domingo, dezembro 11, 2011

Do Fascismo Financeiro Austeritário IV



Não sei se as elites dominantes da sociedade portuguesa, essas que produzem os discursos dominantes centrados na defesa da austeridade "digna" e "inteligente" se aperceberam da gravidade das decisões que sairam da Cimeira Merkozy desta semana.

Trata-se de mais do mesmo, com a gravidade de se aprofundar desastrosamente o caminho do desastre. A democracia europeia (e nacional) colapsou e a decisão "consensual" de que o défice estrutural de um país não poderá ser superior a 0,5 por cento do produto interno bruto (PIB) nominal significa que a pobreza e o desemprego vão aumentar para níveis nunca vistos e que como dizia muito bem Viriato Soromenho Marques numa excelente entrevista ontem a uma televisão portuguesa, a austeridade é daqui para a frente perpétua.

A Cimeira desta semana foi uma declaração de guerra das elites europeias que governam aos povos europeus. Esperemos que os tempos próximos não sejam os da Primavera Europeia. Não tenho certezas quanto a isso. O barril de pólvora ficou mais aceso do que nunca.

Foto: João Martins, tirada em 24 de Novembro de 2011.

Sem comentários: