quinta-feira, maio 31, 2012

Economia Verde: Sem Exploração De Petróleo No Algarve

Economia verde pode gerar entre 15 a 60 milhões de empregos

Não há dia em que não se ouça dizer que o ambiente é uma pedra no sapato da economia. Estes números dizem, porém, o contrário: a chamada “economia verde” pode gerar 15 a 60 milhões de novos empregos nos próximos 20 anos. A estimativa resulta de uma análise feita pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e leva em conta os postos de trabalho criados em vários sectores, como o das energias renováveis, da eficiência energética ou da reciclagem. O estudo admite que, com a transição para a economia verde, alguns vão ter de mudar de emprego. Mas trata-se de um número “gerível” – nos países desenvolvidos, será de um por cento da força de trabalho. “As preocupações sobre a perda de empregos na economia verde são, por isso, exagerados”, conclui o estudo, realizado no âmbito da Iniciativa Empregos Verdes, que envolve também outras agências da ONU. A economia verde já está a dar sustento a milhões de pessoas. Nos Estados Unidos, segundo o relatório, há 3,1 milhões de trabalhadores (2,4%) a prestarem serviços ou produzirem bens na área do ambiente. No Brasil, são 2,9 milhões (6,6%). Só no sector das renováveis, trabalham, no mundo todo, cinco milhões de pessoas. E a área da biodiversidade criou quase 15 milhões de empregos directos e indirectos na Europa. Entre o dever e haver, as projecções apontam para um ganho positivo de 0,2% a 2,0% no número de empregos globais – ou seja, mais 15 a 60 milhões de postos de trabalho. A economia verde, e como esta via pode ser a solução para pobreza no mundo, é o tema central da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, que terá lugar no Rio de Janeiro, de 20 a 22 de Junho. A OIT dá exemplos desta ligação – como a utilização de práticas mais eficientes e com menor impacto por parte dos 400 milhões de pequenos agricultores nos países em desenvolvimento, ou a integração, na fileira da reciclagem, de milhões de “catadores” de lixo das grandes cidades. Ao benefício ambiental soma-se o aumento da produção e do rendimento. O foco da Rio+20 sobre a economia verde não é pacífico. Vários países e organizações têm-se mostrado reticentes, invocando argumentos contra a mercantilização do ambiente e contra a ingerência externa no padrão de desenvolvimento de cada nação. “A sustentabilidade ambiental não é assassina os empregos, como normalmente se diz. Pelo contrário, se gerida adequadamente, pode levar a mais e melhores empregos, à redução da pobreza e à inclusão social”, afirma, no entanto, Juan Somavia, director-geral da OIT, citado num comunicado da organização.

Aqui: http://ecosfera.publico.pt/noticia.aspx?id=1548386

E Não Duvidem Que Há Empreendedorismo Na Forma Como Se Resiste...

quarta-feira, maio 30, 2012

Em Espanha Já Se Resiste...

Já aqui tinha dito que é em Espanha que tudo se vai passar...mesmo com o ano oferecido pela Troika a Rajoy.

Asturies. Se declara huelga minera indefinida

Ciclo De Debates Sobre A Exploração De Petróleo E Gás Natural No Algarve

Mudar de Políticas ou Sair do Euro?

Ante la crisis de la unión monetaria caben al menos cuatro posturas. La primera consiste en oponerse al proyecto de integración europea; se basa en el principio de que cuanta menos Europa, mejor. Es la tesis que defienden los euroescépticos británicos y también ciertos partidos populistas que están ganando terreno electoral en muchos países. La segunda es la imagen especular de la anterior: considera que cuanto más Europa, mejor. Este es el proyecto de los europeístas de toda la vida, que creen que el actual estado de cosas es peor que una verdadera unificación fiscal y política pero mejor que la desaparición de la moneda común.
La tercera postura establece que lo mejor es el estado actual de cosas, siendo algo peor una mayor integración y lo peor de todo la ruptura de la unión monetaria; esta parece ser la opción dominante en Alemania.
 La última posición, poco explorada aún en el debate europeo, propugna que lo mejor sería avanzar hacia un estadio superior de integración, pero que si este no se produce y continuamos como hasta ahora, lo razonable sería abandonar la unión monetaria. Creemos que esta es la posición que deberían defender los países que están sufriendo más con la crisis actual.
 Esta cuarta postura parte del reconocimiento de que hubo un error de principio en el diseño de la unión monetaria. El sistema generó unos flujos enormes de capital desde el centro del continente hacia la periferia. A través de múltiples intermediarios, el libre movimiento de capitales hizo posible que los ahorros de los alemanes depositados en sus cajas de ahorro acabaran siendo usados para enladrillar los descampados de Seseña y para financiar otras inversiones de dudosa rentabilidad. En los países receptores de capital los precios aumentaron y se produjo una pérdida de competitividad. Cuando la crisis financiera internacional y el estallido de la burbuja provocaron que las diferencias de competitividad no fueran sostenibles, surgió un conflicto cada vez más enconado entre países acreedores (Alemania, Austria, Finlandia, Francia, Holanda) y deudores (España, Grecia, Italia, Irlanda y Portugal) sobre cómo se deberían distribuir los costes del ajuste.

Hasta que no se produzca una caída de salarios que corrija su déficit de competitividad, los países del Sur e Irlanda no podrán volver a crecer
 Las opciones para superar las dificultades manteniendo el sistema actual no son demasiado halagüeñas, por decirlo suavemente. El Banco Central Europeo (BCE), interpretando la crisis como un mero problema de deuda pública, ha tomado partido por los países acreedores. Según el BCE, la única corrección necesaria consiste en una devaluación interna en los países deudores, condenados a asumir el coste del ajuste. Hasta que no se produzca una caída de salarios que corrija su déficit de competitividad, los países del Sur e Irlanda no podrán volver a crecer. El ministro Guindos ve “rayos de esperanza” porque el aumento del desempleo y las malas perspectivas están tirando de los salarios hacia abajo, lo que reduce nuestro déficit de competitividad. Pero el problema está en que esta corrección se hace a un ritmo dolorosamente lento. Incluso deprimiendo la economía hasta niveles desconocidos, recuperar la competitividad perdida mediante esta estrategia durará más de una década, un plazo que ninguna sociedad democrática se puede permitir. Es precisamente el creciente convencimiento por parte de los mercados de que esta estrategia no es sostenible políticamente lo que está acelerando los acontecimientos de estas últimas semanas. Según el mercado de apuestas de intrade, la probabilidad de que algún país abandone la unión monetaria en los próximos veinte meses es ya del 60%.
 Incluso los economistas que insistieron en que bastaría con consolidación fiscal y reformas estructurales para generar confianza y crecimiento, parecen haberse convencido de que una estrategia solo basada en ajustes en la periferia es insuficiente. Aunque tarde, está surgiendo un nuevo consenso, según el cual, en el corto plazo, habría que aprobar medidas como restructuraciones de la deuda, redefinición del papel del BCE y creación de eurobonos que financien las deudas de todos los miembros de la eurozona, y, en el medio plazo, el establecimiento de una auténtica unión fiscal.

Solo el miedo a la ruptura de la eurozona puede mover a los líderes europeos hacia una mayor integración
Estas soluciones son (o lo han sido hasta ahora) anatemas para el establishment europeo, pues atentan frontalmente contra las garantías que exigió Alemania cuando se creó el euro y exigirían además un cambio constitucional profundo en la UE. Pero si no se dan pasos en esta dirección, creemos que debería reconocerse con honestidad que la empresa colectiva de la unificación monetaria no ha funcionado y que es mejor desmantelarla, o al menos organizar una salida ordenada de aquellos países que hoy ven su futuro estrangulado. Al fin y al cabo, la historia muestra que una devaluación como la que provocaría el abandono del euro es la forma más rápida y eficaz de cerrar el déficit de competitividad.
 Si el sistema no cambia rápidamente, la permanencia en el euro parece demasiado costosa. Cuatro años después del inicio de la crisis, resulta cada vez más difícil aceptar un estado de cosas que implica la permanente depresión de la economía y la adopción de políticas enormemente impopulares, llevadas a cabo incluso violentando principios básicos de la democracia. Los europeístas incondicionales se escandalizan ante esta propuesta y ofrecen perspectivas de pesadilla para los países que quieran abandonar el euro. Sin embargo, no está claro en estos momentos si los costes de salir del euro son mayores o no que el coste económico y político de permanecer en un sistema monetario defectuoso.
Curiosamente, la postura que defendemos (salir del euro si no se produce un cambio profundo de las reglas de juego) puede hacer más por la supervivencia de la unión monetaria que el europeísmo incondicional de las élites políticas del sur de Europa. Por muchos artículos de periódico que se publiquen sobre los eurobonos, estos no se harán realidad si los gobiernos periféricos no suman fuerzas y plantean abiertamente que en ausencia de un cambio profundo de las reglas de juego es mejor abandonar la moneda única. La experiencia reciente indica que lo único que puede mover a los líderes europeos en esa dirección es el miedo a la ruptura de la eurozona.

José Fernández-Albertos es investigador en el Instituto de Políticas y Bienes Públicos del CSIC e Ignacio Sánchez-Cuenca es profesor de Sociología.

Nuvens Muito Escuras Por Cima Da Europa



Já sabiamos que a Espanha não é Portugal, que Portugal não é a Grécia, tal como a Irlanda também não é a Grécia e Itália poderá sempre dizer que não é a Espanha. Mas Espanha é grande demais para falir e grande de mais para intervir com sucesso. Uma hecatombe. Quando a corrida aos bancos começar (de certa forma ela já começou) vou rezar (desde que ganhei consciência da minha condição de ateu que não o faço), pensar o que fazer com a família e depois a seguir pensar no que fazer em situação de guerra. E nesta altura a guerra não vai ser só financeira. Os tempos são de catástrofe. Espanha é onde o precipício está mais inclinado. Nem sequer é na Grécia. Entretanto em Portugal, os media preparam uma overdose de "identidade nacional". Mas desta vez nem o multimilionário Cristiano Ronaldo nos salva.

Victoria fala sobre os Bankgansters

terça-feira, maio 29, 2012

O Doutor Seruca Emídio Depois De Ter Posto A Autarquia Na Bancarrota Deve Estar Hoje Feliz

Milhões de euros depois de "obras" sem sentido algum (podia dar meia dúzia de exemplos enquanto o diabo esfrega um olho) e depois de ter levado a Câmara Municipal de Loulé à bancarrota, o doutor Emídio conseguiu hoje ver aprovado um plano de "resgate" que lhe vai permitir disfarçar a bancarrota da autarquia. Vai sobrar mais uma vez para o zé "povinho" que esta gente que nos governa não tem um pingo de vergonha na cara. Pela pouca vergonhice que vai ali para os lados do blogue Da Serra ao Mar (uma cretinice pegada) o poder deve ser uma coisa muito boa. Os novos fascistas do PPD/PSD estão prontos para assaltar o poder aos fascistas que detêm o poder no PPD/PSD. Sem um pingo de vergonha e de consciência social que seja. Um drama para todos os louletanos.

Os Imbecis Austeritários Querem A Austeridade Mas Já Não Querem As Consequências Da Austeridade: Uns Perfeitos Imbecis


Querer austeridade e ao mesmo tempo crescimento económico é como aquelas pessoas que gostam muito de turismo sustentável mas ao mesmo tempo querem petróleo na costa. Não dá. O sentimento de impunidade das tristes elites dominantes que nos governam autorizam-nas a pensar que tudo vale e que tudo se pode. Não, nem tudo vale. Nem tudo se pode. Há coisas que são incomensuráveis. E não adianta tentar explicar isto a este tipo de gente. Não adianta. Nem vale a pena perder um só segundo de esforço. 

http://www.dn.pt/inicio/default.aspx

Cidadãos Lutam Contra A Expropriação Ecológica Da Região Do Algarve



É uma vergonha aquilo que se está a passar na região do Algarve. Pessoas bem posicionadas em cargos de responsabilidade fecham os olhos à expropriação ecológica da região. Políticos e partidos vendem o futuro dos habitantes da região a troco sabe-se lá de quê. As associações ambientais, de novo, optam por um insuportável silêncio intencional enquanto a indústria do petróleo se instala tranquilamente nos mares do Algarve (uma autêntica vergonha). Dos empresários da hotelaria as habituais distracções acumuladas de toneladas de ignorância. Dos partidos de esquerda, a espera utópica de uma apropriação socializada futura dos recursos naturais da região ou coisas ocultas que só os mecanismos de financiamento partidários permitem explicar? Quem sabe, nada disso. Apenas amor ao petróleo, talvez. Uma tristeza. Perdoem-nos as futuras gerações porque eles não sabem o que fazem.

Mercado Livre Ao Contrário: O Que é Bom Para A "Sociedade" É Bom Para Algumas Aves De Rapina Da "Sociedade"

O Banco espanhol Bankia não vai devolver os 19 mil milhões de Euros de ajuda ao governo de Espanha.

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=557592&tm=6&layout=122&visual=61

segunda-feira, maio 28, 2012

Tu afastas-te do país que foi o teu berço, próximo do caos, porque não conforme aos mercados

Gregos reagem às declarações da porca fascista que é Directora Geral Do FMI

"A minha família não deve um euro às finanças, a uma agência pública ou a um banco na Grécia ou noutra parte do mundo. Acreditamos na honestidade, no trabalho árduo e no mérito. Proíbo-a de nos acusar de sermos ladrões e de manchar a minha família"

Aqui:
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2549683&seccao=Europa&page=-1

Catastroika



Relvas, Coelho, Gaspar, o Álvaro, Cavaco e todos esses canalhas neoliberais estão a fazer em Portugal o que o vídeo em cima demonstra com clareza sobre as reais intenções dos porcos fascistas da Troika. Pode ser que um dia saia o tiro pela culatra e essa canalha tenha toda que emigrar. Essa sim, seria a tempestade perfeita. Políticos e banqueiros corruptos fora daqui.

sábado, maio 26, 2012

A Chefe Dos Porcos Fascistas Da Troika Excedeu-se

Depois de ter defendido mais tempo e mais dinheiro para a Grécia, a directora-geral do FMI, Christine Lagarde, disse, numa entrevista ao Guardian em que deixou claro que não não tenciona suavizar os termos do pacote de austeridade para aquele país, estar mais preocupada com as crianças da África subsariana do que com os pobres da Grécia.

Nuvens Muito Escuras Por Cima Da Europa



E quando já não sobrar ninguém? Vamos dizer que a UE não é o Chile?

Há Um Bloco De Esquerda Algarve E Um Outro Bloco de Esquerda Nacional?

Olha, parece que os tipos do Bloco de Esquerda Algarve não lêem o que escrevem os seus dirigentes. Muito interessante o texto, sim senhor. Vale a pena ler até ao fim e concluirmos desde já que o Bloco de Esquerda é contra a exploração de petróleo no Algarve. Será?

Da Criminalização Do Protesto Social

O que fez este arguido? Convocou uma manifestação durante o dia, que decorreu antes das 19h30, horário legal para as manifestações aos dias de semana.

sexta-feira, maio 25, 2012

Acidentes Em Plataformas Petroliferas E Desastres Ambientais



A indústria do petróleo, uma das maiores contribuintes para o fenómeno do aquecimento global e das alterações climáticas foi neste caso do furacão Katrina vítima da fúria que ajudou a soltar. O desastre ambiental no Golfo do México atingiu uma proporção inimaginável. Estas coisas não passam nos dias de hoje nos orgãos de comunicação social (as habilidades do Cristiano Ronaldo certamente não o permitem) e também não entram nas contas de políticos ignorantes defensores do desenvolvimentismo a qualquer preço. Aqui pelo Algarve depois do futuro dos cidadãos ter sido hipotecado por decisões políticas ruínosas de políticos e banqueiros, a crise está a ser aproveitada para a expropriação ecológica  a região. Pelos mesmos de sempre e com o consentimento tácito dos mesmos de sempre.

Os Porcos Fascistas Da Troika E Os Governos Colaboracionistas Prosseguem O Seu Caminho De Destruição Em Massa De Vidas Humanas

Na Grécia mãe e filho atiram-se de prédio de mãos dadas

A crise na Grécia está a levar muitos ao desespero. Ontem, um músico de 60 anos e a sua mãe, de 90 anos, atiraram-se do terraço de um prédio no bairro de Metaxourgeio, em Atenas. Testemunhas dizem que estavam de mãos dadas. Mãe e filho viviam num apartamento no primeiro andar do edifício. Segundo o El Mundo, o músico estava desempregado e a família enfrentava graves dificuldades económicas.

Na quarta-feira, deixou um pedido de ajuda numa página da Internet para músicos e poetas. Escreveu: "O meu nome é Antonios Perris. Durante 20 anos cuidei da minha mãe de 90 anos, que há três ou quatro ano sofre de Alzheimer e recentemente foi diagnosticada com esquizofrenia e outros problemas. Os lares para idoso não aceitam pacientes com estas doenças. O problema é que eu não estava preparado e não tinha emprego quando começou a crise económica. Apesar de ter propriedades e ter vendido tudo o que consegui, fiquei sem dinheiro e já não tenho dinheiro para comer". "Não me ocorre nenhuma solução", concluía. "Alguém sabe alguma solução?", perguntava no site Stixoi.info.

A depressão é uma das doenças que tem aumentado na Grécia - nos últimos anos os tratamentos psicológicos terão registado um aumento de 40%. Segundo os cálculos da ordem dos médicos e de ONGs, nos últimos anos cerca de 2500 pessoas terão posto fim à sua vida neste país. Mas estes não são dados oficiais. Os últimos números oficiais conhecidos reportam a 2009, quando ocorreram 393 suicídios, o que já representava um aumento de 20% em relação ao ano anterior.

Aqui:
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2545670&seccao=Europa

quinta-feira, maio 24, 2012

À Atenção Do Bloco De Esquerda Algarve, De Cecília Honório e Dessa Outra Gentinha Que Faz Dos Partidos Aquilo Que Lhe Dá Jeito Fazer



Oiçam, oiçam a Marisa Matias e  sigam o exemplo do Miguel Portas. Sigam um legado que é concerteza um bom legado...

Depois do Jornalista Rosa Mendes Qual Será A Próxima Censura? Qual Será? Qual?



Manter um pastel destes como ministro é não ter qualquer noção do que é uma democracia. Mas a democracia e os democratas também já tiveram melhores dias.

Partidos E Fragmentados

Texto de Pacheco Pereira (o título do post é meu)

Lincoln disse uma vez que o "carácter é como uma árvore e a reputação como a sua sombra". E depois acrescentou "a sombra é aquilo que nós pensamos do carácter de alguém e a árvore é a coisa mesmo, the real thing". Ora, sobre a "sombra" uma coisa se sabe hoje de ciência certa, no Portugal de 2012: todos os partidos perderam a sua "honra". E sobre a "árvore" também se suspeita que secou, tornou-se híbrida, transplantou-se, andou o Lyssenko a fazer falsas experiências com os seus troncos, ou, nesta matéria, Mendel não tem razão e há mesmo laranjeiras a crescer na Sibéria, como toda a gente sabe que porcos a voar fazem hoje parte do quotidiano. A evolução foi cruel, a "árvore" entranhou a "sombra" e ambas se envenenam mutuamente a cada dia que passa.

Comecemos pelo "centro", cada vez mais à direita, PSD e PS. A crise actual funcionou como um brutal empurrão que deslocou os dois principais partidos dos seus eixos ideológicos identitários, partindo-os em fragmentos e colocando esses pedaços num mesmo local comum. Hesito em dizer vala comum, mas pode ser que seja. É verdade que cada um deles já estava de tal modo fragilizado na sua identidade que o vendaval da crise os apanhou muito enfraquecidos, com os seus aparelhos moldados pela partidocracia, com um pessoal político muito medíocre, esquecidos de tudo, da sua génese, do seu passado, da sua história. Deixaram de conhecer os seus pais, porque eles hoje parecem pouco apresentáveis nos salões da Finança e do Poder. O PS e o PSD estão a perder a classe média que empobrece, e o "centro" político que, oscilando entre um e outro, lhes permitia alternar nas eleições.

Este mesmo vendaval apanhou igualmente os extremos do espectro político, mais à esquerda do que à direita, porque o CDS ainda tem conseguido manter alguma coisa da sua "honra perdida", em grande parte por uma muito criteriosa escolha de ministérios, que lhe permite manter a ideia de que está no governo a fazer o que prometia na oposição. Não está, mas parece. O ponto frágil dessa "honra perdida" é o seu europeísmo obediente, que substitui um eurocepticismo que, pelo menos, tinha identidade e sentido. O CDS satisfaz cada vez menos as suas clientelas tradicionais e nem sempre quem desaparece nos momentos difíceis consegue regressar e encontrar tudo na mesma.

O PCP continua, no essencial, a viver da vantagem de parecer que não muda, embora mude alguma coisa mas menos do que precisava. O retorno da "linguagem de pau" - um bom exemplo é a repetição de chavões como é o caso do "pacto de agressão" - empobrece o discurso e torna-o estereotipado. A representação de estratos sociais determinados é, ao mesmo tempo, uma força e uma fraqueza. Gera um núcleo duro, duríssimo, mas impede-o de sair daí para fora e de se alargar. Não se pode ao mesmo tempo ter altas e fortes muralhas, concentrar aí todo o seu exército, e controlar o campo lá fora.

A extrema-esquerda está igualmente mal e não consegue lidar com uma nova fase de fragmentação, que terminou com o período em que o Bloco de Esquerda funcionava como pólo de atracção, substituindo-o por uma amálgama de novos grupos como o MAS, vários sectores dos "indignados", pequenos grupúsculos anarquistas e contraculturais, que oscilam entre o folclore contestatário e a violência desejada, mas ainda não presente. O BE, que na sua génese, quer no PSR, quer na UDP, continua a ser um partido com um modelo leninista de controlo, torna-se indiferente para os novos indignados, que acham mais "graça" aos "anónimos" e a fazer contestação em inglês para a juventude precária da classe média pobre.

Tudo na extrema-esquerda está a andar para trás, tudo no centro e na direita está a acelerar "prà frentex", pensando que vai para a frente. Nuns, a tartaruga ou o caracol escondem-se bem dentro da sua casca-casa, e noutros o corpo despido vai tão depressa que deixou a carapaça atrás. Todos dão pouca "sombra" e a pouca que dão ninguém a quer. Mas se a "sombra" não oferece dúvida, o que é que se passou com a "árvore"?

Há várias maneiras de falar sobre isto. Uma é a antiga e sempre renovada tese do fim das ideologias. Estaríamos assim a lidar com meros aparelhos do poder, que naturalmente se deslocam no contínuo político em função das oportunidades que ele lhes dá, e não tem nenhuma âncora ideológica ou política estável. Navegam à vista, se for preciso serem pretos, são pretos, se for preciso serem vermelhos, são vermelhos e por aqui adiante. Nesta tese não vale a pena falar de qualquer fidelidade ideológica, porque esta não existe de todo, ou é apenas retórica.

Outra tese também muito comum é que o mundo que se reflectia nos programas e nas ideologias partidárias - o que não é a mesma coisa - não corresponde às características das sociedades actuais, as ideias e práticas não se renovaram e por isso aumenta a bifurcação entre os caminhos do mundo e os caminhos partidários. Muitos fenómenos, a globalização, as redes sociais, a "nova economia", etc., etc., são apontados como realidades a que os partidos portugueses não se adaptaram.

Embora haja alguma verdade nestas explicações, no essencial não me convencem muito. Primeiro, porque a nossa vida social e política, económica e cultural continua a ser dominada por um grande arcaísmo, no sentido em que mesmo na "rua" prevalecem atitudes e comportamentos que não se distinguem muito dos do passado. Depois, porque a regressão social provocada pela crise não é uma força de modernização mas de retrocesso e, por isso, os factores de arcaísmo ainda serão mais acentuados. A crise não faz oportunidades, destrói-as e a oportunidade de mudar os partidos para lhes restituir a "honra", de regar a "árvore" para lhe dar outra "sombra", é cada dia menor.

A ilusão de que pode haver uma qualquer modernização no sistema político-partidário gerada pela crise parece-me wishful thinking. Bem pelo contrário, o que me parece é que vai acontecer exactamente o contrário: o reforço de práticas antigas, certamente implementadas por gente nova, o que só lhes dá mais força e vigor, mas não as torna melhores. O clientelismo não deixa de ser o mesmo, quer se faça no obséquio pessoal ou na carta de recomendação, quer se faça nos blogues ou nas redes sociais. A corrupção não deixa de ser sempre a mesma, quer a lavagem de dinheiro se faça pelo transporte de malas ou por transferências electrónicas. O debate rudimentar e grosseiro de um espaço público anémico não deixa de ser o que é, quer se faça num editorial de um jornal ou numa polémica nos comentários de um blogue.

A "honra perdida" não se recuperará, muito menos a tempo de poder dar aos partidos a função que se lhes exigia numa democracia em tempos revoltos. A crise favorece o atraso e o subdesenvolvimento, isola o melhor e torna-o um alvo para a mediocridade, favorece o mal e estiola o bem. Portugal é a nossa amada pátria, mas não vai ser amável viver nela nos tempos que estão e nos tempos que continuarão.
 
(Versão do Público de 19 de Maio de 2012)

A Morte Saiu À Rua Na Estrada Nacional 125



Sr. Dr. Passos Coelho, as vitimas da EN 125 têm um rosto, e este rosto que lhe deixo aqui na sua página é o do meu amigo Noé, que perdeu a vida hoje na referida estrada! O Noé tem um rosto, tem uma família, tem muitos amigos tem uma namorada que o ama e hoje perdeu isso tudo devido à política de terra queimada que o Sr. Dr. e os seus comparsas estão a implementar no nosso pais! Hoje apresento-lhe o Noé, amanhã será outro e outro e outro até que o Sr. Dr. entenda que os portugueses não são números nem estatísticas! O Noé morreu porque o Sr. Dr. e os seus comparsas nos obrigaram a pagar portagens na A22, levando o grosso do transito de volta à EN125 outrora tristemente conhecida pela estrada da morte, e que agora volta a matar, como um monstro adormecido que o Sr. Dr. acordou. Este é o NOÉ e morreu hoje por sua culpa Sr. Dr. Pedro Passos Coelho.

quarta-feira, maio 23, 2012

Milhares Sairam À Rua Nas Ilhas Canárias Contra A Exploração De Petróleo



Por cá temos o Algarve do respeitinho, do favorzinho, da cunha, da ilusão do dinheirinho que pode ser "bom p'ra gente", da carreirinha no partido, do medo do senhor doutor que manda. Uma perfeita miséria.

Adenda

O PS de Seguro ficou todo contentinho com a introdução de uma adenda a um tratado que mantém no essencial os caminhos da austeridade recessiva desastrosa e criminosa para os povos da Europa. No fundo trata-se apenas, e só, de simular um afastamento das políticas austeritárias do PSD/CDS mantendo-se como suporte dos interesses do grande capital financeiro. Tivessemos um povo como o grego e o destino do PS estaria traçado por antecipação.

terça-feira, maio 22, 2012

Petróleo e Partidos No Algarve

O que pensam os partidos políticos da região do Algarve vir a ser saqueada pela indústria do petróleo e a região passar de turística a petroquímica? O PSD e o PS  são os braços tentaculares dos senhores do petróleo e portanto nada de surpresas. Com o nível de corrupção instalada no aparelho de Estado o contrário é que seria de surpreender. O PCP parece que está mais preocupado com as legítimas indemnizações dos pescadores e a sua interpretação marxista do mundo não dá para muito mais. Os Verdes e o Partido da Terra já o disseram claramente que o negócio é ruinoso para o Estado e para a região do Algarve e na voz do coordenador do Partido da Terra o Algarve está a saque (totalmente de acordo, pode-se até acrescentar que é de máfia aquilo de que se trata). O Bloco de Esquerda transformou-se num partido igual a todos os outros com os piores defeitos da partidocracia. Sobra o Zé Povinho entregue a si mesmo nas suas imensas fragilidades face ao poder corrupto da tecno-burocracia do Estado. Haverá ainda possibilidades de salvar o Algarve dos abutres do costume?

Do Fascismo Financeiro No Coração Da Europa: Continuam os Suicídios Austeritários



Em Itália, os centros de pagamento de impostos e os funcionários tornaram-se alvos do protesto contra a austeridade. Em Livorno, têm estado a ser atacados com cocktails molotof, e noutras cidades estão a receber cartas armadilhadas e ameaças de bomba. No sábado, em Nápoles, um grupo de manifestantes envolveu-se em confrontos violentos com a polícia quando protestava frente a um edifício Equitalia, o centro de pagamento dos impostos.  O primeiro-ministro condena os ataques e mostra-se solidário com os agentes dos impostos e o vice-ministro da economia afirma que “é impossível pensar que quando o estado pede aos cidadãos que paguem o que devem, seja considerado um inimigo”.

Os mais inconformados com o brutal aumento dos impostos são os pequenos empresários. Vários cometeram suicídio nos últimos meses. A imprensa italiana fala de um suícidio por dia, em média. Ontem, foram penduradas centenas de efigies numa das pontes do rio Tibre, em Roma, em memória dos que se têm suicidado por causa da crise.

É Preciso Correr Com Os Novos Fascistas Do Poder


É preciso dizer cara a cara a essa canalha que nos governa que basta. É preciso que nos convençamos de uma vez por todas que quem nos trouxe até esta miserável situação não tem condições de nos tirar daqui. É preciso dizer aos porcos fascistas que é humilhante ouvir dizer que é preciso empobrecer para desenvolver. É preciso dizer aos porcos fascistas que é humilhante ouvir dizer que o desemprego afinal é uma coisa positiva. É preciso dizer aos porcos fascistas que as pessoas têm direito a exercer o seu direito democrático de manifestação e de opinião e não têm que ser criminalizados por isso. É preciso dizer aos porcos fascistas que não queremos o modelo de sociedade que nos querem impôr simplesmente porque rejeitamos políticas de destruição total de direitos sociais duramente conquistados. É preciso dizer aos porcos fascistas que depois da expropriação do nosso futuro através da dividocracia rejeitamos que os porcos fascistas façam uma dupla hipoteca do nosso futuro através da expropriação ecológica da região que habitamos, neste caso a região do Algarve. É preciso dizer aos porcos fascistas que se querem levar a cabo políticas fascistas só lhes resta um remédio. Sejam empreendedores de si. Emigrem por favor. Levem o Fascismo convosco!

domingo, maio 20, 2012

Partidos e Movimentos

É impressionante como os partidos ficam incomodados com a ideia de movimento. Tudo o que mexe e não é passível de controlo gera incómodo. Incómodos de uma democracia de baixa intensidade à beira do colapso. Mover, mexer, andar, caminhar, inventar, alterar, propôr, desafiar, fazer, falar. Uma tremenda chatice.

sexta-feira, maio 18, 2012

Pedalar Contra As Portagens


Realizou-se, esta semana, na Assembleia da República a votação do projeto de resolução do PCP para a abolição das portagens na Via do Infante. O Projeto de Resolução foi rejeitado, com a seguinte votação:
- A favor da abolição de portagens: PCP (incluindo o deputado eleito pelo Algarve, Paulo Sá), BE (incluindo a deputada eleita pelo Algarve, Cecília Honório), PEV e Isabel Moreira (PS);
- Contra a abolição das portagens: PSD, PS e CDS, incluindo os deputados eleitos pelo Algarve Mendes Bota (PSD), Pedro Roque (PSD), Cristovão Norte (PSD), Elsa Cordeiro (PSD) e Artur Rego (CDS);
- Abstenção: 4 deputados do PS, dois deles eleitos pelo Algarve (João Soares e Miguel Freitas).

Para Além Da Exploração Do Homem Pelo Homem


Há uma certa esquerda que continua agarrada a uma certa interpretação redutora da obra de Karl Marx e não percebe que a actual exploração não é só do Homem sobre o Homem mas também do Homem sobre a natureza. A expropriação ecológica do Algarve que se anúncia, a ser levada a cabo pela indústria petrolifera com a colaboração do aparelho Estatal e governativo só pode acontecer com a conivência de uma esquerda cega, surda e muda face às grandes questões que o mundo actual coloca em cima da mesa.

quinta-feira, maio 17, 2012

Movimento Sem Emprego Responsabiliza o Governo Português Pelos Níveis De Desemprego Históricos

As mais recentes estatísticas do INE relativamente aos valores do desemprego vêem confirmar os piores cenários. Uma situação que se agrava a olhos vistos e sem perspectivas de melhoria. As previsões mais optimistas prevêem para 2013 uma taxa de desemprego de 15,1 - números oficiais, o que significa que os valores reais ultrapassam largamente esta estimativa. Estes resultados são consequência de uma política de austeridade concertada entre a Troika e o governo português. O MSE considera inaceitável a continuidade destas políticas, que estão a levar à pobreza milhares de portugueses. Rejeita a tentativa de dividir trabalhadores no activo e trabalhadores desempregados. Temos a mais clara consciência que estes valores históricos de desemprego (cerca de 1 250 000, valores oficiais) são uma forma de pressão sobre os trabalhadores no activo, para que estes se sujeitem à perda de direitos adquiridos, como por exemplo os subsídios de férias e Natal. Assim, o MSE apela a todos os trabalhadores no activo, desempregados, precários e sub-empregados que se mobilizem, resistam e não cedam à tentativa de culpabilização que este governo quer incutir nas pessoas.

Unidos pelo Direito ao Trabalho e à Dignidade!

Apesar do post em baixo ser muito pessimista...nem tudo são desgraças neste mundo...também há coisas boas...

quarta-feira, maio 16, 2012

Nuvens Muito Escuras Por Cima Da Europa



É possível uma guerra civil na Grécia? Sim, é possível. É possível a instauração de uma ditadura militar? Sim, é possível. É possível uma revolução à maneira Árabe? Sim, é possível. É possível qualquer dessas coisas vir a acontecer em Portugal? Sim, é possível. É possível o colapso do euro e da própria europa? Sim, é possível. As democracias europeias permitem hoje que os eleitores votem livremente? Talvez, mas sobre a chantagem do capital financeiro. A democracia está em risco? Sim, está em risco. Os que nos conduziram até aqui vão-nos tirar daqui? Não, não nos vão tirar daqui. Os que interpretaram o caminho da crise legitimando a crise podem ajudar a pensar a crise e a saída da crise? Não, não podem fazer isso.

O Algarve É A Região Do País Que Regista Maiores Oportunidades De Mudar De Vida

A taxa de desemprego no Algarve atingiu os 20% no primeiro trimestre de 2012, o valor mais alto do país. O Ministro Da Segurança Social já avisou que o governo vai tratar do assunto. Devem vir aí mais cantinas sociais.

terça-feira, maio 15, 2012

MALP - 4º Comunicado De Imprensa

MALP – Movimento Por Um Algarve Livre De Petróleo

4º Comunicado de Imprensa

Na sequência da última reunião do Movimento Por Um Algarve Livre de Petróleo (MALP), ficou decidido a organização de um ciclo de debates sobre a exploração de petróleo e gás natural no Algarve. Este ciclo intitular-se-á "A exploração de petróleo e gás natural no Algarve: Tornar o oculto visível". O primeiro orador convidado será Paulo Rosário Dias coordenador regional do Partido da Terra - MPT Algarve com a comunicação "A exploração hostil e a ameaça negra". Esta palestra e debate vai ser levada a cabo Sexta-Feira, dia 1 de Junho de 2012, no Hotel Faro, na cidade de Faro, pelas 18h30m. Convidam-se desde já todos os interessados a participarem na discussão do modelo de desenvolvimento futuro do Algarve. O debate é aberto, sendo dada a palavra no final da intervenção do orador a todos aqueles que queiram contribuir para o enriquecimento da discussão.

Paulo Rosário Dias, expoente político do ambientalismo algarvio e dirigente do Partido da Terra falará sobre a seriedade dos impactes e dos riscos ambientais e sócioeconómicos envolvidos para o Algarve e para o país, explicará como os contratos assinados de prospecção e exploração de petróleo são de facto ruinosos para a região e para o Estado Português e lançará ainda soluções de resposta, nomeadamente para prevenir a liquidação das economias turística e pesqueira e salvaguardar e perenidade do nosso território costeiro.

Como recorda Paulo Rosário Dias "Não há remedeio nem contrapartidas que compensem o risco que o reino nacional do turismo e da náutica está neste momento a correr".

Comunicado do Movimento Sem Emprego

O Movimento Sem Emprego considera as declarações do Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho um insulto. Uma tentativa de culpabilizar os trabalhadores desempregados pela sua condição. Não há emprego porque há uma política concertada do governo que tem como consequência o despedimento em massa. De acordo com o memorando assinado com a Troika já se previa uma taxa de desemprego extraordinária. Não aceitamos que nos continuem a atirar areia para os olhos. O governo escreve que vai aplicar uma política de recessão e depois utiliza a comunicação social fazendo propaganda de forma a culpar as pessoas e assim desresponsabilizar-se deste flagelo. É a política da Troika e do governo que criam desemprego. Não há solução para o desemprego com um governo que aposta no desemprego.

Unidos pelo Direito ao Trabalho e à Dignidade!

segunda-feira, maio 14, 2012

Monumental Vaia De Um Grupo De Indignados Ao Primeiro Ministro Passos Coelho

O MALP - Na Primavera Global 2012 em Lisboa



O Movimento Algarve Livre De Petróleo integrou a manifestação da Primavera Global a 12 de Maio de 2012 na luta contra a tirania dos governos e dos banqueiros e em defesa de um mundo mais justo e de maior sustentabilidade económica, social e ambiental.

domingo, maio 13, 2012

Contra-Austeritários De Todo O Mundo Uni-Vos!


Imagino que assim escreveria Marx se tivesse escrito o Manifesto Comunista hoje. Foto da manifestação de 12 de Maio da Primavera Global - Lisboa copiada do arquivo fotográfico e histórico de Pacheco Pereira.

Passos Coelho Vaiado Junto À Acampada Primavera Global Lisboa

Passos Coelho foi visitar a Feira do Livro de Lisboa acompanhado pela mulher Laura e pelo Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, e foi vaiado por manifestantes que integram o movimento dos Indignados.

Fonte: ionline.

Primavera Global Já Está Na Rua

Contra-Austeritários De Todo O Mundo Uni-vos!

A Primavera Global Já Começou: Outro Mundo É Possível

sexta-feira, maio 11, 2012

Até Logo, Em Luta Contra O Fascismo Financeiro Instalado

O Desemprego Como Oportunidade



O fascista imbecil, líder do governo que nos desgoverna, Pedro Passos Coelho, disse hoje que o desemprego pode ser uma oportunidade de mudar de vida. É com certeza. No dia que eu fôr despedido, prometo acampadas diárias em frente à Câmara Municipal de Loulé, uma vez que vou ficar com tempo disponível para isso e vou aproveitar para confrontar cara a cara todos os governantes fascistas do partido do poder com a miséria das suas políticas. Será uma oportunidade de mudar de vida e infernizar a vida desses crápulas.

quinta-feira, maio 10, 2012

Primavera Global - Maio 2012



No próximo Sábado, dia 12 de Maio o Movimento Por Um Algarve Livre de Petróleo (MALP) vai estar das 09 horas às 11 horas da manhã na Praia dos Pescadores em Albufeira em solidariedade com a Maré Humana que se vai formar em defesa da sustentabilidade do litoral e à tarde vai estar às 15 horas em Lisboa para integrar a manifestação da plataforma Primavera Global em luta por políticas altenativas que dêem outra dignidade e qualidade de vida aos povos que habitam o planeta Terra. Porque um outro mundo é possível. Porque a mudança faz-se fazendo-a todos os dias. Junta-te ao MALP. Diz não à expropriação ecológica da região do Algarve!

Da Criminalização do Protesto

Depois de terem sido constítuidos arguídos elementos do Movimento Sem Emprego por distribuírem planfletos à porta do Centro de Emprego, foram condenados três "activistas" que defendiam o projecto social da Fontinha. Um deles diz em sua defesa que a maior agressividade que cometeu foi ter chamado "fascistas" ao membros do Aparelho Repressivo de Estado. A justiça também não deixou de agir como um Aparelho Ideológico do Estado ao serviço do Aparelho Repressivo. Um obrigado ao Louis Althusser por nos deixar uma obra tão útil como esclarecedora para compreender estes acontecimentos.

http://www.esquerda.net/artigo/tr%C3%AAs-condenados-no-despejo-da-fontinha/23097

quarta-feira, maio 09, 2012

Tornar O Oculto Visível

Na sequência da última reunião do Movimento Por Um Algarve Livre de Petróleo (MALP), ficou decidido a organização de um ciclo de debates sobre a exploração de petróleo e gás natural no Algarve. Este ciclo intitular-se-á "A exploração de petróleo e gás natural no Algarve: Tornar o oculto visível". O primeiro orador convidado será Paulo Rosário Dias membro do Partido da Terra - MPT Algarve. Em breve divulgaremos o dia, o local e a hora do primeiro debate e procederemos à sua divulgação. Convidam-se desde já todos os interessados a participarem na discussão do modelo de desenvolvimento futuro do Algarve. O debate é aberto sendo dada a palavra no final da intervenção do orador a todos aqueles que queiram contribuir para o enriquecimento da discussão.

Aqui:

A Escola De Nuno Crato No Reinado Do Doutor Emídio

Ontem recebi um recado da professora do meu filho a dizer que este não vai ter aulas na escola nº4, edifício nº2 do agrupamento de escolas Padre João Cabanita, em Loulé, porque os alunos do 4º ano de escolaridade vão fazer as provas de aferição, o que significa que, segundo o "recado" que recebi da escola (dois dias antes?), por falta de logística e de professores (porque ficam então milhares de professores no desemprego?) os alunos do 1º ano, do 2º ano e do 3º ano do 1º ciclo de escolaridade não vão ter aulas hoje de manhã e na manhã de Sexta-Feira prejudicando assim as suas aprendizagens. Para quem prega à boca cheia contra o "eduquês" e se arvora em guardião do rigor, do trabalho, do esforço e da "excelência" não está mal. É que a cretinice total é andar a fazer críticas absurdas do que não se sabe do que se está a falar. É a escola do Crato.

terça-feira, maio 08, 2012

Identificar os Bons Pobres e os Maus Pobres: O Eterno Retorno

O presidente da União das Misericórdias considerou hoje que atribuir o rendimento de inserção é "assalariar a exclusão", defendendo a distinção entre "quem não pode trabalhar" e quem tem "um prazo" de reinserção, devendo fazer "um trabalho qualquer".

De Novo O Cavalo De Troika Na Grécia

Partido da direita conservadora radical na Grécia afirma não ter condições para assumir a governação e face ao cenário desastroso para a Troika, os credores e os políticos da austeridade já entrou em cena a chantagem da Troika. Se não há governo "estável" de coligação não há dinheiro já em Junho. É tempo de pôr na cadeia e levar a julgamento quem faz estas chantagens sobre os Estados. Há um tribunal dos direitos humanos para esses casos não há?

segunda-feira, maio 07, 2012

Austeridade Excessiva

O PS de Seguro congratula-se com a derrota do que considera austeridade "excessiva" referindo-se às políticas austeritárias de Sarkozy. O que tem implícito o acordo às políticas de austeridade e ao memorando da Troika. Tivesse o PS uma "inteligência quanto baste" e veria com atenção o resultado das eleições na Grécia. Infelizmente a inteligência política da liderança do PS actual não chega ao "quanto baste".

domingo, maio 06, 2012

On Lâche Rien

É Preciso Mudar Alguma Coisa Para Que Tudo Fique Na Mesma?

Eleições em França. Positivo, Sarkozy foi-se. Ganha um discurso diferente face aos mercados financeiros. Aparentemente pode haver uma inversão em direcção à Social-Democracia. Resta saber se não estamos perante mais do mesmo do que os "socialistas" têm feito nos últimos anos no poder. Para já, em Portugal a reacção de António José Seguro face à vitória de Hollande deixa em destaque o apelo a uma "adição" ao Tratado Europeu no sentido de se introduzir medidas de crescimento económico. Ora não é com "apêndices" aos tratados que se altera o paradigma de desenvolvimento que nos tem conduzido à catástrofe. É uma mudança estrutural de políticas aquilo que é necessário. Não prevejo grandes alterações de fundo em relação ao austeritarismo institucionalizado. Contínuo convicto que só a pressão da rua pode produzir mudanças sociais de sentido positivo.

Governador Das Canárias Diz Não À Exploração De Petróleo E Diz Sim Ao Turismo Sustentável



O que impressiona pela positiva é a clarificação de posições do Presidente do Governo das Canárias. Aqui pelo Algarve, seja nas portagens da Via do Infante ou na questão da exploração de petróleo e gás natural impera sempre o discurso político ambíguo, líquido, de fracas convições, no reino do nem sim, nem não. Um discurso político centrado na não tomada de posição.

sábado, maio 05, 2012

Já quiseram matar Marx mas o tipo é teimoso e recusa-se a ir para a cova - Faz Hoje Anos



Uma das coisas que me deu mais prazer este ano na vida académica foi apresentar o livro sobre as classes "médias" do Elísio Estanque aqui pelo Algarve. E durante o debate sobre o tema não resisti a fazer uma provocação à plateia reforçando o facto de dizer sempre aos meus alunos que a obra de Karl Marx continua a ser imprescindível para compreender os dias de hoje. Nasceu a 5 de Maio de 1818, faz hoje 194 anos. Vale a pena seguir as palavras do vídeo de banda desenhada em cima e pensar sobre o mundo social contemporâneo.

Namoro e Sexo Em Portugal

Vivem numa era em que tudo parece descartável, nomeadamente as relações. Mas será que a forma como os adolescentes namoram é assim tão diferente da dos seus pais? E quanto ao primeiro beijo, ao sexo e às traições amorosas? "Não há muitas diferenças a assinalar", concluiu o sociólogo José Machado Pais, autor do livro Sexualidade e Afectos Juvenis, que é lançado hoje à tarde no Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa.

Depois de vários meses a discutir com jovens e respectivos pais questões como o casamento, divórcio e traições amorosas, o coordenador do ICS concluiu que a grande ruptura não se deu entre quem tem hoje entre 15 e 17 anos e os seus pais, mas entre estes e os seus predecessores, ou seja, os avôs.

"Os pais destes jovens teriam à volta de 20 anos, quando se deu o 25 de Abril, e tendem a demonstrar em relação aos seus filhos uma permissividade que surge como reacção à repressão de que foram vítimas, quando eram jovens, sobretudo as raparigas", adianta Machado Pais. O sociólogo diz mesmo ter ouvido nos grupos de discussão que promoveu em três escolas do país "alguns jovens queixarem-se de um excesso de liberdade".

"A forma de tratamento entre os jovens entrevistados e os seus pais é 'tu', enquanto estes tratavam os pais por 'você' ou mesmo 'vossemecê' e isso é significativo de uma mudança de um relacionamento verticalizado para um mais horizontalizado, em que os pais assumem um estatuto de amigos. E isso, às vezes, confunde-se com uma quase demissão da obrigação de disciplinar e orientar."

Quanto às semelhanças, na geração dos rapazes mais novos "persistem tiques de um machismo que não desapareceu". "Na geração predecessora, a iniciação sexual, nomeadamente nos meios rurais, fazia-se com recurso a prostitutas, onde a dimensão afectiva está ausente", contextualiza Machado Pais. "Entre os rapazes de agora continua a haver uma pressão para a iniciação sexual dirigida aos rapazes que ainda não se iniciaram sexualmente, e isso leva a que alguns se sintam impelidos à iniciação sexual desvinculada dos afectos." Já entre as raparigas, e agora como dantes, mantém-se "uma maior propensão para valorizarem a dimensão romântica e afectiva".

Quanto ao divórcio, consenso geral entre os jovens. "Todos dizem que, se um casamento não resulta, não vale a pena estar a prolongar uma situação de sofrimento", relata o investigador, admitindo que tal unanimidade poderá advir parcialmente do facto de alguns destes jovens "serem filhos de casamentos infelizes e não se sentirem confortáveis com as discussões quotidianas que presenciam".

Aqui:

http://www.publico.pt/Sociedade/namoro-e-sexo-em-portugal-a-ruptura-deuse-entre-avos-e-adolescentes-1544671

quinta-feira, maio 03, 2012

A Morte Saiu À Rua Na EN 125



A Estrada Nacional 125 sem passadeiras é perigosa. A Estrada Nacional 125 com passadeiras é perigosa. A Estrada Nacional 125 sem portagens na Via do Infante é perigosa. A Estrada Nacional 125 com portagens na Via do Infante é muito mais perigosa. À atenção do Engenheiro Macário Correia, do doutor Mendes Bota, do Dr. Miguel Freitas, do Dr. Seruca Emídio, do Álvaro, do Dr. Pedro Passos Coelho e do Dr. Cavaco Silva e de todos os outros que vêem que a solução é "abolir" as portagens para estrangeiros "turistas" deixando os indígenas locais abandonados à sua sorte. À atenção de todos os responsáveis irresponsáveis.

quarta-feira, maio 02, 2012

Petróleo, Portagens e Austeridade: Uma entrevista ao Algarve123

Que balanço faz do contacto com o cidadão comum?
A sensação que temos é que a maior parte das pessoas não tem conhecimento do que está acontecer. Por outro lado, há uma grande ignorância, pois o petróleo é associado a uma coisa boa.
É associado a países desenvolvidos. Num contexto de grande crise económica, o petróleo é visto por uma parte da população, como uma possibilidade de nos salvar do desastre.
Além disso, as pessoas têm a percepção que o Estado Português e a região vão ganhar muito com isto. Não compreendem que são duas empresas privadas que vão ficar com a maior parte do bolo.
No entanto, o que acontece na realidade, é que nós corremos o risco de associarmos à dividocracia do presente, a expropriação ecológica da região no futuro.

Então, se a maioria das pessoas considera o petróleo bom, e se os contratos de prospecção e exploração já foram assinados, faz sentido este movimento?
Achamos que tudo isto é demasiado importante. Corremos aqui o risco de deixar às gerações vindouras uma herança muito penosa. Todos vimos a catástrofe recente no golfo do México. Actualmente, há um risco real nas plataformas de petróleo porque existe uma elevada procura, e essa pressão aumenta há medida que ele vai escasseando.
O que é que está aqui a acontecer? Estamos a ver uma aposta num recurso finito que pode provocar sérios problemas imediatos à região. E quando esse recurso se esgotar, as futuras gerações ficam hipotecadas com o que restou dessa indústria obsoleta.
Por outro lado, outro dos maiores problemas com que a humanidade se defronta hoje em dia são as alterações climáticas. Muitos países estão a apostar nas energias renováveis e na redução das emissões de CO2. Nós caminhamos ao contrário. O que queremos são políticas de futuro e não políticas erradas do passado.

Ver mais aqui: http://www.algarve123.com/pt/Artigos/2-1610/Cidadaos_exigem_futuro_sustentavel

terça-feira, maio 01, 2012

Habituemo-nos Teresa, Habituemo-nos


O primeiro ministro do governo fascista do PSD/CDS "explicou-nos" hoje, dia 1 de Maio de 2012, Dia do Trabalhador (ainda é? No Pingo Doce foi Dia do Consumidor) que temos que nos "habituar" nos próximos anos a níveis de desemprego superiores aos "normais". Temos que nos "habituar". Antes já nos avisou o seu governo que temos que nos "preparar" para o aumento expectável de "suicídios". Aconselhou-nos a "emigrar" e procurou convencer-nos que a solução para o "desenvolvimento" passa pelo "empobrecimento". E se o mandássemos para a (quatro caracteres) que o pariu? Teremos tomates para isso?

Ensaio Sobre A Cegueira Partidária Ou Deixa-me Lá Ver Quantos Votos É Que Isto Dá?

Na quinta-feira passada (foi em fim de Março de 2012), o Ministro do Ambiente do Estado espanhol anunciou o parecer negativo atribuído ao projeto da Refinaria Balboa na Serra de São Jorge. Plataforma cidadã “Refinaria Não” fala em vitória e nomeia importante apoio do Bloco de Esquerda, entre outros.
Aqui:

Últimas Notícias Sobre A Exploração De Petróleo No Algarve

Estou preparadinho para deixar de votar à esquerda se a esquerda não defender o Algarve da expropriação do território pela indústria do petróleo. Restar-me-á o MRPP (rotulado habitualmente de "extrema-esquerda") e os Verdes. Outra solução é deixar de acreditar de vez na partidocracia e mandá-los todos juntos para um lugar que eu cá sei. Se não servem para nada, passem bem.

Do Proletariado Ao Precariado



Hoje é dia 1 de Maio, dia do trabalhador. A luta no mundo do trabalho já não tem como epicentro o proletariado. O epicentro está agora na revolta do precariado. Eu vou algures por ali, junto aos precários, em direcção à Assembleia da República. Descobri o vídeo no blogue Cinco Dias, hoje.

Gasparzinho II

Os subsídios de Natal e de Férias primeiro eram retirados até 2013. Depois os aldrabões fascistas do PSD/CDS disseram que era só em 2015 e agora já só são repostos na totalidade em 2018. Ora em 2018 o fascista do Gaspar deve estar emigrado em uma qualquer parte do mundo a trabalhar para o FMI, Passos Coelho deve andar refugiado em algum lugar do planeta devido ao ódio e ressentimento que deixou atrás de si e Portugal deve ser assumidamente um país do Terceiro Mundo. As mentiras dos governantes atingiram contornos de canalhice. Não há outra solução. É preciso correr com os novos fascistas do poder.