segunda-feira, março 31, 2014

Acabou O Leite Escolar No Agrupamento De Escolas Padre João Coelho Cabanita Em Loulé

Hoje quando fui buscar o meu filho ao pré-escolar fui informado que deixou de haver leite escolar e os pais foram informados de que terão que comprar o leite enquanto a situação não se "normaliza". Roubam-se os salários aos pais, as reformas aos avós e depois tira-se o apoio na alimentação básica às crianças. Por enquanto na minha casa ainda vai dando para comprar o leite para os meus filhos (por enquanto) e as famílias onde já não há dinheiro para comprar comida vão fazer o quê? Agradecia a intervenção da CML no sentido de se repor rapidamente o leite escolar às crianças uma vez que esta situação é inadmissível. Discursos bonitos sobre a democracia que já não temos não chega como ideia de democracia. 

 Obrigado

Nota: Fui informado que afinal tudo não passou de um problema de comunicação no interior da escola e que (ainda) não há falta de leite escolar pelo que não se tratou de uma qualquer decisão política nesse sentido. De toda a forma fui mesmo informado que teria que comprar o leite escolar até ser reposto o stock o que veio a acontecer imediatamente no dia seguinte. Tudo bem quando acaba bem. O que interessa, de facto, é não faltar o leite às crianças.

domingo, março 30, 2014

O Mandatário Do PS Às Eleições Europeias


António Vitorino, o tal que elogiou há poucos dias Vítor Gaspar na apresentação do seu livro é o mandatário de António José Seguro às eleições europeias. Pode muito bem o Dr. Vítor Aleixo e a sociedade da corte que o rodeia mostrar preocupação com a endrominação da ideologia dominante que o que vai ter que explicar dentro de meia dúzia de meses é o seu apoio (vai sair do partido?) a um PS que se vai aliar a esta direita radical. É que o problema neste momento não é só a endrominação da ideologia dominante mas talvez mais grave seja a endrominação da endrominação da ideologia dominante. Nessa altura, a concretizar-se este cenário, vale a pena também observar se o Bloco de Esquerda em Loulé vai continuar a ser cúmplice da destruição da vida dos portugueses através dos seus coniventes silêncios.

Ainda O Manifesto E A Petição Sobre A Reestruturação Honrada e Responsável Da Dívida

Uma reestruturação "honrada e responsável" da dívida tem subjacente que há uma restruturação da dívida que seria não "responsável" e não "honrada". Mais uma vez a bem comportadinha burguesia nacional mexe com panos quentes numa questão que é preciso enfrentar de forma corajosa. Uma reestruturação responsável da dívida quererá dizer uma reestruturação controlada pelos interesses dos credores? Não está claro na minha cabeça o que se pretende. Há uma coisa que eu sei. Tinha que haver uma auditoria pública à dívida para se saber o que é dívida legítima e o que é dívida odiosa e até mesmo criminosa. É óbvio que a dívida que foi contraída em oposição ao interesse nacional (BPN por exemplo) não tem, nem deve, ser paga. Esta discussão é urgente e necessária e a isto esta petição não responde. De toda a forma é um contributo importante no estádio de miséria política e governativa em que nos encontramos.

sábado, março 29, 2014

Resistir Até Que a Voz Nos Doa

Com o ar grave e a voz timbrada que se lhe conhecem, o dr. Pedro Passos Coelho foi às televisões e disse: "Vou tomar medidas para erradicar a fome no nosso país." Além do tropeção no idioma (que lhe é comum), esclareço que quem "toma medidas" são os alfaiates e as costureiras; ele, Passos, como governante "toma decisões." Depois, há uma insultuosa falta de pudor, quando assevera que irá "erradicar a fome no nosso país." Não foi ele que proclamou o "empobrecimento" dos portugueses como estratégia necessária ao equilíbrio das finanças?

Semeou a fome, a miséria, o desemprego. Incitou os jovens a sair da pátria; acabou com milhares e milhares de empresas; perseguiu, e persegue, os funcionários públicos, os pensionistas, os reformados; corta ferozmente nos salários, nas pensões, nas receitas ordinárias dos mais desvalidos; os velhos são ignorados e, pior do que isso, desprezados como objectos inúteis; tripudia sobre os valores mais sagrados da democracia; acabou com os feriados do 1.º de Dezembro e do 5 de Outubro e anda, ele e os seus, com emblemas da bandeira republicana ostensivamente na lapela. A lista de iniquidades, aleivosias e indignidades é a mais longa registada em Portugal na II República. Não é nunca de mais repetir os malefícios feitos por este homem ao País, pois a máquina de propaganda do Governo, que custa fortunas ao erário público, não deixa de nos matraquear com embustes e falsidades.

O problema destas políticas celeradas é que muitas delas são tão fundas que dificilmente podem ser anuladas. Depois, uma inércia e uma aparente resignação populares deixam livre o caminho para as manigâncias. Já se viu que o PS de António José Seguro não dispõe nem de força, nem de ideologia, nem de massa crítica que possam enfrentar, com denodo e eficácia, a formidável tempestade desencadeada por estes gestores de empresas, que transformaram Portugal numa república de gente amorfa.

Quem vier a seguir a esta gente, se for outra com rumos diferentes, vai ter uma tarefa hercúlea para inverter a tendência. Não me parece, francamente não me parece, que o actual secretário-geral do PS, se for o caso, disponha de estilo político e de poder necessários à transposição. Aliás, a chamada de Jorge Coelho e de José Sócrates à primeira linha da luta, revela até que ponto é elevada a preocupação dos dirigentes socialistas. Apesar da violência da política de Passos, a diferença, nas sondagens, entre os dois partidos "de poder", é mínima.

A miséria que alastra no País, o aumento do número de pobres, ainda há dias anunciado pelas estatísticas, são de molde a deixarem-nos encrespados. Voltou o pé descalço, a fome envergonhada ou às claras, miúdos às centenas que vão para a escola sem nada no estômago. Voltou o país esmoler, de mão estendida à porta das igrejas. Voltaram as instituições de apoio social a garantir pão e sopa a milhares de portugueses. O empobrecimento da pátria é um ultraje e uma má memória para quem, como eu, por exemplo, é do tempo da miséria religiosa do salazarismo. Em três anos de governação, Passos Coelho e os seus fizeram-nos regredir cinquenta, e depredaram os sonhos e as esperanças dos nascidos depois da queda do fascismo. Não podemos permitir que o agravo prossiga. É preciso voltar a escorraçar o medo.

http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/colunistas/baptista_bastos/detalhe/resistir_e_preciso_e_e_urgente.html
#.UzXLlhABsG8.facebook

sexta-feira, março 28, 2014

Preservativos António José Seguro, A Melhor Protecção Contra A Austeridade

"No próximo domingo, os relógios adiantam todos uma hora. «É pouco», defende o líder da oposição. «Depois de tanta austeridade, de tantos milhões roubados ao rendimentos dos portugueses e das portuguesas, o que é que o Governo conseguiu? Que os relógios avançassem uma hora… uma hora, minhas amigas e meus amigos», lamentava Seguro, esta noite, num jantar com socialistas." 

http://imprensafalsa.com/relogios-avancam-uma-hora-no-proximo-830318

O Irrevogável Excelentíssimo Senhor Ministro Da Indecência Social

Sem mais comentários. É esta gente que anda a ser protegida dos manifestantes e a ser levada ao colo pela porta das traseiras.

quinta-feira, março 27, 2014

As Endrominações Das Endrominações Da Ideologia Dominante

Este post é sobre metaendrominações, ou se quiserem, sobre as endrominações das endrominações da ideologia dominante. E levanta a hipótese meramente especulativa de serem as metaendrominações a forma mais eficaz de manutenção da ordem social e de legitimação da barbárie austeritária. Em que consistem as endrominações das endrominações da ideologia dominante? Consiste por exemplo em celebrar efusivamente algo que já não existe e fazer de conta que é preciso defender essa existência. Falo obviamente da democracia e da forma como o 25 de Abril está a ser comemorado no concelho de Loulé. Não se pode celebrar efusivamente algo que se tem que reconquistar sob pena de mais não se fazer do que recuperar uma certa nostalgia do passado. Quando o país está a ser velozmente destruído por décadas. Quando a Troika governa à distância. Quando a dívida destrói qualquer possibilidade de fazer presente ou futuro. Quando as decisões que contam nas nossas vidas são ditadas por especuladores e banqueiros. Quando a política e a democracia foram liquidadas pela mão invisível dos mercados. Quando a constituição da república é constantemente violada. A efervescência em torno das comemorações da génese da democracia em Portugal mais não é do que uma desesperada tentativa controlada e organizada de manutenção do controlo social. Na hora da morte da democracia e na génese de uma sociedade pós-democrática é preciso celebrar efusivamente a democracia. A democracia morreu. Viva a democracia.

terça-feira, março 25, 2014

Um Governo De Criminosos Protegido Por Uma Oposição Cúmplice, Logo, Criminosa

Portugal foi o país da Europa que mais cortes efectuou na despesa social em apenas dois anos (2011 e 2012), tendo reduzido o valor total em 3,7 mil milhões de euros , verba próxima da redução permanente pretendida na despesa pública (4 mil milhões de euros) para 2013 e 2014, de acordo com a edição desta terça-feira do Jornal de Notícias. No entanto, apesar de estar abaixo da média europeia no peso da despesa social em função do Produto Interno Bruto (PIB), o agravamento da recessão parece ter “surpreendido” os planos do Governo e da “troika” para conseguir um Estado mais pequeno. Neste contexto, a sétima avaliação ao programa de ajustamento português, que teve início nesta segunda-feira e se vai prolongar por cerca de duas semanas, pretenderá suavizar esta redução das funções do Estado e, simultaneamente, as metas do programa para a redução do défice público, de forma a que o país não entre numa espiral recessiva e a conter o aumento gradual do desemprego. Segundo o Jornal de Notícias, que cita as últimas previsões da Comissão Europeia, divulgadas na passada sexta-feira, Portugal é mesmo o recordista europeu na redução dos chamados benefícios sociais (em dinheiro) e das transferências sociais (em espécie). A base de dados Ameco indica que, em apenas dois anos (2011 e 2012), Portugal cortou 7,4%, valor que corresponde a 3,7 mil milhões de euros, nesses gastos.
 

domingo, março 23, 2014

A Protecção Do Presidente Aleixo Ao Ministro Mota Soares

O Ministro Mota Soares veio a Loulé a convite do partido do doutor Paulo Portas e tinha lá a sociedade da corte a recebê-lo. O presidente da CML (do partido socialista) Vítor Aleixo, ajudou-o a entrar pelas traseiras no edifício da Assembleia Municipal (dentro do seu carro oficial) para que o Ministro da "Solidariedade Social" fugisse ao protesto dos manifestantes e claro está, o vereador Hugo Nunes (socialista neoliberal dos sete costados) foi recebê-lo com pompa e circunstância, aliás, como não poderia deixar de ser. Toda aquela gente foi discutir "economia social". Imagino que devem ter chegado a acordo sobre as migalhas a repartir pelos pobres e que devem ter sobrado algumas para os pobres de Loulé. Os manifestantes por seu lado, esses perigosos terroristas, foram acompanhados ao minuto pela polícia e identificados a meio da manifestação. O bom do Ministro Mota Soares pode continuar descansado a violar gravemente os direitos humanos dos portugueses que esse é o lado para o qual este executivo municipal dorme melhor. Não se preocupem, vem aí a caminho, para Loulé, o aeroporto de Beja. Filho de Sócrates sabe nadar. 

Ver mais aqui:

sábado, março 22, 2014

O Amianto Político Provoca O Cancro

Hoje estive numa sala altamente contaminada do ponto de vista político. Como alguém me disse e talvez muito bem, foi o funeral da CUVI. Uma nova tentativa de plataforma algarvia contra as portagens da Via do Infante tem uma elevada probabilidade de esbarrar nos se e nos mas. A ideia de pôr o presidente da AMAL a coordenar a plataforma merecia ter associado a si a oferta ao PS de um cão de guarda e uma trela. Fiquei com a estranha sensação que o pessoal político do Algarve que grita cada vez mais alto que é preciso que os cidadãos participem na coisa pública está cada vez mais entretido em falar entre si. Se a CUVI morrer também não é caso para dramas. Gritemos pois, a ser caso disso, bem alto. A CUVI morreu. Viva a CUVI.

sexta-feira, março 21, 2014

Ministro Ladrão Em Loulé, Não

"Os manifestantes mostravam um cartaz em que se lia "Resgatar a dignidade e a decência", pediam a demissão do Governo e acusavam o ministro Mota Soares de ser um dos responsáveis diretos pelo "corte no subsídio dos desempregados, nos abonos de família, nas reformas dos idosos e nos apoios sociais". Segundo João Martins, os manifestantes foram identificados pelas autoridades policiais no local."

Se Os Ladrões Do PS Se Assumem Como Tal Como Tal Serão Tratados, É Inevitável


quinta-feira, março 20, 2014

Informação Ao Público: Ministro Ladrão Visita Loulé

Ministro Mota Soares está amanhã em Loulé às 14 horas em frente à Câmara Municipal de Loulé na sala da Assembleia Municipal (ex-casa da cultura de Loulé). Apareçam pois vamos agradecer-lhe o corte nos subsídios de férias e de Natal. O corte nos salários. O corte nos subsídios de desemprego. O corte nos apoios sociais. O cortes nos apoios aos alunos com necessidades educativas especiais. A destruição do Estado Social. O roubo do futuro e da esperança nas nossas vidas. Tragam tambores, apitos, faixas, cartolinas, tudo o que quiserem que a democracia é mesmo assim. 13h45m em frente à CML. Apareçam.

Résteas De Humanidade

Hoje encontrei o Rui. Já não está a dormir na rua. Mostrou-me a chave do novo tecto. Perguntei-lhe se estava melhor assim. Confirmou-me que sim com um enorme sorriso. Obrigado a todos os que partilharam esta situação via facebook e obrigado a todos os que interviram na resolução do problema. Os meus agradecimentos à Câmara Municipal de Loulé, organismo sem o qual não seria possível tirar o Rui das ruas. Um tecto e duas refeições diárias não é suficiente para restituir a dignidade a um ser humano mas não deixa de ser melhor que nada.

terça-feira, março 18, 2014

O Rui Continua A Dormir Na Rua Em Loulé

Depois de ter contactado a Câmara Municipal de Loulé e ter ficado com a esperança de rapidamente se tratar da situação de uma pessoa sem-abrigo a dormir na rua numa situação de extrema indignidade humana é com muita tristeza que passei esta noite no mesmo sítio e vi o Rui a dormir ao relento com a cabeça em cima de uma caixa de sapatos. Fui a casa e fui buscar um travesseiro que consegui colocar debaixo da sua cabeça retirando o suporte para sapatos. Loulé estará mesmo a tornar-se uma terra de gente indigna?

Sem-Abrigo em Loulé, Vamos ajudar o Rui a encontrar um tecto.


O Rui não quer ficar na rua mas não sabe como encontrar um tecto. Não tem emprego, casa, pão, nem saúde e muito menos habitação. Um problema com um famíliar fê-lo cair na rua. Loulé não pode deixar pessoas a viver na rua. Se a campanha das últimas eleições do actual Presidente da Câmara foi "comigo ninguém fica para trás" este problema tem que ser imediatamente resolvido. Solicita-se aos partidos políticos, presidentes de Junta de Freguesia e principais instituições da boa sociedade civil que colaborem na resolução deste problema. Help. Sem pelo menos um pão e um tecto (pelo menos isso)  não vale a pena fazer discursos bonitos sobre liberdade e democracia.

Loulé, 18 de Março de 2014

segunda-feira, março 17, 2014

A Sociedade Da Corte Louletana

Julgam-se donos da democracia. Atrevem-se a definir quem tem a condição de cidadão que conta. Monopolizam os recursos que são públicos e de todos os cidadãos. Usurpam os recursos públicos e distribuem-nos a seu belo prazer. Têm por si e pelos seus uma consideração desproprocionada do que representam para a sociedade. Controlam e asfixiam os mecanismos democráticos. Têm horror a tudo o que na esfera da suposta democracia escapa ao seu controlo. Julgam que o voto popular de quatro em quatro anos remete a condição de cidadãos para súbitos ao longo do seu reinado.  Antes foi assim pelas mãos do PSD. Agora, rapidamente lá chegámos pela mão da casta dominante do PS. O episódio da democracia de boa sociedade por convite a trocar por bilhete atingiu o culminar da evidência destes mecanismos no arranque das comemorações da própria...democracia. Tão longe estás tu dos apregoados discursos democráticos cara democracia. Entre o domínio dos mercados e da velha sociedade da corte venha o diabo e escolha.

domingo, março 16, 2014

A Democracia Louletana Nas Comemorações Dos 40 Anos Do 25 De Abril de 1974

Venho por este meio reclamar e mostrar a minha indignação por ter sido impedido  de assistir no Cine-Teatro Louletano às comemorações do 25 de Abril em Loulé no dia 15 de Março de 2014. A democracia não se faz por convite e muito menos se pode cobrar um bilhete para a exercer. Os folhetos que foram divulgados à população não falavam em convite e muito menos em bilhete pelo que foi cometido neste dia em Loulé uma violação dos direitos democráticos dos cidadãos. A democracia não é monopólio do partido socialista e nem pode ser uma democracia para amigos ou para cidadãos de primeira e de segunda. A divisão classista em nobreza, clero e povo já não é destes tempos. Uma vergonha o que se passou nas comemorações do 25 de Abril em Loulé. A ideia dos socialistas da existência da  "boa sociedade" que vai cuidar da salvação da democracia do bom povo é muito pouco democrática. A democracia não se apregoa, pratica-se. Lá passei eu por arruaceiro novamente para ter o direito de assistir às comemorações da democracia. Não se tratou de um mero fait-divers ao contrário do que disse o Senhor Presidente Vítor Aleixo. Há uma determinada concepção de democracia que orienta estas decisões. E levanto a hipótese de haver uma hipervalorização da democracia representativa burguesa que restringe fortemente a democracia. Fica a minha gratidão aos capitães de Abril pela conquista da democracia e pela concepção de democracia que puseram em acto na sala. Essa é também uma dívida verdadeiramente impagável.

Nota: Após várias pessoas terem reclamado desta indigna situação a intervenção do presidente Vítor Aleixo permitiu que as pessoas pudessem entrar para dentro do Cine-Teatro Louletano e assistir às comemorações da democracia (algumas de pé e outras ocupando lugares sentados vagos). Como escreveu a Ana no seu facebook. Assim vai a democracia.

sexta-feira, março 14, 2014

Ou Tás Quietinho Ou Levas No Focinho, Admirável Texto De Ana Sá Lopes

As reacções do governo e dos seus apoiantes ao manifesto dos 70 pela reestruturação da dívida são interessantes naquilo que revelam de uma coisa viscosa instalada na sociedade portuguesa desde a ditadura - e que a democracia removeu parcial mas nunca completamente. É o "tá quietinho ou levas no focinho", um medo estrutural português que a crise económica veio agravar, como também agravou o despotismo, a arrogância, a prepotência dos pequenos poderes que se inspiram nos grandes: governo, troika, etc. O "tá quietinho ou levas no focinho" foi a resposta generalizada dos críticos do grupo misterioso que publicou um manifesto a pedir a reestruturação da dívida. Esse grupo inclui um conjunto de perigosos revolucionários - já identificados pelo sistema do "não há alternativa" -, como o professor Adriano Moreira, o conselheiro de Paulo Portas (já ex-conselheiro por estes dias) para as questões económicas António Bagão Félix, a ex-líder do PSD Manuela Ferreira Leite (autora da famosa frase "não há dinheiro para nada"), do patrão dos patrões António Saraiva, etc. Não se pode falar de nada porque não é o timing, porque isto está a correr tão bem (para eles, os críticos, deve estar), porque o relógio da troika está a marcar o zero, porque "os mercados" vão dar cabo de nós, não se pode falar porque não se pode falar. Discutir a sério é perigoso, o ideal é fazermos meia dúzia de slogans que não se traduzem em coisa nenhuma concreta para animar a populaça - "retoma", "milagre económico", "sinais positivos", "crescimento" sem se saber como, etc. Ao incluir na agenda a reestruturação da dívida precisamente no momento em que a questão deve ser posta (não são o Presidente e o governo que dizem querer discutir o pós-troika e pedem consensos?), o grupo dos 70 atira para cima da mesa o problema central que o país tem que enfrentar se quiser ter algum futuro. Discutir o manifesto com base no "timing" ou na biografia de alguns dos que o assinam é um atentado à inteligência. E já agora, só para que conste, ficam aqui as palavrinhas de Carlos Moedas, quando ainda não era secretário de Estado, escritas num blogue em 2010. 

quarta-feira, março 12, 2014

Os Consensos de Cavaco São As Ideias Do Próprio

Depois de uma vida inteira a pedir consensos quando o consenso chegou Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho jogaram o consenso fora. E não estamos a falar de uma proposta de renegociação da dívida à séria, fora das mãos dos credores e controlada pelo interesse nacional. O que diz bem do nível de traição à pátria e aos portugueses que está a fazer esta gentalha que nos governa.

Um Presidente Da República Fascista

A verdadeira natureza do ser. Seja através da censura dos amigos à sua imagem caricatural no Carnaval de Loulé seja através do afastamento fascista de quem se atreve a sair da sua alçada. O Padrinho revela-se em todo o seu esplendor.

A Restruturação Responsável Da Dívida

Não é o consenso bafiento que Cavaco Silva e a direita retrógrada desejam mas não deixa de ser um consenso mesmo que mínimo. Vale também a pena dizer que a forma como a questão é colocada diz muito sobre a retrógrada burguesia nacional. A proposta do manifesto reconhecendo a tragédia nunca partiria para uma corajosa e enérgica restruturação da dívida. Não, a velha burguesia nacional, só poderia entrar neste jogo com uma "restruturação responsável da dívida". 

Povo Que Lavas No Rio

Não me interessa discutir agora a personalidade em causa. Interessa-me constatar que no estrangeiro se valoriza a indignação e a inquietude e em Portugal há uma casta dominante que valoriza o consenso e a resignação. Triste povo que lavas no rio as tábuas do teu caixão. Foram 48 anos da velha senhora. Não justifica tudo mas talvez ajude a explicar uma boa parte.

terça-feira, março 11, 2014

Vida De Cão

O chanceler alemão Bismarck dizia que a política era a arte do possível. Infelizmente, no entanto, em Portugal estamos a assistir à arte do impossível. Foi assim que o Presidente da República nos apresentou o seu roteiro para o país. Conta reduzir a dívida de 126% para 60% do PIB até 2035. Para isso o país só precisa, imagine-se, de ter em todos esses anos um crescimento anual nominal do produto de 4% e uma taxa de juro implícita na dívida pública também de 4%, em ordem a ter um excedente orçamental primário anual de 3% do PIB. Se alguém acredita que Portugal vai alguma vez ter esses resultados, seguramente também acredita no Pai Natal.
Perante isto, está à vista que a saída da troika será um mero abandono do país à sua sorte, com a promessa de novos confiscos e impostos, que deixarão os portugueses exangues. Mas, apesar de as pessoas estarem cada vez pior, continuarão a prometer-nos que o país ficará melhor em 2035, admitindo que nessa data restará algum português para ver. Haverá, no entanto, uma pausa até às eleições, em que os políticos procurarão entreter-nos com assuntos absolutamente irrelevantes. Paulo Rangel já se esmerou recorrendo ao entretenimento político versão Walt Disney: o programa político da coligação é apresentado em 101 tweets para recordar os 101 dálmatas. Se descontarmos o ridículo, a iniciativa faz todo o sentido. Lembrará aos portugueses a vida de cão que lhes estão a prometer.
 
Luís Menezes Leitão
Professor da Faculdade de Direito de Lisboa
 

Os Aldrabões Do PS-Algarve

Este agarrem-me senão eu mato-os em torno da exigência da requalificação da EN125 é absolutamente ridículo. A EN 125 não é requalificável e portanto, não passa de mais uma manobra manipulatória do PS Algarve para enganar os algarvios e impedir assim a exigência de rasgar o contrato ruinoso da PPP na Via do infante. Estou farto de políticos aldrabões e de sustentar negócios de ladrões. Se a PPP é ruinosa para o Estado tem que ser anulada. 

segunda-feira, março 10, 2014

Austeridade Para Sempre?

Hoje fui fazer um protesto à porta da Câmara Municipal de Loulé. Colei alguns cartazes na porta principal que diziam "PSD/CDS - Clube dos ladrões - Rua" e depois escrevi a caneta "Austeridade para sempre, o caralho". O doutor Hugo Nunes, vereador e ex-deputado do Governo de Sócrates disse-me imediatamente à porta da CML que mandou retirar os cartazes porque eu "estaria a infringir a lei". Esta resposta poderia ter sido dada pelo ex-vereador Aníbal Moreno, o ex-vereador José Graça ou o ex-Presidente Seruca Emídio (era isso que invocavam para perseguir os cartazes que colava com mensagens políticas enquanto estiveram a gerir o poder local). Perguntei-lhe se o roubo brutal de salários e das reformas dos portugueses estava inscrito em alguma lei. Disse-me que estava de acordo comigo nisso. Pena é que não esteve de acordo a quando dos primeiros roubos de salários pelo governo do engenheiro José Sócrates. Esta gente não faz a mínima distinção entre legalidade e legitimidade e continua a achar legitimo a imposição da pobreza e da miséria durante o resto das nossas vidas. Não é.

Austeridade Perpétua, A Traição Da Esquerda E O Clube Dos Ladrões

Se a austeridade é para sempre (perpétua) e se o senhor Presidente da República assume fazer parte da grande canalhice só nos resta sair do euro, suspender a dívida e correr com estes crápulas da política que nos conduziram até aqui. Resistir por todos os meios e com todas as forças, é inevitável. Para implementar políticas de desastre e de empobrecimento compulsivo em nome do favorecimento dos especuladores e dos banqueiros dispensa-se o pessoal político que hoje se confunde cada vez mais com a trupe do Ali Babá e de perto de duas centenas de ladrões. 

domingo, março 09, 2014

O Regresso À Barbárie Na Europa

A caminho das ditaduras na Europa. Governam os banqueiros e os tecnocratas de Bruxelas e do FMI não eleitos democraticamente com a colaboração das elites corruptas nacionais e locais. A hora é de retrocesso civilizacional.
 

sexta-feira, março 07, 2014

O Rui Está A Ficar Para Trás, Como Sem-Abrigo, Em Loulé

O Rui veio hoje pedir uma moedinha como é da praxe. Não sei para que serve nem isso me interessa. Sei que ele pede e eu não sei como dizer que não. Hoje disse-lhe que estamos os dois na maior miséria. É obvio que a miséria do Rui é muito mais indigna que a minha. Eu ainda não passo fome, só tenho a minha dignidade vandalizada. Perguntei-lhe onde está a dormir ao que me esclareceu que há uns bons dias que está a dormir na rua, logo ali, em pleno centro de Loulé, junto aos antigos correios. Tapa-se com uma mantinha, conforme me disse. Perguntei-lhe sobre a comida. Diz que se desenrasca, como sempre. O banho parece que há por aí uns balneários abertos onde põe a higiene em dia (?). Disse-me que não se dá com um familiar próximo e por isso só lhe resta dormir na rua. O Rui não lê Zizek. Não faz política. Nem sequer é um desses radicais que anda por aí na rua em protesto por tudo e por nada. O Rui não sabe que Loulé é uma cidade candidata à internacionalização famosa através do desporto. O Rui não sobrevive a andar de bicicleta e nem a sua dignidade deveria ser vandalizada pela caridade. O Rui é, neste momento, um Sem-Abrigo em Loulé. Sem voz, o Rui ficou na parte de trás dos que ficaram para trás. Na rua, com uma mantinha.

Mirones e Voyeurs, Espectadores

"Povo de mirones e voyeurs este. Quer ver as mudanças e as revoluções, como se assistisse a uma telenovela da Globo. Quer ver. Quer estar sentado a ver sem fazer nada. E, o que é pior, abstém-se de agir, de viver, de mudar, até de votar. Eis o triunfo de quem nos subjugou: absteve-nos da vida." 

quarta-feira, março 05, 2014

Os Blocos De Esquerda

Enquanto altos responsáveis do Bloco de Esquerda em Loulé andam em amena cavaqueira, tertúlias e caminhadas, petiscos e almoçaradas com altos responsáveis do PSD-Loulé, o Bloco de Esquerda a nível nacional abandona o Parlamento porque não aceita o autoritarismo do Governo do PSD. Algo vai muito errado no Bloco de Esquerda em Loulé. Tudo se passa como se os elementos do Bloco de Esquerda em Loulé se tivessem apropriado do partido para satisfazer interesses pessoais. Quem assiste a tão salutar convívio democrático entre as gentes do Bloco e do PSD em Loulé não pode deixar de ficar, no mínimo, espantado.

terça-feira, março 04, 2014

A Transformação Dos Políticos Em Ladrões

Da minha parte será para sempre também a não aceitação do roubo institucionalizado através de ladrões institucionalizados. Ser governado por ladrões sem legitimidade para governar não, obrigado. 

segunda-feira, março 03, 2014

Mais Vale Votar No Cão, No Gato Ou No Piriquito

Enquanto não se falar de renegociação/suspensão da dívida, o principal problema da nossa vida colectiva actualmente e enquanto não se discutir seriamente os custos/benefícios da nossa permanência no euro não vale a pena brincar à política e aos políticos porque o problema de fundo está lá. Até poderia votar num cão, num gato ou num piriquito que a espoliação continuará em alta.
 

Quem Se Mete Com Miguel Relvas É Corrido A Pontapé



Isto não vai lá com pedidos de desculpas. Trata-se de uma agressão de um assessor do PSD a um repórter fotográfico. Se para manter o poder já se recorre à violência física é óbvio que isso é um jogo muito, muito, perigoso.

Quem Quer Ser Milionário - Edição Macloulé


Assinale a resposta correcta:

1. Está a recordar a lua de mel em Copacabana.
2. Está preocupado com as investigações à Tecnoforma.
3. Está concentradíssimo na estratégia eleitoral para as Europeias.
4. Está a decorar o Grândola Vila Morena.

sábado, março 01, 2014

2 De Março, Loulé - Faz Agora Um Ano



Sairemos à rua as vezes que forem preciso.

O Boneco De Carnaval De Boliqueime Ainda Tem Quem O Defenda


http://www.publico.pt/local/noticia/em-defesa-de-cavaco-foi-proibida-publicidade-ao-carnaval-no%20multibanco-1626639

Beco Sem Saída

Não se respira em Portugal. Cada vez mais em cima da catástrofe para encontrar uma saída de vida digna é preciso o cartão dos partidos do arco do poder. De uma maneira ou de outra isto tem tudo para acabar muito mal. Seja pela via da submissão e da extrema pobreza seja pela via da revolta e da revolução nada de bom se augura para o futuro. Desculpem lá o meu extremo pessimismo. Considerem-no, se quiserem, um pessimismo realista.