terça-feira, dezembro 30, 2014

Bem Vindos Ao Ano De Todas As Mudanças!



Votos de um bom Ano Novo para todos. Que a resistência vença o colaboracionismo são os meus desejos para 2015. Está na hora da mudança!

Bom Ano de 2015!

FMI, a Comissão Europeia, o Governo da Chanceler Merkel e a alta burguesia financeira internacional antidemocrática querem impor um regime de chantagem e de medo sobre os eleitores gregos impedindo de forma ditatorial a democracia de funcionar. Nós cidadãos do mundo e de Portugal em defesa da democracia e contra a lógica terrorista dos mercados financeiros vamos dia 24 de Janeiro concentrarmo-nos em vigília à porta da Câmara Municipal de Loulé em solidariedade com o Povo Grego para dizer em voz bem alta que para nós a democracia será sempre mais importante que os mercados financeiros e o pagamento de uma dívida austeritária que esmaga os povos do Sul da Europa. Dia 24 de Janeiro aparece à porta da Câmara Municipal de Loulé pelas 15h30m para relembrar aos donos da Europa que estamos do lado do povo Grego. Basta de austeridade. Chegou a hora da mudança!
 

segunda-feira, dezembro 29, 2014

O Futuro Em Suspenso, O Algarve Na Era da Troika, Memórias



O Algarve saiu à rua na Era da ocupação da Troika. Este vídeo tem mais de um ano. A austeridade já provocava uma fadiga arrasadora sobre o quotidiano de vida da maior parte dos cidadãos. Fica o registo que houve gente digna a resistir. Cantou-se nas ruas as músicas do Zeca e soltou-se a raiva e a indignação em palavras em Portimão. Fica o discurso da altura do João Vasconcelos e o meu (João Martins). No meu discurso, desculpem-me a imodéstia, estão lá ainda hoje as questões fundamentais para o país sair do beco sem saída em que aparentemente se enfiou. O alerta para a resignação que se instalava. O ciclo vicioso da austeridade recessiva e a austeridade como receita para os efeitos desastrosos da austeridade. A dívida como um novo modo de aprisionamento dos povos. A corrupção que já na altura tresandava e que hoje abala o regime. Tudo está na mesma com a agravante de se ter instalado uma anomia social generalizada e a sociedade portuguesa estar esfrangalhada e dividida. 

sábado, dezembro 27, 2014

A Arte de Roubar Aos Pobres Para Distribuir Pelos Ricos Ou De Como Os Políticos Se Transformaram Em Ladrões

Não se percebe tanta quietude. Estamos perante uma das maiores transferências da história do capitalismo do trabalho para o capital. Uma espécie de Robin dos Bosques ao contrário. Roubar aos pobres para distribuir pelos ricos. Quem não se indigna com isto não se indigna com coisa nenhuma.
 

sexta-feira, dezembro 26, 2014

A Gestão Do Lixo Socialista, Parte II


Loulé, 26 de Dezembro de 2014. A gestão do lixo socialista em Loulé é isto. À porta da minha cozinha. Eu compreendo, é Natal, não há dinheiro para funcionários e temos que salvar a banca e os banqueiros corruptos. O Dr. Vítor Aleixo já deveria saber disso quando decidiu autocraticamente colocar ali a lixeira.

Um Asno Com Tiques Fascistas

O palhaço do circo cada vez que abre a boca entra mosca. Aqui por casa não se vê sinal do Sol. Está optimista pois já deve ter um emprego garantido neoliberalmente e com muito mérito, junto de Vítor Gaspar ou de Carlos Moedas, por aí. O mexilhão esse, que hoje é composto pelas classes intermédias e pelos pobres e remediados de Portugal é que fica sem visão de futuro que se vislumbre. É o que dá eleger um asno com tiques fascistas.
 

quarta-feira, dezembro 24, 2014

(Cancelado Por Falta De Povo - Boas Festas) O Algarve Diz Não À Privatização Da TAP - Concentração Sábado, Dia 27 de Dezembro, Junto À Rotunda do Aeroporto De Faro

Apela-se a todos os cidadãos residentes no Algarve que se juntem Sábado, dia 27 de Dezembro, pelas 16 horas, na rotunda do aeroporto de Faro em solidariedade com os trabalhadores da TAP e na defesa do interesse público nacional. Um Governo que tudo privatiza é um governo de traição nacional que entrega os melhores recursos públicos nas mãos de uns quaisquer abutres que compram a preço de saldo o que resta dos interesses estratégicos da nação. Aparece. Vem manifestar a tua solidariedade. Vem dizer não à privatização da TAP! Vem exigir a demissão imediata do Governo de Pedro Passos Coelho e de Cavaco Silva!
 

segunda-feira, dezembro 22, 2014

Alerta Vermelho, Centro de Saúde De Loulé De Novo Em Risco?

Caros amig@s do Concelho de Loulé parece que vamos ter que voltar a sair à rua em defesa do Centro de Saúde de Loulé. A defesa da nossa dignidade a isso obriga. Esperemos atentos aos próximos desenvolvimentos. Esta gente do PSD/CDS anda a brincar com o fogo e quem brinca com o fogo, um dia queima-se a sério.

 
Ver aqui a notícia do risco da falta de técnicos e do encerramento de serviços:

Sobre Arte, Política E Outros Assuntos, Uma Grande Entrevista

Acabei de vir da apresentação do livro Projecto Troika em Loulé, na galeria Out Print do Luís Henrique onde tive uma interessante conversa com o Joel sobre a dicotomia neutralidade/implicação onde defendia eu a necessidade da implicação dos Autores no mundo social em que vivem. Esta entrevista dada hoje ao público por Charles Esche não poderia vir mais a calhar. A ler com a devida atenção.
 

domingo, dezembro 21, 2014

O Tea Party Em São Bento

"Finalmente, Passos desatou a língua e começou a proclamar, sem eufemismos, o seu programa. Não aquele programa social-democrata escrutinado nas eleições, mas sim o programa fundado nas suas crenças pessoais, jamais escrutinado pelo seu próprio partido e muito menos pelo povo português. Fá-lo com uma euforia inaudita, qual cabo de guerra já derrotado e acossado no seu Bunker que, de súbito, lesse nos astros um sinal da divina Providência. Cercado dos escombros e ruínas da “destruição criativa”, partilha agora connosco, diariamente, em voz alta, o sonho duma radiosa vitória final: a promessa duma revolução milenar, que trará a redenção a Portugal, à Europa e a toda a humanidade."
 
Recomenda-se a leitura do resto do artigo aqui:
 

sábado, dezembro 20, 2014

Notícia De Última Hora

O Presidente de todos os banqueiros está hoje, Sábado, em Boliqueime, Vale Silves, às 21 horas.

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Quando A Justiça Vai Ao Fundo De Submarino

Sobre os submarinos e a justiça vale a pena dizer que pior ainda do que uma justiça de classe (essa já sabíamos que existe) é a perceção pública de uma justiça ao serviço da política partidária. Essa arruína o que resta de credibilidade do sistema de justiça.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

Parabéns Nuno Crato, Nunca Estivemos Tão Mal Na Educação E Na Ciência

"Hoje, investigadores e estudantes de várias instituições e universidades interromperam Nuno Crato durante a sua intervenção no Instituto Superior de Economia e Gestão para o congratularem ironicamente pela destruição que empreendeu desde que tomou posse. A precarização aliada a uma elitização do Ensino Superior e da Ciência fazem de Nuno Crato o pior ministro da Educação de que há memória."
 

Os Ziguezagues Do Costa Serão Sinais De Desorientação Ou De Mero Oportunismo Político?

Costa elogia Bloco Central e pede confiança aos portugueses. Qual das duas partes desta frase não bate certo? Talvez o Rui Tavares do Livre seja a pessoa certa para esclarecer a resposta. Eu se fosse Director do jornal Barlavento ia-lhe já solicitar uma entrevista. Não se pode perder uma ocasião destas para fazer uma boa primeira página.
 
 

terça-feira, dezembro 16, 2014

Sócrates Em Protesto Na Cadeia

Parece que Sócrates não quer ser parte da "solução" e decidiu passar ao "protesto".
 

Um Palerma Que Por Acaso Até É Primeiro-Ministro

Quando um palerma que por acaso até é Primeiro-Ministro de Portugal diz que a investigação científica tem que estar ao serviço das empresas o que fazem os investigadores na área científica das artes, da literatura, da filosofia, da geografia, da história, da sociologia, da antropologia, da arqueologia, da linguística, etc, etc, etc? Ficam em casa a ler o Capital de Karl Marx?
 

domingo, dezembro 14, 2014

Protestar Não Compensa, É Preciso É Votar No Partido Da Solução (Este Título É Uma Ironia Obviamente)

Protestar não compensa. Deixem-se ficar quietinhos e caladinhos e nunca lutem pelos vossos direitos porque obedientes e macambuzios é que é e é assim que o mundo pula e avança entre bola colorida nas mãos de uma criança. Cada vez me sinto mais isolado num mundo composto de gente sã (tinha escrito idiota mas é capaz de ser excessivamente arrogante) por quase todos os lados. Um arquipélago de sanidade, portanto. Desculpem lá a arrogância mas não se aguenta tanto colaboracionismo, indiferença e apatia face à barbárie instalada. Boa sonolência.
 

Entretanto, Enquanto Os Socialistas Vendem Falsos Sonhos Que Não Se Constituem Em Alternativas...

Depois não digam que ninguém avisou. E sim, a seguir por este caminho a Portugal resta a morte da democracia (ela ainda existe?) e o regresso da ditadura. O drama é que parece que boa parte da sociedade portuguesa nem tem consciência disto ou está-se absolutamente nas tintas.
 
Por Paul Krugman, aqui
 

Quando Os Políticos São Meras Correias De Transmissão Do Capital Financeiro, Servem Para Quê? O Título Do Post É Do Macloulé, O Texto De Manuel Carvalho Da Silva

Cativos da especulação e da mentira
 
A democracia está a tornar-se, acelerada e perigosamente, refém dos mercados financeiros. Estes, utilizando o seu poder dominante, procuram impor, nas mais diversas esferas da sociedade, a cartilha neoliberal que marca a atual fase do capitalismo reinante. Os governos que ideologicamente se situam neste campo - e mesmo aqueles que o rejeitam conceptualmente mas se sujeitam às suas inevitabilidades - estão condenados a mentir sistematicamente aos cidadãos: é a "inevitabilidade" resultante do choque brutal entre os objetivos e resultados das políticas prosseguidas e a vida em democracia em sociedades modernas, que implica supremacia da política definida pelo voto e anseios dos povos, desenvolvimento humano com sistemas universais e solidários de direitos sociais fundamentais. Entre o dia 8 e o dia 11 deste mês, os juros da dívida pública portuguesa subiram de novo de 2,72% para perto de 3%. Algo semelhante, embora em menor extensão, aconteceu com os juros das dívidas espanhola e italiana. O que aconteceu de extraordinário nesses dias em Portugal, Espanha e Itália? Nada, além do que vem acontecendo nos últimos anos. Na Grécia, também prosseguiram as políticas de austeridade, mas surgiu ali um facto novo. O Governo grego decidiu antecipar as votações no Parlamento, tendentes à eleição do novo presidente da República. Se nessas eleições não forem obtidos os dois terços necessários, a consequência possível será a realização de eleições para o Parlamento já no início de 2015. Segundo as sondagens, a oposição pode ganhar essas eleições. Perante este cenário, o direito de o povo grego escolher os seus governantes e as políticas que deseja para o seu país é de imediato ameaçado: os juros da dívida subiram para 8,58%. Para os agentes financeiros que comandam a flutuação dos juros, eleições democráticas representam "riscos políticos".
Este episódio mostra que vivemos à beira do abismo. Um espirro na Grécia é transformado num tremor de terra em toda a periferia da União Europeia. O acesso ao mercado da dívida soberana, de que o Governo português tanto se gaba, está preso por arames face a estas instabilidades e à falta de transparência dos balanços dos bancos portugueses. E a democracia tem sobre a cabeça a espada, não de Dâmocles mas da finança internacional. Ao mínimo sinal de mudança política contra os seus gostos, os capitais, com toda a liberdade especulativa, batem asas e atiram os juros para os píncaros. Assim, qualquer país pode ficar sujeito ao incumprimento do serviço da dívida, ou a um novo resgate.
Num mundo desprovido de instituições de governação à escala internacional e com governos que subjugam a política, a integração económica e financeira exponencia os riscos sistémicos. Como numa floresta sem aceiros, qualquer pequena fogueira se transforma rapidamente num incêndio. Na União Europeia e no país, em vez de andarem a "encanar a perna à rã" com declarações de boas intenções e indução de falsas esperanças, mas sem ação concreta, exige-se a criação de alguns atritos nas pistas onde viajam os capitais e a colocação de barreiras de controlo, impeditivas dos roubos atualmente "legais" e potenciadoras da taxação da riqueza a favor do bem coletivo.
Em Portugal, sentimo-nos chocados com as trapaças, manipulações e mentiras concretizadas por gestores sem escrúpulos nas negociatas dos swaps, nos processos BES/GES, BPN, Portugal Telecom e tantos outros.
Mas as privatizações e as negociatas das PPP também foram feitas debaixo de idênticas propagandas mentirosas. Além disso, se compararmos com objetividade as promessa eleitorais dos responsáveis políticos que estão no Governo com as políticas que depois impuseram, ou se compararmos os objetivos por eles anunciados nas "reformas" da justiça, do ensino, da saúde com aquilo que delas resultou, deparamo-nos igualmente com monumentais manipulações e mentiras. O Governo manipula leituras e dados estatísticos, para nos mentir sobre a evolução do emprego e do desemprego. Tem em marcha um ataque brutal à segurança social para privatizar serviços sociais e despedir trabalhadores. Fá-lo, a coberto de propaganda mentirosa.
O futuro reclama forte combate à especulação e à mentira.
 
Texto de Manuel Carvalho da Silva
 

sexta-feira, dezembro 12, 2014

Continuam As Visitas De Gente Mui Nobre E Ilustre À Prisão De Évora



Évora está ao rubro. Para além dos notáveis do PS também o general palhaço fez uma visita a Sócrates. Olha, façam lá o favor de espreitar o vídeo do CMTV. No Natal parece que vai o Costa e quem sabe no ano novo a mui nobre e ilustre boa sociedade louletana não vai visitar o Templo de Diana.
 

quarta-feira, dezembro 10, 2014

Agora, Porque O Costa Não É Dono Do Nosso Tempo

Não consigo perceber gente que faz cenários para dois anos ou quatro anos e que explica que, neste momento, não é tempo de construir alternativas, mas de esperar: "É preciso aguardar", dizem- -nos. Como se a vida, na sua urgência, não os desmentisse em cada momento.
Explicam-nos que não há condições subjectivas para fazer uma alternativa, estaríamos no tempo de António Costa: aqueles que se opõem ao pacto orçamental; ao mando de Bruxelas e Berlim; ao empobrecimento das pessoas para sustentar o euro; ao aumento das desigualdades sociais para enriquecer os milionários; à expulsão dos jovens e à liquidação cruel dos reformados; a gente que não acredita em 40 anos de bloco central alternado, está condenada à inacção - porque este é, repetem--nos, o tempo de António Costa.
Este discurso esconde a impotência dos pequenos poderes e dos grupos que acham normal fabricar derrotas. Não se consegue entender: se a maioria da sociedade, e se os partidos à esquerda do PS e muitos eleitores socialistas e milhões de pessoas que não se revêem nem na esquerda nem na direita, concordam que este caminho para o precipício tem de ser parado, por que razão não o fazem? O que esperam? Que isto fique ainda pior?
Como declarou o filósofo esloveno Slavoj Zizek em entrevista ao Vítor Belanciano, no "Público": "Os esquerdistas são os melhores teóricos do seu próprio falhanço. O que admiro no Syriza ou no Podemos é a tarefa quase heróica de quererem seriamente alcançar o poder", isto tudo numa conversa sabiamente intitulada: "Se esperamos o momento certo para uma revolução, ela nunca acontecerá", que resume bem aquilo que acontece nos dias de hoje.
Aquilo que se faz gera em si as condições da sua possibilidade. As condições sociais não bastam, apesar de existirem; para alterar uma realidade, é necessário dar-lhes um sentido. Produzir com as pessoas uma leitura que conduza a um rumo colectivo. Em vez de aceitar uma situação que significa uma total destruição social: a precariedade generalizada, o empobrecimento de todo um povo, o fim dos serviços públicos, a implosão de todos os sectores de emprego com direitos e a liquidação dos sindicatos. É necessário actuar - não para resistir, mas para vencer. Pode ser um desafio impossível, mas a derrota é certa se ficarmos, como agora, parados.
Existem condições para aproveitar uma hegemonia social e transformá-la em mudança política. A maioria dos portugueses é contra a existência de uma casta política e económica que vive da corrupção, não está de acordo com uma política de austeridade que liquida a vida e a economia e só serve os especuladores, e pretende ter voz activa no seu futuro. Nestes três eixos (corrupção, economia e democracia) há uma posição maioritária das pessoas para mudar. É só preciso dar-lhe uma voz credível.
Garantem-nos que temos de ser pacientes. Vivemos acima das nossas possibilidades, dizem-nos. É preciso reformar a economia, explicam-nos. O mundo muda a uma velocidade vertiginosa, e é necessário, sob perigo de ruína, adaptarmo-nos a essa mudança inevitável, ou não estar mais neste mundo, repetem-nos.
Às vezes devemos preferir a dor à sonolência. Escolher a acção em vez da passividade. Fazer um acto irreversível. É melhor, simplesmente, não ser como nos querem: quietinhos.
 
Por Nuno Ramos de Almeida

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Ensaio Sobre A Lucidez


A Gestão Socialista Do Lixo

Um dos primeiros actos de gestão da autarquia do Presidente Vítor Aleixo foi pôr um contentor do lixo à minha porta. À sucapa, pela madrugada, lá acordei com a infraestrutura do lixo à minha porta, às 7 horas da manhã. Na altura fiz saber ao senhor presidente, ao senhor vice-presidente, ao senhor vereador do lixo e ao senhor presidente da junta de freguesia que não concordava com a localização do lixo. Hoje passei pelo contentor e à semelhança de outros dias já não se trata de um mero contentor do lixo mas de uma autêntica lixeira. Saudades do tempo em que o lixo era gerido (e mal) pelo executivo PSD. Ao menos não tinha este sentimento hoje de ter sido manifestamente enganado.

domingo, dezembro 07, 2014

sábado, dezembro 06, 2014

Sobre O Faz De Conta Socialista, Por Manuel Loff

"Eu sou dos que estou convencido que o PS não governará à esquerda depois de 2015. Não porque seja Costa o candidato. Simplesmente porque nunca governou à esquerda. A única forma de conseguir por via eleitoral um governo à esquerda passa por inverter a correlação de forças entre o PS e os partidos à sua esquerda – isto é, que o conjunto de votos da CDU e do BE supere claramente os do PS e o obrigue, como sucedeu na Grécia e brevemente sucederá em Espanha, a escolher assumidamente entre uma coligação com a direita (como fez o PASOK – e foi o fim de qualquer ilusão) ou uma coligação a sério (e não uma simples cooptaçãozinha de pesca à linha) com quem, na esquerda a sério, coloca as opções difíceis mas fundamentais entre austeridade e democracia social, entre Tratado Orçamental e soberania dos portugueses, entre submissão cega a uma dívida ilegítima e cheia de juros usurários e a recuperação de uma vida com um mínimo de dignidade. Como tentarei demonstrar na minha próxima crónica, a história de 16 anos de governos socialistas mostram que o PS no poder fez quase sempre as escolhas contrárias aos interesses da maioria de quem nele votou, descrevendo-as, contudo, como inevitáveis para depois, quando passou à oposição, procurar voltar a dar esperança a muitos eleitores. Até à desilusão seguinte."
 

As Urgências Ficam Em Loulé, O Governo Que Emigre

Hoje estive com o meu filho que está com uma gripe forte nas urgências do Centro de Saúde de Loulé. Estavam a funcionar (não sei se a 100%) e mais gente recorreu hoje a este serviço enquanto lá estive. No dia que este Governo for corrido (varrido) sairei com a faixa para a rua que encabeçou as manifestações em Loulé com a inscrição "As Urgências Ficam em Loulé. O governo que emigre!". Está quase. Depois é exigir aos socialistas que as urgências funcionem a 100% com um serviço digno e sem taxas moderadoras que inibam/impeçam as pessoas de recorrer aos cuidados médicos a que têm direito.

Nada Porreiro Pá



Não comento porque obviamente não quero ser sujeito a um vendaval de azia e as pessoas sérias não comentam estas coisas.

sexta-feira, dezembro 05, 2014

O Horror Dos Partidos Políticos Ao Discurso Anti-Corrupção

Pedro Nuno Santos, um dos mais esquerdistas do PS horrorizado na SIC Notícias com o discurso anticorrupção de Joana Amaral Dias. O melhor que se lhe oferece dizer é que a corrupção sempre existiu ao longo da história. Não se passa nada.

Conhece-te a Ti Mesmo

segunda-feira, dezembro 01, 2014

Ir À Raíz Do Problema, Não Encontrei Melhor Crítica A Determinados Usos Políticos Do Programa Desperdício Zero



Grande, grande José António Pinto. Para além de ser um grande testemunho dos efeitos da passagem da Troika em Portugal, eu proponho desde já que o "Chalana" substitua Isabel Jonet à frente do Banco Alimentar Contra a Fome.

António Costa E A Situação Cómoda De Protesto

Estas declarações de António Costa são um verdadeiro insulto a todos aqueles que como eu foram vandalizados na sua dignidade nestes três anos de políticas destrutivas do Governo e da Troika e que saíram muito dignamente à rua em luta contra a austeridade. A linguagem e a estratégia utilizadas por Costa é Socratismo puro e duro. Não aprenderam nada.