domingo, junho 29, 2014

Petição em Defesa da Manutenção do Serviço Básico de Urgências de Loulé e na defesa do seu funcionamento com um serviço de qualidade

Para: Ex.ma Senhora Presidente Da Assembleia da República

Na sequência da manifestação que patrocinou no Concelho de Loulé, a 3 de Agosto de 2012 e em 28 de Maio de 2014, em defesa da manutenção dos serviços básicos de urgência de Loulé e em defesa do funcionamento dos seus serviços a 100%, com qualidade total, o Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé vem por este meio exigir que este serviço de urgências não encerre e que seja imediatamente colmatada a actual falta de médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e material básico, uma vez que estas falhas graves põem em causa a qualidade do tratamento aos utentes e em casos limite podem significar a diferença entre salvá-los e matá-los. Este movimento de cidadãos vem por este meio solicitar ao actual governo que demita imediatamente o responsável máximo da ARS Algarve, Dr. João Moura dos Reis e o responsável máximo pelo Centro Hospitalar do Algarve, Dr. Pedro Nunes, uma vez que ambos manifestaram a sua incompetência na gestão da saúde no algarve provocando na região uma situação calamitosa através da implementação daquilo que consideramos uma política de desastre. Consideramos absolutamente inacreditável que o Dr. João Moura dos Reis, da ARS Algarve, passe a responsabilidade do abandono do serviço básico de urgências de Loulé para o Dr. Pedro Nunes, responsável máximo do CHA e que o Dr. Pedro Nunes do Centro Hospitalar do Algarvepasse a responsabilidade para o Dr. João Moura dos Reis, responsável máximo da ARS Algarve, enquanto os utentes, cidadãos contribuintes, principais interessados no bom funcionamento dos serviços, assistem, impotentes, a este triste espectáculo na gestão da saúde do Algarve. Os cidadãos, abaixo assinados, vêm assim exigir a garantia de que estes problemas graves na saúde pública de Loulé sejam rapidamente resolvidos. De igual modo, no exercício de direitos legalmente consagrados, solicitam à Assembleia da República que decida discutir esta matéria, propondo ao Governo que corrija a orientação que assumiu neste domínio.

sexta-feira, junho 27, 2014

E se o Dr. João Moura dos Reis Da ARS Algarve e o Dr. Pedro Nunes do CHA se demitissem os dois? Não ganhariam os utentes dos serviços de saúde do Algarve?

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve rejeitou hoje responsabilidades relativamente à falta de recursos humanos verificada em Serviços de Urgência Básica da região, por considerar que esta matéria é competência do Centro Hospitalar do Algarve (CHA).
 
Já o presidente do conselho de administração do CHA, Pedro Nunes, afirmou que os recursos humanos para as urgências são da responsabilidade da ARS e o centro hospitalar só pode assumi-la quando também forem transferidas as verbas para esse efeito.
A posição da ARS, através do presidente, João Moura Reis, e de Pedro Nunes foram expressas à agência Lusa na sequência de notícias publicadas na imprensa a dar conta da falta de auxiliares de ação médica no Serviço de Urgência Básica (SUB) de Albufeira e das queixas de um grupo de cidadãos pela defesa dos serviços públicos em Loulé relativamente à falta de profissionais no SUB local.
«Temos tido de facto algumas dificuldades em encontrar algumas categorias profissionais, isto em relação aos SUB. E neste caso pontual parece que houve de facto a falta dos assistentes operacionais», admitiu João Moura Reis, ao ser questionado sobre uma notícia publicada no Correio da Manhã sobre falta de higiene no SUB de Albufeira devido à ausência de auxiliares em determinados turnos.
João Moura dos Reis frisou que o problema foi motivado pela baixa médica de duas funcionárias, o que torna «ainda mais difícil» o trabalho da ARS para definir escalas de serviço para todos os turnos, trabalho que tem sido feito, disse, apesar de os SUB estarem sob tutela da «área hospitalar», como define um «despacho do Governo que data de maio passado».
«A não assunção deste tipo de circunstâncias pela parte que lhe compete, neste caso o Centro Hospitalar do Algarve, faz com que nós façamos das tripas coração, digamos assim, para tentar colmatar e manter aberto um serviço público com pessoas que esse serviço não tem», afirmou, sublinhando que os regimes de contratação da ARS são mais restritivos do que os do CHA e só é possível assegurar as escalas com voluntários de outros serviços.
 
 

domingo, junho 22, 2014

Comunicado de Imprensa – Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé

Comunicado de Imprensa – Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé
Data: 23/06/2014
 
Na sequência da manifestação de 28 de maio de 2014 em defesa das urgências de Loulé, em que o Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé exigiu este serviço de urgências a funcionar a 100% e com a máxima qualidade, se insurgiu contra a falta de médicos, enfermeiros e outro pessoal operacional e contra a falta de materiais básicos de funcionamento do acto médico; este movimento de cidadãos acompanhado de centenas de pessoas que partiram da porta da Câmara Municipal de Loulé chegou ao Centro de Saúde de Loulé onde pode confirmar a pior das expectativas de que a subunidade de urgências de Loulé está abandonada pelo Governo, uma vez que ninguém recebeu os seus representantes e que na ausência dos responsáveis máximos da ARS Algarve e do Centro Hospitalar do Algarve, acabaram por encontrar como solução imediata no local, para terem um interlocutor institucional credível, entregar uma carta com as suas preocupações ao senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Dr. Vítor Aleixo, na esperança que este obtivesse uma resposta para a reivindicação das populações junto dos máximos responsáveis institucionais da região e do país. A carta foi dirigida ao responsável máximo da ARS Algarve, Dr. João Moura dos Reis, ao responsável máximo do Centro Hospitalar do Algarve, Dr. Pedro Nunes, ao Senhor Ministro da Saúde, Dr. Paulo Macedo e ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Dr. Vítor Aleixo. Uma vez que até à presente data este movimento de cidadãos não teve qualquer resposta de qualquer das entidades responsáveis pela sub-unidade de urgências de Loulé, vai este movimento de cidadãos querer saber junto do senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé o destino que foi dada à carta que lhe foi entregue no dia 28 de Maio à porta do serviço de urgências da respectiva cidade. O Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé aproveita para informar também os residentes do concelho de Loulé que vai lançar uma petição on-line e em suporte de papel dirigida à Senhora Presidente da Assembleia da República de modo a recolher o máximo de assinaturas dos cidadãos do concelho com o objectivo de exigir que o serviço de urgências básicas em Loulé não encerre e que o seu funcionamento esteja à altura de garantir uma saúde digna a todos os cidadãos que dele necessitem e a ele recorram.

Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé
Adelino Neto Guerreiro; Ana Catarina Rodrigues; Carina Guerreiro; Elsa Frederico; João Martins; João Serafim; Joel Brito

quarta-feira, junho 18, 2014

Um Governo De Ladrões Sem Um Pingo De Vergonha

O Governo tinha muitas dúvidas, e a coligação PSD-CDS impôs, no Parlamento, um pedido de aclaração, para que o Tribunal Constitucional explicasse, exatamente, como devia ser aplicado o acórdão que chumbava os cortes nos salários dos funcionários públicos. Curiosamente, no mesmo dia em que os deputados da maioria falavam grosso ao TC, desafiando os juízes a "não desertar" e a "não fugir às suas responsabilidades", o mesmo PSD e CDS davam luz verde a que o Parlamento repusesse de imediato, sem margem para dúvidas, os salários dos deputados e dos funcionários parlamentares.

Ler mais:
http://expresso.sapo.pt/deputados-nao-esperaram-por-aclaracao-para-repor-salarios=f876491#ixzz351R9g0bF

Cidadãos Protestam Contra A Austeridade Em Albufeira

Um grupo de cidadãos volta a promover, amanhã, 18 de junho, às 18h00, um protesto contra a reunião do Partido Popular Europeu (PPE), que considera ser o «principal responsável pela brutal austeridade», e contra as «políticas de austeridade implementadas pela Troika e pelo governo português», no Hotel Epic Sana, na Aldeia da Falésia (Albufeira), onde está a decorrer a reunião do PPE. Este é o segundo protesto, tendo o primeiro ocorrido ontem, dia 16. O protesto contará com a presença de cidadãos, entre os quais João Vasconcelos, vereador bloquista na Câmara de Portimão e coordenador da Comissão de Utentes da Via do Infante. «Temos sobejas razões para protestar: porque sabemos que, neste local, estão reunidos os principais responsáveis – gente e governantes sem lei – pela brutal austeridade que atinge a Europa, incluindo Portugal; porque consideramos que o governo de Passos Coelho é um governo inconstitucional que governa contra a Constituição da República Portuguesa e ataca a democracia; porque consideramos que as políticas de austeridade que conduzem ao empobrecimento brutal dos portugueses atingem já contornos de Crime Contra A Humanidade; porque o relógio do Dr. Paulo Portas parou no tempo e afinal não há saída alguma do programa da Troika e muito menos limpa», salientam os organizadores do protesto, em comunicado. «Estaremos em Albufeira, a exigir a saída do PPE do Algarve e a saída imediata do Governo PSD/CDS e de Pedro Passos Coelho da governação do país – a única alternativa viável para o nosso país», acrescentam os promotores. «Basta de roubo nos salários. Basta de roubo nas reformas. Basta de destruição dos serviços de saúde pública. Basta de destruição dos serviços de educação pública. Basta de destruição dos serviços de proteção social dos portugueses. Basta de tanta indecência na governação de Portugal»
 

terça-feira, junho 17, 2014

Novo Protesto Contra Os Ladrões Austeritários, Quarta-Feira, dia 18 de Junho, Em Albufeira

Dia 18 de Junho vão estar em Albufeira numa reunião do Partido Popular Europeu, Pedro Passos Coelho, Paulo Portas, Durão Barroso e o Ministro da Austeridade Alemão, o senhor Schäuble. Apela-se a todos os algarvios que lutam contra as políticas de austeridade implementadas pela Troika e pelo Governo PSD/CDS que compareçam num protesto firme pela demissão imediata deste governo e pelo fim das políticas de austeridade. Vamos dizer a estes senhores que não são bem vindos ao Algarve. Não aceitamos mais ser roubados à revelia do Tribunal Constitucional nos salários e nas pensões de reforma, nos subsídios de doença e de desemprego. Não compactuamos com a destruição do Sistema Nacional de Saúde, a destruição da Educação Pública, a destruição do Estado Social e da vida dos portugueses. Troika e Governo fora daqui. Juntemo-nos em defesa das nossas vidas!

segunda-feira, junho 16, 2014

PPE Fora Daqui, Passos e Portas Rua!

PPE fora daqui! Gritou-se hoje em Albufeira. Hoje o protesto contra os responsáveis austeritários europeus - mesmo durante o mundial Portugal/Alemanha - fez-se sentir junto ao Hotel Epic Sana, na Aldeia da Falésia, em Albufeira. Há quem persista em lutar e se recuse em baixar os braços. Amanhã ainda vão estar por lá Passos Coelho, Durão Barroso e uma boa parte dos responsáveis pelas políticas de austeridade que dizimam o Sul da Europa. Para que se saiba que à hora do jogo Portugal-Alemanha houve gente a dizer basta à porta da reunião do Partido Popular Europeu. No Hotel de Isabel dos Santos o aparato policial ultrapassa qualquer ficção de uma qualquer série CSI. A imprensa silenciou o encontro e o protesto, sindicatos nem vê-los. Depois de três anos de esmagamento austeritário a Troika passeou-se tranquilamente pelo Algarve.
 
https://www.facebook.com/events/304207116411221/permalink/307623599402906/

O Material Tem Sempre Razão

Como diz Pacheco Pereira. O material tem sempre razão. Já é possível ver Pedro Nunes do lado da população algarvia que ainda há pouco tempo pediu nas ruas de Loulé a sua demissão e o PSD/Loulé que emitiu há pouco tempo um comunicado a chamar demagogo a quem protesta, vir agora admitir os défices da saúde, no algarve. Se a falta de vergonha pagasse imposto pagávamos a dívida em menos de um ano. Cheira-me que esta gente tem muito medo do que possa vir a acontecer nas unidades de saúde do Algarve este Verão e não vá o diado tecê-las, mudou de posição.
 

domingo, junho 15, 2014

A Vida É Bela Em Portugal

Entre amanhã e Quarta-Feira vão estar em Albufeira os principais representantes do Governo Português, Passos Coelho, Paulo Portas, Maria Luís Alburquerque (etc) e os principais representantes do Partido Popular Europeu, Durão Barroso, Schauble (Ministro das finanças alemão), talvez Merkel (etc, etc). Esta gente é responsável pelo esmagamento da população portuguesa através de bárbaras medidas de austeridade que está disposta a levar até ao fim (e com esta gente o fim pode ser sempre dantesco). É pois possível em Portugal esta gente vir passear-se nas barbas dos portugueses sem um protesto, sem um rosnar de dentes, sem uma censura moral que seja. Os jornalistas mantém o possível secretismo do encontro. Os sindicatos não se mobilizam. A população está virada para o mundial da bola. Os activistas estão de férias. A vida é bela em Portugal.

sábado, junho 14, 2014

Mudar O Nome Ao Partido

O partido socialista rejeitou a proposta de referendo ao Tratado Orçamental apresentada pela esquerda no parlamento. O partido socialista sofre daquelas doenças esquizofrénicas típicas de quem não sabe lidar com a sua dupla identidade. Dá a entender à população portuguesa que rejeita a austeridade que destrói a vida dos portugueses e ao mesmo tempo votou a favor do Tratado Orçamental e rejeita referendá-lo colaborando no mais feroz garrote austeritário que pesa sobre os portugueses nas próximas décadas. Nenhum Dom sebastião pode resolver esta contradição insanável. Só há uma solução. O partido mudar de nome.
 
http://www.esquerda.net/artigo/direita-e-ps-voltam-chumbar-referendo-ao-tratado-orcamental/33024

quinta-feira, junho 12, 2014

Austeridade Perpétua

A "saída limpa" está a revelar-se uma permanência suja. Se a austeridade veio para ficar é bom que se diga que a conflitualidade social veio para ficar (não é um desejo, é um facto), o ataque à democracia veio para ficar, a raiva aos políticos veio para ficar. É bom que se perceba isto porque é isto que significa estar agrilhoado pelo Tratado Orçamental (assinado por António José Seguro e pelo Partido socialista com orgulho e vaidade).

segunda-feira, junho 09, 2014

Colaboracionistas, Cúmplices, Traidores e Resistentes

Enquanto uma certa burguesia nacional colaboracionista, traidora dos interesses nacionais, cúmplice da destruição da vida dos portugueses e ignobilmente indiferente ao seu brutal empobrecimento se tenta manter na instalação a todo o custo há ainda uma minoria resistente que não desiste de encontrar a saída deste beco aparentemente sem saída. Em Albufeira a 16 de Junho, a Troika nacional e estrangeira que destrói o país terá novamente gente a dizer basta às suas políticas de destruição de massa. Serão poucos, mas muito dignos. Depois há os outros, aqueles que fazendo de conta que não se passa nada procuram manter-se a todo o custo nos seus lugares como se isso fosse o móbil único da sua existência. Um faz de conta condenado a bater com estrondo nas paredes disso a que chamamos "realidade". Ninguém vai escapar ileso à barbárie instalada.
 

sábado, junho 07, 2014

Manifestação Contra A Troika E Pela Demissão Do Governo Em Albufeira, 16 de Junho - Troika Fora Daqui! Basta De Austeridade!

De 16 de Junho a 18 de Junho vão estar em Albufeira numa reunião do Partido Popular Europeu, Pedro Passos Coelho, Paulo Portas, Durão Barroso e o Ministro da Austeridade Alemão, o senhor Schäuble. Apela-se a todos os algarvios que lutam contra as políticas de austeridade implementadas pela Troika e pelo Governo PSD/CDS que compareçam num protesto firme pela demissão imediata deste governo e pelo fim das políticas de austeridade. Vamos dizer a estes senhores que não são bem vindos ao Algarve. Não aceitamos mais ser roubados à revelia do Tribunal Constitucional nos salários e nas pensões de reforma, nos subsídios de doença e de desemprego. Não compactuamos com a destruição do Sistema Nacional de Saúde, a destruição da Educação Pública, a destruição do Estado Social e da vida dos portugueses. Troika e Governo fora daqui. Juntemo-nos em defesa das nossas vidas!

sexta-feira, junho 06, 2014

Uma Nova Proposta De Alternância Sobre A Aparência Da Alternativa

Acabo de ouvir o discurso de António Costa. Há claramente mais política e sociedade nas suas propostas do que nas não propostas de António José Seguro. Há um pequeno problema. António Costa evitou tocar em tudo aquilo que vai condicionar fortemente a vida dos portugueses nos próximos anos e que portanto, inviabiliza as boas ideias que de forma genérica apresentou. Não se sabe o que pensa do Tratado Orçamental. Não se sabe o que vai fazer em relação à Troika. Não se sabe (de forma clara) o que pensa sobre a dívida. Não se sabe o que vai fazer com as políticas de austeridade que reconheceu serem um fracasso. Sabe-se que quer ficar na EU e no euro. Há algo não dito no discurso de António Costa que é um erro estratégico claro. É pensar que o PS de Costa vai chegar à maioria absoluta. Não vai, Costa está perfeitamente enganado.

Uma Carta Às Esquerdas Que É Um Bom Diagnóstico, O Caminho É Estreito Mas É Mesmo Este

Os resultados das eleições europeias de 25 de Maio convocam toda a cidadania à esquerda para uma reflexão urgente sobre o futuro de Portugal e da Europa, o aumento da abstenção e as próprias escolhas de quem se pronunciou. Em Portugal, um dos países europeus mais atingidos pelas políticas de austeridade, a resposta social foi insuficiente para enfrentar a troika e, agora, nas eleições, a polarização à esquerda do descontentamento popular ficou aquém da gigantesca abstenção verificada. As forças da esquerda, em que o Bloco de Esquerda só atinge a eleição de uma deputada, não somam um quinto dos votos. Este tempo apela assim à reflexão sobre o futuro. Na luta pelo poder entretanto aberta no PS, a crispação entre os dois protagonistas não ilude o compromisso de ambos com as políticas da UE e a aceitação, resignada ou entusiasta, do Tratado Orçamental, que impõe mais cortes, promove o desemprego, acentua o declínio nacional e a pressão para o êxodo dos jovens. Quem aplicar esta estratégia governa contra o país e não tem uma política de esquerda. No caminho para as eleições de 2015, uma esquerda que pretenda protagonizar um caminho efetivamente alternativo para Portugal tem, na nossa opinião, duas obrigações irrecusáveis perante o país: primeira, não dar qualquer apoio a um governo, mesmo que dirigido pelo PS, que prossiga políticas de austeridade como as impostas pelo Tratado Orçamental; e, segunda, construir um amplo campo de recusa das imposições da União Europeia e de concretização de um programa de transformação social fundado no primado dos direitos constitucionais e na universalidade dos serviços públicos. Sobre essa base, é possível uma oposição convergente e reforçada, capaz de se afirmar como alternativa e de triunfar sobre a alternância estéril. Ao apreciar os resultados eleitorais na sua Mesa Nacional, o Bloco sublinhou a necessidade de um diálogo aberto entre partidos e forças que lutam contra a austeridade, que saiba juntar energias e envolver cidadãos independentes, ativistas e movimentos sociais, indispensáveis ao esforço para a construção de uma alternativa alargada. Essa convergência é possível, como ficou à vista nas mobilizações de rua dos últimos três anos, na ação parlamentar comum dos partidos de esquerda, noutras iniciativas várias como os fóruns e ações promovidos pelo movimento sindical. Convergência, também, nas propostas de rejeição do memorando e do Tratado Orçamental e pela reestruturação da dívida, desde o Congresso Democrático das Alternativas até ao Manifesto dos 74. Pela nossa parte, estamos empenhados nesse percurso de pensamento e articulação com vista a formas de convergência de oposição e de proposta em torno de bases programáticas claras que, gerando mobilização e entusiasmo, permitam ganhar força política, social e eleitoral. A dimensão dos problemas que o país enfrenta exige uma grande convergência das esquerdas. Julgamos que só esse caminho permite abrir um horizonte de esperança a quem não desiste de Portugal.
 
Catarina Martins e João Semedo
Coordenadores do Bloco de Esquerda

Seguro Mas Não Tropo

Uma pergunta ingénua da minha parte que sou considerado maluco num país de gente sã. Se António José Seguro propõe eleições primárias para o PS em 28 de Setembro porque raio queria que Cavaco Silva convocasse agora uma reunião do Conselho de Estado?

quinta-feira, junho 05, 2014

O Grande Estoiro

Tudo se conjuga para um grande estoiro do centrão e da direita ultraliberal nas próximas eleições legislativas sejam lá elas quando forem. Saiba a esquerda (a verdadeira) aproveitar isso. À maneira Grega pois claro.

quarta-feira, junho 04, 2014

Lodo Institucional

Ontem o Tribunal Constitucional decretou que eu receberia o salário e o subsídio de férias sem cortes pela primeira vez em três anos. Hoje já recebi uma informação que afinal isso não vai acontecer. Li também que os funcionários das grandes autarquias vão receber por inteiro enquanto que para os funcionários da administração central não há condições para que isso aconteça. Portugal tornou-se um lodo institucional. Essa é a grande virtude desta governação. Quem anda por aí a gritar pelas ruas "viva a democracia" anda completamente distraído.

Plataforma Cidadã Contra As Portagens Na Via Do Infante - Pela Anulação Do Contrato PPP Da Via Do Infante Já!

Esta plataforma pretende reunir o máximo número cidadãos a residir no Algarve para que se juntem num movimento popular com o objectivo de anular juridicamente o contrato ruinoso da PPP das portagens da Via do Infante (A22). Porque estamos perante um negócio ruinoso para os contribuintes individuais, ruinoso para a região do Algarve e ruinoso para o Estado Português, a única solução é romper já e imediatamente este contrato. Se se podem romper os contratos com os cidadãos através do roubo de salários e de reformas. Se se pode romper o contrato social com os portugueses violando grosseiramente e sistematicamente a Constituição da República então é da maior justiça que se corte definitivamente nos negócios pouco transparentes que são ruinosos para a nação. Juntemo-nos em defesa do Algarve, de Portugal e das nossas vidas. Pela anulação do contrato PPP da Via do Infante Já!

terça-feira, junho 03, 2014

Debate Sobre A Saúde Em Loulé Suspenso (Temporariamente?) - A Iniciativa É De Inegável Interesse Público

"Aqui foi sugerido um debate sobre a Saúde, matéria que agitou a terra em função do anunciado encerramento das urgências do Centro de Saúde Loulé que, nesse âmbito, também serve o concelho de São Brás de Alportel. Prevendo-se afluência de interessados, esse debate chegou a ser pensado para decorrer no Cine-Teatro Louletano, em dia de disponibilidade da sala, designadamente 24 de junho. Mas foi logo referido que esse debate estava condicionado ao consenso dos intervenientes a convidar, com abrangência de todas as partes implicadas: representantes idóneos da Administração Regional de Saúde, Ordem dos Médicos, Ordem e Sindicato dos Enfermeiros e, ponto fundamental, representantes dos movimentos cívicos que comprovaram capacidade de mobilização da opinião pública sobre a questão. Pensava ainda a Comissão Concelhia convidar a figura que historicamente está indissociavelmente ligada à criação do Serviço Nacional de Saúde: António Arnaut. Logo à partida se verificou que o consenso de participação ficou inviabilizado, pelo que se desistiu, por ora, da iniciativa, pelo menos com a abrangência que foi delineada. Lamentamos."
 

segunda-feira, junho 02, 2014

Quatro Perguntas A António Costa

1. O que pensa António Costa do Tratado Orçamental apoiado pelo partido socialista?
2. O que pensa António Costa da regra de ouro defendida por António José Seguro?
3. O que pensa António Costa da dívida portuguesa?
4. Qual a posição de António Costa sobre as políticas de austeridade?
 
PS: A resposta a estas quatro perguntas é crucial para o futuro dos portugueses.

domingo, junho 01, 2014

Portugal Em Modo Pause

As Prioridades Do Dr. Vítor Aleixo E Do Vice-Rei De Loulé

Loulé ganhou a candidatura a cidade europeia do desporto. Não vou discutir aqui se isso é bom ou mau. Não sei quando dinheiro vai estar investido nisso. Para já, o anúncio da vitória na candidatura já serviu para informar a população que se vai construir mais campos de futebol. Não há dinheiro para manter as urgências a funcionar a 100%. Vão fechar seis escolas no concelho. Mas há sempre dinheiro para essa coisa dos campos da bola. Como andam os brasileiros a gritar nas ruas do Brasil: "Se o teu filho adoecer leva-o ao Estádio". A dívida megalómana do Estádio do Algarve não chega. Venha mais jogo da bola. A gente paga isso tudo.

Um Regime Podre Com Um Cheiro Nauseabundo

Sobre o lastimável espectáculo que é hoje o partido socialista vale a pena dizer que a seguir a uma derrota do governo nas eleições, a uma derrota do governo face ao Tribunal Constitucional e face a um anúncio breve de mais medidas de austeridade, o PS em vez de exigir a imediata demissão do Governo entrou em processo de autofagia. O regime está podre e a Presidência da República tresanda a bafio.