente À CML - Não Páram De Roubar, Não Paramos De Protestar

Porque já não se suporta mais o governo de canalhas, aldrabões e incompetentes que está a destruir o país informa-se que se vai levar a cabo uma acampada de fim de semana em frente à Câmara Municipal de Loulé a exigir a demissão imediata do Governo de Pedro Passos Coelho. Apela-se também ao Senhor Presidente da República de Portugal, Dr. Aníbal Cavaco Silva, que saia do seu sono profundo e reponha o regular funcionamento das instituições dando cumprimento ao estipulado na Constituição da República.

Lixo, Nas Ruas De Loulé

O lixo na era do PS-Loulé está ao nível do lixo na era do PSD-Loulé. Em plena zona histórica, junto ao Castelo de Loulé, a rua tresanda.

O Costa Do Castelo E Os Associalistas

Tivemos esta semana um Orçamento de Estado violentíssimo na dose de austeridade que vai dizimar o pouco que resta do Estado Social e da vida dos portugueses. Alguém ouviu António Costa indignado o mínimo que seja com este nível de violência social? Qual é a diferença então para António José Seguro? Eu respondo. Nenhuma. Os portugueses vão continuar a ser esmagados e enganados.

Protesto de 18 de Outubro em Loulé, Cidadãos Deixam Mensagem Ao Governo de Passos Coelho



Loulé, 18 de Outubro de 2014, em frente à Câmara Municipal de Loulé. Não param de roubar. Não paramos de protestar.

sábado, outubro 18, 2014

18 de Outubro em Loulé, Passos Coelho Rua!


Loulé, Algarve, Portugal, Outubro de 2014

Pronto. Operação noturna de distribuição de panfletos para a manifestação de amanhã em Loulé concluída. A parte mais gira foi quando um aficionado do PS-Loulé (que vive o partido como um clube de futebol) me perguntou se podia ir à manifestação, ao que respondi, sei lá. Dou-lhe uma sugestão. Telefone para o Dr. Vítor Aleixo, se ele autorizar você vai, se ele não autorizar, fica em casa. Até logo.

quarta-feira, outubro 15, 2014

15 de Outubro de 2011, Três Anos Depois, Poderia Ser Hoje



Hoje é dia 15 de Outubro. Faz hoje três anos que decorreu a primeira grande manifestação contra a austeridade em Portugal. Neste dia a indignação explodiu nas ruas de Lisboa. Três anos depois a austeridade continua em dose brutal e o país está à beira da catástrofe com uma das maiores crises económicas e políticas da sua História. Acredito que só uma insurreição popular de massas que se traduza numa mudança radical de políticas nos permitirá sair deste buraco sem fundo. Este foi um dia histórico não só na história recente de Portugal mas também na minha vida pessoal.

A Entregar No Expediente Da Câmara Municipal De Loulé

Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé
Dr. Vítor Aleixo
Assunto: Manifestação em Loulé contra o governo de gatunos e aldrabões que governa Portugal – Não param de roubar, não paramos de protestar – Basta!
...
Data: Loulé, 15/10/2014
Informa-se que se vai levar a cabo um protesto contra a gente indecente, corrupta e imoral que Governa Portugal e contra o Arco Da Governação Que Nos Trouxe Até Aqui, Sábado, dia 18 de Outubro 2014, com concentração à porta da Câmara Municipal de Loulé, a partir das 16 horas. O percurso da manifestação seguirá pela Avenida José Da Costa Mealha descerá em direcção ao Castelo de Loulé e subirá de novo pela Praça da República. Porque não aceitamos mais a destruição de Portugal. Porque não nos esquecemos do roubo nas reformas, do roubo nos salários, das políticas de empobrecimento e de humilhação dos portugueses. Não nos esquecemos da destruição do Sistema Nacional de Saúde, da destruição do Sistema Educativo e do Sistema de Protecção Social. Porque não aceitamos a perseguição policial de quem protesta e procura defender a democracia e os direitos dos cidadãos. Porque estamos fartos de um governo de corruptos e aldrabões que esmaga a dignidade do seu povo e estamos fartos da cumplicidade do principal partido da oposição lá estaremos a protestar e a reivindicar a reposição da democracia que já não há. Os senhores políticos continuam a roubar. Só nos resta continuar a protestar. Agradeço que o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé faça chegar esta informação às autoridades policiais locais.
Os melhores cumprimentos

terça-feira, outubro 14, 2014

Continua o Arboricídio Em Loulé, A Estupidez Humana Não Tem Limites

 


Em Loulé, a estupidez humana em todo o seu esplendor. A Câmara desmontou as árvores e agora faz uma consulta à população para dar "nova vida" às árvores "desmontadas". É óbvio que o nosso país não tem futuro. Onde andarão todos esses indignados ecologistas que se revoltaram com o abate de árvores quando a autarquia era PSD?

A Inconsciência Social Da Sociedade Da Corte Louletana

Sejamos claros. Há qualquer coisa errado nas comemorações do 25 de Abril em Loulé. Não percebo a feira de vaidades. A nostalgia de um passado que já não é presente. A inconsciência da situação em que se encontram grande parte dos portugueses hoje. A celebração de uma democracia que já não existe. Portugal está ocupado, violentado e sem futuro e os políticos locais andam a brincar ao jogo da distinção social. Extraordinário.

sábado, outubro 11, 2014

Ainda A Tragédia Do Meco

Resumindo. As famílias, algumas delas com o esforço de trabalho de toda uma vida mandaram os seus filhos para a universidade. Os seus filhos foram mortos nas praxes académicas. A universidade nada fez para que se apurasse a verdade. No ano seguinte algumas espécies de alunos brincaram às praxes com a tragédia do Meco. E agora, o bolo em cima da cereja, o procurador que deveria ter contribuído de forma célere para o apuramento da verdade dos factos processa as famílias. Se alguém quer um verdadeiro sinal da podridão das elites do regime, está aqui nesta estória.
 

Arco Da (Des) Governação Distribui Honrarias Hoje Em Loulé Entre Si

Hoje tenho um protesto marcado contra o arco da (des) governação em Loulé que espezinhou a minha vida e destruiu qualquer ideia de futuro na vida dos portugueses. E hoje a minha forma de protesto é não comparecer no protesto. Que fiquem lá os políticos que não me respeitam e a polícia que me persegue a mando dos políticos a vigiarem-se uns aos outros. Cumprimentos especiais ao Dr. Seruca Emídio que tomou a decisão certa ao virar as costas a essa gente. Tanta manipulação e hipocrisia também chateia. Deixá-los a falar sozinhos é a melhor estratégia. Carpe Diem.

sexta-feira, outubro 10, 2014

10 de Outubro, em Loulé - Protesto Contra A Repressão Policial E Em Defesa Da Liberdade De Expressão E De Manifestação

Boa noite. Amanhã, 10 de Outubro de 2014, estarei à porta da Câmara Municipal de Loulé para saber quem deu ordens à polícia para me mandar calar e ser levado à força para fora do local do protesto contra o Ministro Miguel Macedo em Loulé. Partiu a ordem de expulsão do senhor Ministro? Partiu a ordem de expulsão do Dr. Vítor Aleixo? Partiu a ordem de expulsão do Vice-Presidente Hugo Nunes? Partiu a ordem de expulsão do chefe da polícia? De quem receberam ordens os polícias no local que me transmitiram que para estar no local do protesto tinha que estar calado, não podia tocar o bombo e como recusei cumprir essas ordens me empurraram pelas costas para fora do local do protesto? Quem? Porque houve pessoas que puderam vaiar o senhor ministro no local e eu fui impedido de o fazer pela polícia?
 

quarta-feira, outubro 08, 2014

Para Quem Gosta De Ler, É Ler Até Ao Fim

O grotesco do caos em que o início do ano lectivo se transformou vai do cómico ao dramático. Sob a tónica da insensatez do desvairado que o dirige, o Ministério da Educação e Ciência assemelha-se a um manicómio gerido pelos doentes. A última paciente, a directora-geral da Administração Escolar, decidiu sambar na cara de milhares de alunos, pais e professores: com a coragem própria dos cobardes, mandou os directores despedirem os professores anteriormente contratados. Sim, esses mesmos em que o leitor está a pensar. Aqueles a quem o ministro Crato (entretanto desaparecido atrás da palavra que não tem) garantiu, na casa da democracia, que não teriam qualquer espécie de prejuízo quando ele, ministro incompetente, corrigisse o enorme disparate para que acabava de pedir a desculpa da nação.
 
Por Santana Castilho aqui:

Protesto Em Loulé Contra O Arco da (Des) Governação Que Destruiu Portugal

Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé
Dr. Vítor Aleixo
Assunto: Protesto à porta do Cine-Teatro Louletano contra o Governo Corrupto e Indecente do PSD/CDS e o Arco Da Governação Que Nos Trouxe Ao Estado A Que Isto Chegou
 
 
Data: Loulé, 08/10/2014
Informa-se que se vai levar a cabo um protesto contra a gente indecente, corrupta e imoral que Governa Portugal e contra o Arco Da Governação Que Nos Trouxe Até Aqui, Sábado, dia 11 de Outubro 2014, na Avenida José Da Costa Mealha, a partir das 20 horas. Porque não aceitamos mais a destruição de Portugal. Porque não nos esquecemos do roubo nas reformas, do roubo nos salários, das políticas de empobrecimento e de humilhação dos portugueses. Não nos esquecemos da destruição do Sistema Nacional de Saúde, da destruição do Sistema Educativo e do Sistema de Protecção Social. Porque não aceitamos a perseguição policial de quem protesta e procura defender a democracia e os direitos dos cidadãos. Porque estamos fartos de um governo de corruptos e aldrabões que esmaga a dignidade do seu povo e estamos fartos da cumplicidade do principal partido da oposição lá estaremos a protestar e a reivindicar a reposição da democracia que já não há. Os senhores políticos continuam a roubar. Só nos resta continuar a protestar. Eu, João Martins, portador do Bilhete de Identidade nº 8132931, contribuinte nº 209991985, faço comunicar a sua excelência esta intervenção no espaço público. Agradeço que o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé faça chegar esta informação às autoridades policiais locais.
Com os melhores cumprimentos

terça-feira, outubro 07, 2014

Revolta Popular Em Portimão, Polícia Protege Socialistas Do Protesto Popular


Polícia protege socialistas das populações em Portimão e barra a entrada da Câmara Municipal de Portimão. Tal como em Loulé, os socialistas já não passam sem a polícia para calar quem protesta. Uma medida de austeridade socialista e indecente gerou a revolta popular. Percebe-se a preocupação dos socialistas com o gasto de milhões a construir esquadras da polícia. O arco da governação é isto. O arco da roubalheira que destruiu Portugal. Os responsáveis mastigam as provas em papel e a líder da seita local pede a dizima ao povo invocando a célebre "inevitabilidade".

segunda-feira, outubro 06, 2014

Vigília Pelo Direito De Manifestação E Pela Liberdade De Expressão

Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé
Dr. Vítor Aleixo
 
Assunto: Vigília pelo direito de manifestação e em defesa da liberdade de expressão

Data: Loulé, 07/10/2014
 
Informo que vou fazer uma vigília à porta da Câmara Municipal de Loulé em defesa do direito de manifestação e em defesa da liberdade de expressão, na próxima Sexta-Feira, dia 10 de Outubro de 2014. No dia 30 de Setembro, na passada Terça-Feira, fui impedido de me manifestar contra o governo durante a visita do Ministro Miguel Macedo, em Loulé. Enquanto tocava bombo e gritava palavras de ordem contra o governo fui abordado por alguns agentes da polícia e foi-me dito pelos senhores agentes que só poderia ficar no local do protesto se parasse de tocar o bombo e ficasse em silêncio caso contrário teria que me retirar do local onde me encontrava. Como continuei a tocar o bombo e a gritar palavras de ordem contra o governo e o senhor ministro fui expulso do local do protesto sendo empurrado pelas costas, escoltado e impedido de voltar junto ao edifício da Câmara Municipal de Loulé ficando sob vigia de dois agentes policiais que me impediram de exercer o meu direito ao protesto. Perante esta grosseira violação dos direitos fundamentais dos cidadãos, neste caso, através do direito consagrado constitucionalmente de manifestação e de liberdade de expressão só me resta expressar o meu descontentamento em vigília junto à porta da Câmara Municipal de Loulé. Eu, João Martins, portador do Bilhete de Identidade nº 9144931, contribuinte nº 201891985, faço comunicar a sua excelência esta intervenção no espaço público. Agradeço que o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé faça chegar esta informação às autoridades policiais locais.
Com os melhores cumprimentos

domingo, outubro 05, 2014

Nem Estalinismo Nem Fascismo, Não Nos Calarão

Dia 10 de Outubro, lá estarei, no local onde fui retirado pela polícia, à porta da Câmara Municipal de Loulé para dizer bem alto que não nos calarão pela repressão. Nem o Dr. Vítor Aleixo, nem o Dr. Miguel Macedo têm o direito de impedir quem quer que seja de exercer o livre direito de manifestação e de liberdade de expressão.
 

sábado, outubro 04, 2014

A Euforia Socialista Em Torno Do Costa Do Castelo

Há duas perguntas que vão ser fundamentais para a vida dos portugueses e para a sobrevivência política do partido socialista. A primeira é o que vai fazer António Costa com a dívida astronómica que sufoca a vida dos portugueses. A segunda é o que vai fazer António Costa com o Tratado Orçamental e a regra de ouro que exige um défice nas contas públicas de 0,5% do PIB e impossibilita a sobrevivência de um Estado Social decente. À primeira pergunta, a da dívida, António Costa foge da resposta como o diabo foge da cruz. À segunda pergunta, defende uma "interpretação flexível" do Tratado Orçamental. Não se percebe tanta euforia que por aí anda nas hostes socialistas. Sem uma posição clara sobre estas duas coisas a vida dos portugueses vai continuar a ser, no mínimo, um inferno.

sexta-feira, outubro 03, 2014

O Namoro Indecoroso Do Esquerdalhaço Presidente Vítor Aleixo Ao Ministro Da Direita Radical Miguel Macedo


O Dr. Vítor Aleixo mobiliza 1 milhão de euros do dinheiro dos contribuintes e o ministro Miguel Macedo 1,5 milhões. Não há dinheiro para os hospitais e para manter o centro de saúde de Loulé em condições dignas, não há dinheiro para a educação e para a contratação de professores que faltam às dezenas pelas escolas deste país fora, não há dinheiro para reformas e para salários porque diz-nos esta gente que está no poder vivemos acima das nossas possibilidades, não há dinheiro para os salários dos polícias mas há dinheiro pasme-se para construir esquadras da polícia. A passagem do Estado Social para o Estado Policial não é de admirar da parte do governo cujo Ministro da Administração Interna é responsável pela maior carga policial  sobre os cidadãos portugueses de que há memória desde o 25 de Abril de 1974 (ficará para a história das cargas policiais o célebre 14 de Novembro). O que deveria espantar ( a mim já não me espanta) é a "satisfação pessoal", quase que orgástica, do presidente da Câmara Municipal de Loulé na sua cumplicidade na legitimação e na construção do Estado Penal. E anda esta gente a comemorar o 25 de Abril em pleno mês de Outubro.

Nota: Enquanto o Ministro Miguel Macedo (na imagem) discursava, lá em baixo, na rua, eu era abordado por vários agentes policiais e proibido de tocar o bombo e gritar palavras de ordem contra o governo. Retirado do local pela policia, empurrado pelas costas fui mantido "aprisionado" abaixo do café Calcinha impedido de exercer o meu direito de manifestação. Resta saber de quem partiu a ordem...