quinta-feira, abril 18, 2013

Soltaram o Gaspar

O ministro Vítor Gaspar pertence a uma categoria curiosa de criaturas, que qualquer ministério ou grande empresa deve guardar, cuidadosamente, num gabinete de estudos. Consegue ignorar o mundo ao ponto de criar modelos imaginários extremos, que tendem para delírios conceptuais, desprovidos de quaisquer laços materiais ou emocionais com a realidade objectiva.

Num gabinete de estudos, uma pessoa como Gaspar ajuda a estabelecer limites, a afastar hipóteses, a calibrar escalas. Serve como os canários nas minas, para avisar da proximidade de gases tóxicos. Ou, como os daltónicos, que os britânicos usavam na RAF para bombardear alvos, devido à conformidade da sua visão com o preto e branco das fotografias da espionagem aérea. Qualquer tese será provavelmente mais válida na proporção directa do afastamento em relação aos delírios de Gaspar. Como todos os produtos perigosos, Gaspar será útil, desde que usado com contenção, em doses não letais.

O grande problema é que, com este governo, Gaspar saiu da zona de segurança e ameaça transformar Portugal num campo de teste para armas de destruição maciça. Restaurar o sistema imunitário que protege o país dos desvarios de Gaspar é uma urgência. Com Gaspar à solta, o país arrisca-se a ser sacrificado no altar da explosão da Zona Euro. Essa explosão vem a caminho. Mas é fundamental que o “ground zero” não se chame Portugal.

Viriato Soromenho-Marques


Sem comentários:

Enviar um comentário