quinta-feira, janeiro 30, 2014

Carta Aberta Para Ser Lida À Porta Do Conselho De Administração Do Centro Hospitalar do Algarve A 2 De Fevereiro de 2014

Carta aberta dirigida aos, 

Ex.mo Senhor Primeiro Ministro, Dr. Pedro Passos Coelho
Ex.mo Senhor Ministro da Saúde, Dr. Paulo Macedo 
Ex.mo Senhor Presidente do Centro Hospitalar do Algarve, Dr. Pedro Nunes 

Estamos aqui hoje à porta do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve como cidadãos preocupados com a desastrosa gestão técnica e política do sistema público de saúde da nossa região. Cremos que Hipócrates andará neste momento às voltas no caixão. As denúncias públicas levadas a cabo pelos profissionais de saúde da falta de medicamentos para doentes oncológicos, da falta de materiais básicos tais como agulhas, fraldas, ou outros que tais, o adiamento de intervenções cirúrgicas por falta de material, a falta de pessoal médico, o fecho e a concentração de unidades hospitalares, uma gestão política baseada na instituição da ameaça e do medo configuram em nossa opinião um claro crime público que deve ser tratado como tal. Só uma política cega de destruição do Serviço Nacional de Saúde, ou então, não sejamos ingénuos, uma política intencional de privatização acelerada do sector em favor dos negócios dos amigos do privado pode estar a levar à prática, sem uma quaisquer espécie de pudor, uma tal banalidade do mal. E é porque enquanto cidadãos recusamos a destruição dos serviços públicos de saúde que aqui estamos a pedir contas aos responsáveis pelo estado a que a saúde do Algarve chegou. Pedimos assim a demissão imediata do Senhor Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve, Dr. Pedro Nunes, a demissão do Ministro da Saúde, Dr. Paulo Macedo e a demissão do principal responsável por estas políticas, o Senhor Primeiro-Ministro, Dr. Pedro Passos Coelho. Estes senhores com as suas políticas criminosas primeiro tiraram-nos a carne, agora estão a roer-nos os ossos. Se a falta de vergonha e de ética na política pagassem imposto não precisavam de destruir milhares de vidas humanas para pagar uma dívida que não foi contraída pela maior parte do povo português. Exigimos a vossa demissão já. Não nos deixaram alternativa. É uma inevitabilidade incondicional se quisermos ainda ir a tempo de impedir a destruição da saúde dos algarvios. 

 Cordiais saudações 

 O Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde do Algarve 

 Faro, 2 de Fevereiro de 2014

terça-feira, janeiro 28, 2014

Comunicado De Interesse Público: Pelo Deputado Paulo Sá

Na sequência de uma carta assinada por cerca de 200 médicos especialistas do Centro Hospitalar do Algarve, dirigida ao Presidente do Conselho de Administração desta unidade hospitalar, denunciando a degradação dos cuidados de saúde prestados à população algarvia, o PCP apresentou, no dia 15 de janeiro, um requerimento (em anexo) para a realização, com caráter de urgência, na Comissão de Saúde, de audições do Presidente doConselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Algarve (ARS), do Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) e de representantes dos médicos dos hospitais algarvios. O requerimento do PCP foi rejeitado pela maioria PSD/CDS, inviabilizando as referidas audições na Assembleia da República. Dias depois, deputados do PSD anunciavam que iriam realizar reuniões, no Algarve, com os conselhos de Administração do CHA e da ARS. O PCP não pode deixar de denunciar a hipocrisia política do PSD e do CDS que, no Algarve, dizem estar preocupados com os problemas que afetam os hospitais da região e, na Assembleia da República, inviabilizam uma iniciativa do PCP para análise e debate desses mesmos problemas. 

Entretanto, por iniciativa da Presidente da Comissão de Saúde, realizou-se no dia 21 de janeiro uma audiência de representantes de médicos dos hospitais algarvios, na qual foi dado um testemunho arrepiante sobre o nível de degradação dos cuidados de saúde no Centro Hospitalar do Algarve: falta de fraldas para os doentes, substituídas por toalhas envoltas em sacos de lixo; falta de agulhas endovenosas para tirar sangue ou para administração de fármacos; falta de envelopes para enviar aos utentes as convocatórias para as consultas externas; falta de medicamentos, incluindo antibióticos e aspirina 100 mg; adiamento de cirurgias por falta de material clínico; etc. Nesta audiência, aberta a todos os deputados, não compareceu qualquer deputado do PSD e do CDS.  

segunda-feira, janeiro 27, 2014

Cordão Humano Em Defesa da Saúde Do Algarve

Entregue hoje na Câmara Municipal de Faro.
 
Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Faro

Assunto: Protesto em frente ao Hospital de Faro

Informa-se que se vai levar a cabo um protesto dia 2 de Fevereiro de 2014, em Faro, às 15h30m à frente do gabinete do conselho de administração do Centro Hospitalar de Faro com o objectivo de entregar uma carta com o pedido de demissão do Senhor Presidente do Conselho de Administração, Dr. Pedro Nunes e do Senhor Ministro da Saúde, Dr. Paulo Macedo. Tendo o funcionamento das unidades de saúde no algarve atingido uma situação insustentável e inaceitável com 183 médicos da Centro Hospitalar do Algarve a denunciar a “degradação dos cuidados de saúde da população algarvia”, a “falta de material de uso corrente”, “falta de medicamentos” e o adiamento frequente de cirurgias programadas por “falta de material cirúrgico” e sendo assumido por este elevado número de médicos o “grave reflexo na saúde” dos utentes, o movimento de cidadãos em defesa dos serviços públicos de saúde da região do algarve vem por este meio informar da realização de um cordão humano à frente da unidade hospitalar e fazer um apelo aos autarcas, partidos políticos, sindicatos, associações cívicas, movimentos sociais e cidadãos residentes para que se juntem ao protesto de modo a que com a máxima urgência se reponha a normalidade no funcionamento dos serviços de saúde da região do Algarve.

domingo, janeiro 26, 2014

O Colapso Das Democracias Europeias

“La política sólo sirve para enriquecer a los banqueros”, afirmó Chomsky, que describió el neoliberalismo como "un gran ataque contra la población mundial, el mayor ataque ocurrido en los últimos 40 años". 

O Socialismo Aleixiano Na Gaveta


Depois da desastrosa poda socialista das árvores de Loulé. Depois do projecto e das obras novo-riquistas em contexto de bancarrota na zona histórica da cidade, aí está mais uma cereja em cima do bolo, a possível abertura do Modelo Continente em Quarteira. A pergunta que se impõe é esta. Se se podem quebrar contratos com salários e reformas de forma verdadeiramente indecente que arruínam a vida do comum dos mortais por que motivo esses mesmos critérios não se podem aplicar a um qualquer contrato com uma qualquer poderosa multinacional? Quarteira aquilo de que precisa é mesmo de mais um hipermercado? Já sei, já sei. A culpa é da governação séria do Dr. Seruca Emídio. Não é Dr. Hugo Nunes?

sábado, janeiro 25, 2014

Pelo Burro Inácio

O Burro Inácio é um devoto. O Burro Inácio acredita que o Pedro é o Homem. O Burro Inácio é o tipo de homo sapiens que incorpora em si a banalidade do mal. O Burro Inácio significa tudo o que de pior podem produzir as juventudes partidárias. O Burro Inácio nunca questiona as suas convicções. O Burro Inácio é o mais fiel dos fieis dos seguidores. O Burro Inácio é uma abstração com existência na realidade. O Burro Inácio deveria ser um case study para que se pudesse compreender como se fabrica um Burro Inácio. O Burro Inácio será sempre o Burro Inácio. O Burro Inácio não existe. O Burro Inácio é produto da minha imaginação. O Burro Inácio é o que ainda resta ao Pedro.

Eutanásia Social

Chegados aqui, batemos no fundo no que toca ao respeito pela vida humana. 

http://noticias.sapo.pt/banca/nacional/4085@2014-01-25

sexta-feira, janeiro 24, 2014

Apelo À Cidadania: Em Defesa Dos Serviços Públicos De Saúde Do Algarve

Estamos a caminho das 400 adesões o que é muito bom. Como sabemos que a distância entre as adesões no facebook e a presença nos eventos é relativamente forte apelamos a todos que nos ajudem no sentido de divulgar e partilhar o evento de forma a garantirmos o maior número de presenças a 1 e 2 de fevereiro em Portimão e Faro. Solicitamos assim a todos aqueles que concordarem a colocarem o cartaz de divulgação do evento no canto inferior esquerdo dos vossos facebooks como aparece agora no meu. Apareçam dia 1 e 2 de Fevereiro. Não consentiremos que se destrua intencionalmente o SNS sem a nossa forte oposição. As nossas vidas são mais importantes do que os negócios privados "deles". Juntem-se à causa. Cada um de nós conta! 

Aqui:

quinta-feira, janeiro 23, 2014

O Ataque Às Ciências Sociais

O ataque às ciências sociais é brutal. Não são tidas como "úteis" por esta gente do Governo porque não imediatamente "aplicáveis" e convertíveis em "lucro". Ainda por cima são ciências por definição "críticas". Nunca vi nada assim. Nada disto é inocente. O processo de fascização em curso caminha de forma aceleradíssima perante a passividade de muito boa gente. 

País Irrespirável

Não podia estar mais de acordo. Não sei se está para nascer a pessoa duas vezes mais honesta do que eu mas é isto mesmo que eu sinto. 

http://www.ionline.pt/artigos/portugal/pacheco-pereira-pais-vivemos-pais-irrespiravel-uma-pessoa-honesta

quarta-feira, janeiro 22, 2014

A Nossa Saúde Não É O Vosso Negócio

Hoje fui ao médico no Centro de Saúde com um dos meus pequenos. Fomos muito bem atendidos pela médica que o viu com o maior cuidado. Estava incomodada com o sistema informático que custa a funcionar e com um nível de desmotivação brutal em resultado das políticas e dos cortes efectuados na saúde e no Estado Social. Na farmácia a técnica com quem falamos desabafou que nunca viu nada assim nos hospitais e que em Portimão as prateleiras estão desertas de materiais e só a autorização do senhor Dr. Pedro Nunes põe o material a viajar pelo Algarve de um lado para o outro com 60 km de distância entre Faro e Portimão (é logo ali diriam os meus camaradas alentejanos). Imagino que pela EN125. A 1 e 2 de Fevereiro é isto tudo o que está em causa, a degradação do sistema nacional de saúde. Esta gente que nos está a fazer tanto mal tem que se ir embora.

Esquizotroika

 

Por hoje despeço-me com uma piada que vem no canto inferior esquerdo da capa do jornal "i". Diz assim: "FMI. Portugal só volta a crescer a sério com a retoma da procura interna". Estes tipos da Troika são uns brincalhões.

terça-feira, janeiro 21, 2014

Crime Organizado (Com a criminosa cumplicidade do PS)

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos acusou hoje o Governo de estar a cometer “um crime” contra os pensionistas e exortou os partidos da oposição a unirem-se para derrubar o executivo PSD/CDS e criar um novo ciclo político. "Os cortes que o Governo está a aplicar aos pensionistas são um crime organizado, cometido pelo Estado, um ato de terrorismo, contra o qual todos devemos lutar", disse à agência Lusa o professor catedrático jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. 

Onde Pára o Dinheiro?

Quem vive acima das suas possibilidades? Essa é a pergunta que se impõe. Uma das facetas das possíveis soluções para a crise passa obviamente pela redistribuição da riqueza. A falsa questão do "não há dinheiro" tem que ser substituída pela questão lógica "onde se vai buscar o dinheiro". Para isso serviria a política... 

Saúde Do Algarve Em Perigo, Não É Tempo De Fazer De Conta

"Os 16 presidentes de câmara algarvios salientam que “não podem ficar indiferentes à grave falta de médicos” que se verifica nas unidades de Faro e de Portimão e que não “assistir impávidos” aos relatos de adiamento de consultas médicas, intervenções cirúrgicas, atrasos na marcação de exames complementares de diagnóstico e falta de material corrente nos serviços." 

segunda-feira, janeiro 20, 2014

Sobre A Fragmentação Da Esquerda, Alternativa ou Barbárie

Não somos nós que inventamos, são números oficiais que nos mostram que um quarto da população portuguesa está em estado de pobreza e que trezentos mil portugueses da população activa não têm trabalho, não virão a ter, não têm subsídio de desemprego ou não virão a ter. O que é que lhes querem fazer? Exterminá-los? Pô-los em fila à porta das instituições de solidariedade? No fundo fazem sentir-lhes que são inúteis, tal como os reformados. Se não existissem era melhor. Na prática, procedem como se eles estivessem a mais na vida. Ou acham que eles podem ser todos “empreendedores” e “subir por mérito”? Ou então que têm todos um QI baixo como disse a 27 de Novembro o Presidente da Câmara de Londres? Estamos num alto (será o máximo?) do desprezo da direita pelos seres humanos.
 
O momento é de urgência. Por isso a esquerda tem que se deixar de eleitoralismos, de protagonismos, de clubismos identitários. Tem que engolir elefantes ou mesmo dinossauros. O povo cujo coração bate à esquerda, como é próprio dos corações, é muito mais amplo do que as direções (estimáveis) do B.E., do Livre, do PC, do PS e dos interesses individuais e ou coletivos. Quando o grupo ad-hoc que promoveu o Manifesto 3D se formou, e depois cresceu para cinco mil, foi exatamente para unir a Esquerda correspondente ao povo da esquerda, não foi para sermos o “rés-do-chão esquerdo” ou o “oitavo esquerdo”. Para nós, que já tivemos tantas vidas seria mais cómodo ficar a ver a banda passar.
 
A alternativa tem que passar por uma grande volta! E ou a esquerda dá essa volta ou vamos caminhando para a barbárie.
 
Por Isabel do Carmo
 

sábado, janeiro 18, 2014

Sobre o Ataque Demolidor Ao SNS

"Algumas medidas protagonizadas pelas administrações da ARS do Norte e da ARS de Lisboa e Vale do Tejo revelam igualmente, pela sua gravidade política, que só se mantêm em funções porque dispõem da clara complacência ministerial e que estão a cumprir as suas ordens hierárquicas. Neste contexto clientelar e dos nomeados partidários, a eclosão da contestação aberta dos médicos do Hospital de Faro ao presidente da respectiva administração, e ex-bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes, não sendo surpreendente merece particular registo."
 

Ainda Sobre O Sectarismo E A Concorrência Nos Protestos

Ainda sobre a concorrência nos protestos. É caso para dizer. Estes gajos da esquerda nem comem nem deixam comer. Digo eu que sou um gajo posicionado por aí, algures à esquerda. Enfim, tudo leva a crer que o terreno está óptimo na deusa Europa para o crescimento da extrema-direita.

Os Partidos da Esquerda E O Sectarismo, O Que Mais Dizer?

Informa-se que o Movimento de Cidadãos Em Defesa da Saúde de Loulé que teve a iniciativa de mobilizar os cidadãos da região em defesa da sua saúde através do facebook demarca-se dos aproveitamentos partidários que já começam a ser feitos pelos partidos políticos à esquerda do protesto inicial marcado por este movimento de cidadãos fora dos partidos políticos nos Hospitais de Faro e Portimão. Inicialmente marcamos o protesto para Faro dia 1 de Fevereiro. Fomos posteriormente contactados por gente ligada ao Bloco de Esquerda para fazer no mesmo dia o protesto em Portimão o que não vimos qualquer inconveniente. Depois fomos contactados para desmarcar o dia 1 de Fevereiro em Faro porque havia nesse dia uma manifestação nacional da CGTP e acordámos em mudar a data para dia 2 de Fevereiro para Faro de forma a podermos juntar mais gente. Finalmente, a cereja em cima do bolo, gente ligada ao PCP decide marcar um protesto sobre a saúde no Algarve para 25 de Janeiro esvaziando o protesto de 1 e 2 de fevereiro organizado pelo cidadãos fora da vida partidária. Em vez de se juntarem às populações em defesa do nosso bem mais precioso, os partidos da esquerda continuam a actuar sectariamente, como sempre têm actuado. O Movimento de Cidadãos que inicialmente marcou a manifestação vem assim repudiar toda e qualquer tentativa de aproveitamento político da vontade dos cidadãos em defender a saúde no Algarve e apelar às pessoas para que se juntem genuinamente por aquilo que os faz mover dia 1 e 2 de Fevereiro, em Portimão e Faro.

Mais aqui:

A Demência Colectiva É Total

Temos falado muito da perda de pessoal qualificado. Estamos basicamente a falar de licenciados ou de jovens com formação técnica específica. Mas o que agora preparamos é a fuga dos mais qualificados entre os qualificados: doutorados, pós-doutorados e investigadores. Sem forma de sobreviver ou de progredir na carreira, irão fugir daqui. O dinheiro que gastámos, e que tanta falta nos fazia, será aproveitado por outros países, sem que isso tenha qualquer retorno. Andámos, no fundo, a formar pessoas para os outros. Os que não conseguirem, por compromissos familiares, pela idade ou por a sua área de formação apenas ter utilidade em Portugal, ou ficarão inativos ou ocuparão postos de trabalho para os quais estão sobrequalificados. Um país em dificuldades que dispensa a mais qualificada de todas as suas gerações é um país sem visão. Um país que dispensa os mais qualificados dessa geração é irresponsável.
 
Daniel Oliveira aqui:

Com A Saúde Não Se Brinca Dr. Pedro Nunes



O que aqui é dito não deixa dúvidas em como as políticas públicas de saúde correm elevados riscos de degradação no Algarve. Martins dos Santos, responsável máximo pela saúde no Algarve demitiu-se e explica porquê. O governo, o Ministro Paulo Macedo e o actual administrador do Centro Hospitalar do Algarve andam a brincar com coisas muito sérias.

sexta-feira, janeiro 17, 2014

As Doces Vinhas Da Ira

As sondagens que têm vindo a público recentemente revelam uma das facetas mais insidiosas da tragédia que se abateu sobre a sociedade portuguesa: o aceitar-se a tragédia como uma fatalidade e o que ela comporta, como a nova normalidade que, aliás, com o tempo deixará de ser nova para ser apenas normalidade. É normal que a esmagadora maioria dos portugueses esteja a empobrecer, mesmo que simultaneamente um punhado de super-ricos nunca tenha enriquecido tanto. É normal que emigre toda uma geração altamente qualificada com o esforço de todos nós, mesmo que com isso se esfume a possibilidade de deixarmos de ser uma economia subdesenvolvida ao sabor das trocas desiguais com as mais desenvolvidas. É normal que os pensionistas pobres e remediados tenham de ser extraordinariamente solidários para com todos os portugueses, ainda que o mesmo não possa ser exigido aos mais altos rendimentos, boa parte deles protegidos em offshores, e muito menos aos bancos que, pelo contrário, exigem a nossa solidariedade para continuarem a ter lucros fabulosos. É normal que os casais mais jovens não possam dar-se ao luxo de ter um filho, ou mais de um filho, e que nem lhes passe pela cabeça ter um aumento de salário (no caso improvável de os dois estarem empregados). É normal que tudo isto aconteça normalmente, que o pessimismo seja igual ao otimismo, que tanto a satisfação como a insatisfação sejam médias, que não haja eleições antecipadas, que, quando formos a votos, ganhe o PS apenas com maioria relativa e que, nesse caso, seja tão provável quanto improvável que o PS faça uma coligação com o partido que tem presidido à administração da tragédia.
 
O limite das sondagens é que não se podem sondar a si mesmas, ou seja, nada nos podem dizer sobre o que está a montante ou a jusante delas. Saber isso é crucial e, apesar de insondável, é quase óbvio. Senão vejamos. A montante das sondagens está a destruição da alternativa ao atual estado de coisas. Trata-se de uma ideologia que foi meticulosamente construída ao longo dos últimos trinta anos pelo pensamento neoliberal que avassalou as universidades, sobretudo os departamentos de economia, e o comentário político dos grandes meios de comunicação social. Não apenas cá mas em toda a Europa e América do Norte. Como qualquer ideologia, é um conjunto de ideias em que são levados a acreditar os sectores da população mais prejudicados e punidos por elas. Por exemplo, a crítica do Estado social passa a ser convincente, mesmo para aqueles sectores da população que mais dependem dele, os trabalhadores e as classes médias. A ideia de que os portugueses têm vivido acima das suas posses passa a ser verosímil, mesmo para os portugueses em risco iminente de pobreza. Passa despercebido que este argumento preside a toda a gestão do atual governo e muito para além do que se diz. Dois exemplos. Tivemos um bom sistema de educação pública e isso prova-se com os resultados dos nossos jovens no ranking dos estudos da OCDE sobre excelência escolar. Pois bem, tais resultados mostram que temos um nível de educação acima das nossas posses e, por isso, objetivamente, a política do atual Ministério da Educação visa baixar o nosso ranking, e é isso que muito provavelmente vai acontecer. Por sua vez, o Sistema Nacional de Saúde permitiu-nos atingir níveis de saúde coletiva, de esperança de vida e de prevenção de doenças evitáveis internacionalmente invejáveis. Isto significa que temos níveis de saúde acima das nossas posses. Objetivamente, a atual política do Ministério da Saúde visa baixar esses níveis, e é isso que muito provavelmente vai acontecer. A névoa da ideologia não permite ao cidadão comum fazer estas ligações e, se as fizer, não permite que as conceba como um crime cometido contra ele e ela e seus filhos.
 
A jusante das sondagens está a alternativa da destruição. A normalidade, por mais anormal ou dolorosa, é o que é, uma fatalidade. Quem a recusa é irracional e autodestrói-se. Pode revoltar-se, mas corre o risco de ir para prisão, o que implica um custo para o Estado enquanto as prisões não forem privatizadas. Pode pedir ajuda médica, mas tende a ficar dependente de antidepressivos e a sua irracionalidade obriga o Estado a responder racionalmente, deixando de comparticipar o custo dos remédios. Pode suicidar-se, mas com isso perde a vida, um dano irreparável que, quando muito, trará uma poupança mínima ao Estado.
 
O círculo infernal da destruição da alternativa e da alternativa da destruição tem uma saída? Tem, mas essa não se pergunta aos indivíduos em sondagens porque não reside em respostas individuais.
 
Por Boaventura Sousa Santos
 

quarta-feira, janeiro 15, 2014

Domingo, 2 de Fevereiro - Protesto No Centro Hospitar De Faro, Cidadãos Algarvios Mobilizam-se Em Defesa Da Sua Saúde

Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Faro

Assunto: Protesto em frente ao Hospital de Faro

Informa-se que se vai levar a cabo um protesto Domingo, dia 2 de Fevereiro de 2014, em Faro, às 15h30m à frente do gabinete do conselho de administração do Centro Hospitalar de Faro com o objectivo de entregar uma carta com o pedido de demissão do Senhor
Presidente do Conselho de Administração, Dr. Pedro Nunes e do Senhor Ministro da Saúde, Dr. Paulo Macedo. Tendo o funcionamento das unidades de saúde no Algarve atingido uma situação insustentável e inaceitável com 183 médicos da Centro Hospitalar do Algarve a denunciar a “degradação dos cuidados de saúde da população algarvia”, a “falta de material de uso corrente”, “falta de medicamentos” e o adiamento frequente de cirurgias programadas por “falta de material cirúrgico” e sendo assumido por este elevado número de médicos o “grave reflexo na saúde” dos utentes, o movimento de cidadãos em defesa dos serviços públicos de saúde da região do Algarve vem por este meio informar da realização de um cordão humano à frente da unidade hospitalar e fazer um apelo aos autarcas, partidos políticos, sindicatos, associações cívicas, movimentos sociais e cidadãos residentes para que se juntem ao protesto de modo a que com a máxima urgência se reponha a normalidade no funcionamento dos serviços de saúde da região do Algarve.

Com os melhores cumprimentos
Movimento de cidadãos em defesa dos serviços públicos de saúde do Algarve

O Esclarecimento Do Conselho De Administração Do Centro Hospitalar Do Algarve É Um Não Esclarecimento

O esclarecimento do Concelho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve em resposta à carta dos 183 médicos que denunciam a degradação dos serviços de saúde no Algarve é uma verdadeira pérola reveladora de uma certa prática de gestão instituída no Centro Hospitalar. Divide os médicos que assinaram a carta em "médicos bem-intencionados" e "médicos mal-intencionados", "médicos apoiantes dos socialistas" (estes os mal intencionados, subentende-se) e "não apoiantes dos socialistas"; ataca o porta-voz dos médicos que fazem a denúncia do estado lamentável para que caminha a saúde no Algarve "um líder local da oposição sem curso de medicina que se lhe reconheça"; avança com uma justificação burocrática e centralizadora para os problemas existentes não conseguindo negar que os mesmos aconteceram (chama-lhes "algum incómodo") e recusa a existência de cortes financeiros (que todos sabemos serem brutais!). Politiza partidariamente a carta e desvaloriza os factos gravíssimos denunciados (faltam medicamentos para doentes oncológicos?! frequentemente são adiadas cirurgias programadas por falta de material?!) e termina de forma épica esse mesmo esclarecimento: "O país não se pode permitir este tipo de práticas que destroem a nossa economia e que depois todos pagamos com cortes nos nossos salários de funcionários públicos". A única pergunta que me ocorre é esta: Como é que se pode ter confiança numa gestão que escreve estas coisas? Os médicos aguentam muito mais a trabalhar num clima organizacional deste tipo? 

 Consultar o esclarecimento do Conselho de Administração do Hospital aqui: 

terça-feira, janeiro 14, 2014

Pedido de Demissão de Pedro Nunes (Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve) e de Paulo Macedo (Ministro da Saúde)

Na sequência do abaixo assinado levado a cabo por 183 dos 220 médicos especialistas dos hospitais de Faro, Lagos e Portimão onde se denúncia a situação inaceitável de "falta de medicamentos e de material de uso corrente tais como seringas, agulhas e luvas" e de uma constatação por uma boa parte dos autarcas algarvios de uma "degradação dos cuidados de saúde" muito grave na região do Algarve, os cidadãos desta região, em apoio aos profissionais do serviço público de saúde exigem a demissão do Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Algarve, Pedro Nunes e do Ministro da Saúde Paulo Macedo. Porque é inadmissível que em nome de uma qualquer paranóia austeritária se ponham em causa a prestação de cuidados de saúde e em algumas situações a própria vida das pessoas os cidadãos do Algarve exigem que seja resposta imediatamente a normalidade nas unidades de saúde da região. Apela-se ao maior número de cidadãos que se juntem a este pedido de demissão dos responsáveis uma vez que não se pode aceitar mais este estado de coisas. "Será preciso morrerem pessoas em catadupa, para tomarmos uma posição?" Partilhem o máximo que puderem por favor. Em prole da nossa saúde.

Quem Pensar Que O PS É Alternativa Está Redondamente Enganado


Esse emplastro que ali está como "expert speaker" é o António José Seguro, não é? Alguém espera alguma coisa desta esquerda "pastel de nata"?

Oito anos do blogue Macloulé

O blogue Macloulé fez no dia 10 de Janeiro de 2014 oito anos. E a data da comemoração não podia ser mais feliz. Coincidiu com a monumental vaia a Pedro Passos Coelho em Loulé de que o autor do blogue se orgulha de ter participado. Para se ter uma ideia da comemoração ver aqui no vídeo para que segue o link. Obrigado a todos os que nos visitam. Lamentamos ter sido forçados a fechar os comentários.

domingo, janeiro 12, 2014

Um Primeiro Ministro Odiado Pelo Seu Povo

Ladrão, Gatuno, Fascista, Filho da Puta, Chulo, Sem Vergonha. Estes foram alguns poucos dos muitos epítetos com que alguns cidadãos muito dignos se despediram do seu Primeiro-Ministro à porta da sede do PSD em Loulé. A distância dos governados aos governantes atingiu o seu ponto máximo.

sábado, janeiro 11, 2014

Cerco popular à sede do PSD em Loulé, monumental vaia a Pedro Passos Coelho

Na verdade, para ser fiel aos factos não foi só Pedro Passos Coelho que foi vaiado ontem, 10 de Janeiro de 2014, em Loulé. Foi de facto uma vaia geral a todo o staff colaboracionista do partido que foi à reunião. Em defesa da democracia.

O Mundo É De Facto Um Lugar Muito Estranho

"O Passos Coelho esteve esta noite em Loulé para um encontro com militantes do PSD local. Entrou apupado e vaiado até mais não pelo grupo de manifestantes nos quais orgulhosamente me inclui. À saída o grupo cresceu e eramos umas 80 pessoas. Às tantas, chega a brigada de intervenção e quando todos pensavam que vinham prender o ladrão não é que o protegem para que este pudesse sair em segurança?!? Realmente o mundo é um lugar muito estranho." 


Monumental Vaia A Pedro Passos Coelho Na Sede Do PSD-Loulé

Ontem, 10 de Janeiro de 2014, dezenas de manifestantes cercaram a sede do PSD em Loulé numa monumental vaia em que exigiram a demissão do Senhor Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho. À chegada foi assim. À saída foi muito pior. Partilhem o mais que puderem pois já sabemos que a probabilidade do evento ser censurado pela imprensa é elevadíssima. — em Loulé - Sede do PSD. — em Sede do PSD Loulé. 

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=708888&tm=9&layout=122&visual=61

sexta-feira, janeiro 10, 2014

A Força Da Acção Colectiva


Que diferença entre o caso dos horários ilegais impostos pelo governo nas escolas de Faro e o caso da imposição de turmas mistas em Loulé. Que diferença ao nível da prática da cidadania. Em Faro, os pais juntaram-se firmemente na defesa da escola pública e na educação dos seus filhos. Em Loulé, os pais que se solidarizaram desistiram à primeira dificuldade e preocuparam-se em resolver o caso individual dos seus filhos. Em Faro a Associação de Pais interviu energicamente na defesa das crianças. Em Loulé, a Associação de Pais interviu de mansinho e quase a contra-gosto a fazer de conta. Em Faro, o Presidente da Câmara interviu na defesa da escola pública e das populações. Em Loulé, o ex-Presidente da Câmara nem sabia que sabia do assunto e esteve concentrado em ser "si mesmo". O principal partido da oposição, o partido socialista, comportou-se de forma indecente ignorando de forma indiferente (e estrategicamente interesseira) o caso. Alguns membros do Bloco de Esquerda, solidarizaram-se (e bem) a título individual e o PCP, o CDS e o MICA, concentraram-se nas eleições municipais que batiam à porta. Em Faro o governo e a direcção da escola tiveram que ceder à pressão dos pais que sabiam o que queriam para os seus filhos. Em Loulé, com poucas excepções, a cidadania esteve ausente. Em Faro, a força do colectivo. Em Loulé, a indiferença e o desespero individual. Em Faro, a colaboração altruísta. Em Loulé, o interesse mesquinho e egoísta. Em ambas as cidades, Faro e Loulé, os sindicatos a assobiar para o lado e a passarem a bola para os pais das crianças. Parabéns ao pais de Faro. Conseguiram!

quinta-feira, janeiro 09, 2014

Um Novo Ciclo

Pedro Passos Coelho já escolheu a nova narrativa para 2014. O resgate da Troika foi um sucesso. Aqueles que ficaram presos ao passado não tinham razão. E em Maio de 2014 vai dizer que um "programa cautelar" não é um novo resgate. A esquerda vai assistindo passivamente ao logro. O silêncio conivente de António José Seguro é atroz. Hoje o senhor Primeiro-Ministro acaba de fazer em directo na televisão a divisão entre os que ficaram "presos ao passado" e os que sabem que "não podemos continuar a viver no futuro da mesma maneira". A austeridade consagra-se cada vez mais como perpétua. Uma parte significativa do país estranhamente acomoda-se.

Demita-se, Senhor Primeiro Ministro

Penso que é de bom tom afirmar a nossa cidadania e receber o Senhor Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho no Algarve ao som de "Demissão". 

https://www.facebook.com/events/401782773300335/

quarta-feira, janeiro 08, 2014

Informação Dos Serviços Secretos Do Macloulé

Caros companheiros, 

 Vimos por este meio informar e convidar-vos para um encontro regional de militantes, que terá lugar na sede do PSD em Loulé no próximo dia 10, sexta-feira, pelas 21h00, por ocasião da recandidatura do Dr. Pedro Passos Coelho à liderança do nosso partido. Para vossa informação, o nosso companheiro de Loulé, Bruno Inácio ficou com a incumbência de dirigir a campanha em todo o distrito enquanto que o director de campanha concelhio será o secretário da CPS/Faro, Henrique Gomes. Mais se informa que a eleição directa tem lugar no próximo dia 25 de Janeiro. Agradecemos ainda as vossas confirmações. 

 Com os Melhores Cumprimentos, 

A CPS do PSD Casa Faro

Equilíbrios Dinâmicos: A Acompanhar Com Atenção

"Durante uma visita ao local, o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, salientou a importância deste achado na “projeção da cidade”. “Loulé tem mais um recurso para atrair pessoas, para dinamizar a economia da cidade, neste caso ligado à vida cultural e patrimonial da cidade, e nós não podemos ignorar isso. Nos tempos que correm, em que é tão difícil dinamizar a vida das cidades, todas as hipóteses, todos os recursos ao nosso dispor têm de ser utilizados e é isso que estamos aqui a prepararmo-nos para fazer com êxito”, afirmou o autarca. Quanto ao desenrolar das obras na Zona Histórica, Vítor Aleixo garantiu que os novos achados nos Banhos Islâmicos não terão qualquer influência no prazo de execução, e que será assegurada a compatibilização entre, por um lado, a valorização deste patrimônio cultural da cidade que poderá constituir um polo de atração de visitantes e, por outro lado, a reabilitação do espaço público. “Aquilo que é necessário fazer para perceber o perímetro dos Banhos Islâmicos não é em termos de escavações, não estamos a falar de uma grande área, é apenas uma pequena área mais. Isso não significará atrasos no calendário inicial, não incomodará nenhuma atividade comercial. Vamos fazer as coisas com bom senso, com rapidez, e tendo o cuidado de minimizar sempre o impacto negativo nos interesses de todos”, disse ainda o responsável camarário."

Onde estão as pessoas?

Nem uma única referência nem a moradores nem ao comércio local. Tudo se passa como se a cidade fosse feita de transeuntes ao serviço da sua estética. Ninguém pode ficar para trás quando só existem passantes. Automobilistas entenda-se.

domingo, janeiro 05, 2014

Mais Gente (De Novo) Em Defesa Das Árvores De Loulé

Tenho que concordar com o João Martins. A veia arboricida está mesmo entranhada no concelho de Loulé. Por motivos ideológicos, técnicos ou pseudocientíficos, o que é verdade é que se continua a assistir a podas aterradoras nas árvores da cidade. Desta vez foi em frente ao Café Portas do Céu, na cara chapada da sede da Junta de Freguesia de S. Clemente. Estas árvores foram deixadas como estacas espetadas para o céu, enquanto mais abaixo os especialistas já deixaram alguns raminhos para as aves que eles tanto detestam. Passado que seria o tempo do arboricídio da cidade, de que é exemplar o corte de 14 tílias cinquentenárias da Praça da República, e que lançou um movimento de protesto de que fiz parte com muitos amigos e amigas e que entregou manifesto ao 'presidente' Cavaco Silva, o mesmo desejo pseudomodernista continua, sem qualquer explicação a ninguém, como se a cidade não fosse de todos os seus cidadãos. Parece-me que temos todos o direito de ver uma justificação do executivo PS da Câmara sobre este ato no seu site, que não deve servir só para encómios e agradecimentos eleitoralistas. 

Aqui: 

Eusébio Da Silva Ferreira (1942-2014)



Talvez muitos não se tenham apercebido da quantidade de emoções que Eusébio causou a milhões de Portugueses num tempo em que a rádio muito mais do que a televisão era aquilo que ligava a maior parte dos portugueses ao mundo. Eusébio foi muito mais do que um mero jogador de futebol. Eusébio foi o verdadeiro embaixador de Portugal no mundo.

Sobre A Banalidade Do Mal



O que impressiona na análise do julgamento de Eichmann por Hannah Arendt é a sua condenação por apenas ter tentado compreender. A sua tese da banalidade do mal e de uma certa atribuição de responsabilidade às lideranças judias chocou a sociedade dos bons costumes da época valendo-lhe inúmeras inimizades e a hostilidade da academia. Não ponho de lado que esta tese da banalidade do mal não sirva para explicar uma boa parte da aceitação da atrocidade austeritária que hoje está a ser imposta à Europa do Sul. A aceitação das "inevitabilidades" porque não há nada a fazer talvez não se afaste muito do burocrata nazi que se limitava a cumprir ordens distribuindo seres humanos para as câmaras de gás dos campos de extermínio nazis. Especulações minhas. O filme é de facto, altamente recomendável pelo que nos põe a pensar (coisa que vale pouco na economia ultraliberal em que vivemos).

sábado, janeiro 04, 2014

Democratizar ou não democratizar o blogue Macloulé? Eis a questão

Têm-me chegado várias solicitações no sentido de abrir de novo os comentários do blogue macloulé. Não tenho dúvida que um blogue deveria ser um espaço aberto onde os comentadores pudessem expôr livremente os seus pontos de vista e participar no debate público. A democracia é isso. Acontece que o blogue foi fechado a comentários no ano 2013 depois de se ter tornado em véspera de eleições autárquicas numa espécie de lavar de roupa suja da gentinha dos partidos que aqui aproveitou para trocar epítetos e mandar recadinhos uns aos outros o que não era de todo a função deste blogue (fui inclusivamente ameaçado e perseguido por alguma dessa gentinha ligada ao PSD-Loulé o que não é nada interessante). Como conheço relativamente bem o meio em que vivo o blogue continuará fechado a comentários até para evitar o extremar de posições que em nada dignifica os implicados (incluo a minha pessoa nisso). É claro que o conhecimento das nomeações partidárias no jogo de bastidores para cargos públicos em torno de eventos (desportivos...ou outros) públicos pagos com o dinheiro dos contribuintes seria informação de interesse público que nos permitiria por exemplo ver até que ponto esta gestão política da autarquia se aproxima ou afasta da anterior (os indícios de aproximação são imensos, aliás, o poder agora instituído adoptou uma espécie de benevolência desculpabilizante da anterior que foi de facto ruinosa) assim como é claro que toda a partilha de informação que contribuísse para um aumento da transparência na gestão pública dos bens públicos seria do maior interesse. Quem sabe os comentários não abrem ainda em 2014.

Professores Universitários Oferecem Calculadora A Nuno Crato

Senhor Ministro da Educação e Ciência 

Professor Doutor Nuno Crato 

Vossa Excelência tem afirmado repetidamente desejar pautar a sua actuação pela exigência e pelo rigor, princípios que, como não poderia deixar de ser, são igualmente caros aos signatários. Contudo, este por si tão propalado ideário não tem tido correspondência nalguns dos actos do Governo de que Vossa Excelência faz parte, no que se refere ao relacionamento com as instituições públicas do Ensino Superior. 

Na realidade, é confrangedor verificar que, perante a tarefa de realizar uma operação tão simples como a de calcular o montante que as instituições do Ensino Superior deixarão de pagar aos seus trabalhadores, em 2014, devido aos novos cortes salariais aprovados, o Governo e o Ministério das Finanças se tenham mostrado (desta feita, pois tal não aconteceu no caso dos cortes de 2011) tecnicamente incapazes de fazer as contas com rigor, como foi afirmado pelo Senhor Primeiro-Ministro, ao Conselho de Reitores, numa reunião havida na tarde de 26/11, tendo antes optado por aplicar uma taxa média de corte (6,5%) muito superior (cerca do dobro) à correspondente aos cortes que efectivamente vão sofrer os salários dos trabalhadores daquelas instituições, relativamente a 2013. 

O Governo em que Vossa Excelência tem assento não aparenta incomodar-se com o facto de essa sua inusitada incapacidade ter como consequência grave um corte suplementar de 42 milhões de euros, num sector estratégico para o desenvolvimento do País e para a saída da crise, já tão fustigado por cortes orçamentais ao longo dos últimos anos. 

Deste modo, os signatários, professores e investigadores de instituições públicas de Ensino Superior, reclamam de Vossa Excelência que o Governo realize o cálculo exacto do montante do corte motivado pela nova redução salarial e que garanta, sem demora, às instituições, os montantes cortados em excesso. 

Atendendo ao atrás referido e como medida simbólica demonstrativa do assombro e da indignação dos signatários pela incapacidade que o Governo que Vossa Excelência integra demonstra para realizar triviais operações de adição, uma representação dos signatários procederá presencialmente à oferta, ao Ministro da Educação e Ciência do Governo de Portugal, de uma simples máquina de calcular, mas que certamente, pela evidência dos factos, será de grande utilidade para ultrapassar as dificuldades técnicas que o Governo confessa ter em fazer as contas com a precisão devida. 

 Com os melhores cumprimentos 

 Os signatários

http://www.reavercorte42milhoes.com/carta-ao-ministro

Isto Já Vai Muito Além Da Novilíngua

“Temos sempre um receio humano de não conseguir. O meu medo é o do inconseguimento, em muitos planos: o do inconseguimento de não ter possibilidade de fazer no Parlamento as reformas que quero fazer, de as fazer todas, algumas estão no caminho; o inconseguimento de eu estar num centro de decisão fundamental a que possa corresponder uma espécie de nível social frustacional derivado da crise."

Assunção Esteves, Presidente da Assembleia da República, 2ª figura do Estado Português
 

sexta-feira, janeiro 03, 2014

Feliz Ano Novo António José Seguro


Hoje, 3 de Janeiro de 2014. Protesto à porta da Câmara Municipal de Loulé contra a inépcia da oposição de António José Seguro ao Governo de Pedro Passos Coelho. Foi entregue em mãos aos representantes do PS Loulé os votos de Feliz Ano Novo a António José Seguro e ficou a crítica ao seu colaboracionismo cúmplice que assiste passivamente à destruição da vida dos portugueses. Ficou também a exigência de que o PS exija imediatamente a demissão do Governo. Fiquei com a ideia de que o Senhor Presidente da Câmara e os senhores vereadores ficaram incomodados com o mensageiro e com a forma de transmissão da mensagem e muito pouco ou nada preocupados com a mensagem. Não se espera nada dali. Estão à espera das eleições legislativas de 2015. Os portugueses que se lixem.

Os Indiferentes

Ninguém Ficará Para Trás...Nos Gabinetes de Arquitectura e Urbanismo Da Câmara Municipal de Loulé

O slogan "Ninguém ficará para trás" utilizado pela candidatura socialista de Vítor Aleixo nas últimas eleições municipais está a revelar-se com ainda apenas umas dezenas de dias de governação um verdadeiro embuste. Os tiques de novo riquismo e de megalomania herdado do anterior executivo fazem o seu caminho com a desculpa esparrafada de decisões herdadas do anterior executivo com a novidade acrescida do "nós sabemos que as pessoas vão ser prejudicadas, mas é a vida", legitimação tão do agrado do vereador socratino Hugo Nunes (o vereador que compreende tudo mas que nunca concorda com nada) diga-se de passagem. Assim sendo, porque o que menos interessa de facto são as pessoas vai a CML avançar com as obras de "requalificação" (neologismo que justifica todo o desperdício inimaginável de dinheiros públicos) da zona circundante do Largo Dom Afonso III (conhecido como Largo do Chafariz) o que arrumará de vez com o que resta do comercio local da zona conhecida por "Rua das Lojas". O ninguém ficará para trás é isto. Em época de bancarrota privilegiar as boas ideias da gente iluminada de gabinetes ilustres de obras ainda mais ilustres. Tudo em nome do desenvolvimento e da autenticidade, claro. Que se lixe a vida das pessoas. A bem da Troika e do investimento dos dinheiros "comunitários".
 

Acompanhado No Reino Do Patológico, Quase A Sufocar Com O Bom Povo Português

"Sinceramente, não percebo a apatia dos compatriotas. Será que em tempo de "balanço" (tipico nesta época) acreditam nos actuais servis "opinadores" mediáticos que dizem que tudo está a correr bem? Não lhes apetece revelar o mais profundo desprezo aos Pr, governantes e seus acólitos? A mim apetece-me. Quem me acompanha, em todas as situações do quotidiano?"
 
Por Irene Pimentel, Historiadora, postado no seu facebook.

quarta-feira, janeiro 01, 2014

Se Há Coisa Que É Deplorável É O Ataque Político À Ciência Em Nome Da Ignorância

É de uma enorme tristeza ler pela pena do Presidente da Câmara da minha terra isto. Parece que os responsáveis pelas alterações climáticas são os cientistas do ambiente que estudam o fenómeno. Estas ataques à ciência em nome de uma certa valorização da ignorância e do desconhecimento dos fenómenos que incomodam os poderes governativos são deploráveis vindo de gente que deveria estar na linha da frente do combate às alterações climáticas. Há centenas de recomendações feitas pelos cientistas que estudam esta questão. O que só revela a ignorância e o preconceito do senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé.

"O mal destas notícias sobre estudos muito sérios é que além de aterrorizarem as pessoas pouco mais fazem. O que todos gostaríamos de saber é como poderemos minimizar a brutalidade e o rigor de um futuro que nos dizem inescapável." V. A.