terça-feira, outubro 10, 2017

A Selva Escolar

Já não há pachorra. O cenário é o agrupamento de escolas Padre João Cabanita. Paguei ontem mais de cem euros num especialista privado porque o Pedro foi agredido no primeiro dia de aulas e as dores no pulso e no braço não passam. Hoje foi agredido outra vez, por um tal de João Junior, que parece que é tão bom a jogar à bola como a agredir os colegas na escola. Em todos os anos escolares o Pedro tem sido agredido dentro da própria escola. Estou farto de transmitir no GIS e à direcção da escola que é necessário contratar vigilantes para animar os espaços e prevenir as situações de violência. O responsável pela educação da CML também estará concerteza ao corrente desta necessidade, enquanto que, provavelmente, o senhor Presidente da CML deve estar ainda de ressaca da vitória eleitoral pelo que ainda não terá tido tempo de cuidar dos problemas das escolas do Concelho (um problema menor certamente). Entretanto, a ser agredido mais alguma vez o Pedro, nada mais me resta do que fazer queixa na Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares da negligência da organização escolar. Os responsáveis pelas instituições não ouvem, não escutam e não querem saber. E escudam-se sempre no argumento do "não há dinheiro" para fazer sempre mais com cada vez menos recursos. Até um dia, em que as coisas correm mal a sério e a gente perde a paciência.

Sem comentários:

Enviar um comentário