quinta-feira, julho 27, 2017

MALP Escreve Carta Aberta Ao Primeiro-Ministro António Costa

Carta aberta ao Senhor Primeiro-Ministro António Costa
Vila do Bispo, 28 de Julho de 2017
Assunto: Exploração de petróleo no Algarve

Exmo Senhor Primeiro Ministro, Dr. António Costa,

Como sabe, o Algarve foi eleito, em 2016, pela World Travel Awards, o melhor destino de praia da Europa. A nossa região continua a deter algumas das melhores praias do mundo e uma riqueza natural que atrai milhões de turistas e visitantes de todo o planeta. Sabemos que o senhor Primeiro-Ministro e o seu Governo ratificaram o Acordo de Paris onde chefes de Estado de todo o mundo se comprometeram em tomar medidas para combater as alterações climáticas. Ora é precisamente por estas razões que não compreendemos como se atreveu o senhor Primeiro-Ministro a autorizar, em Janeiro deste ano, a prospeção de petróleo no mar de Aljezur, ao largo da costa do Algarve e do Alentejo. Entendemos que só por ignorância, estupidez ou má-fé, alguém se atreveria em autorizar a prospeção de petróleo numa região com as características paradisíacas do Algarve. É por temos a certeza que o senhor Primeiro-Ministro não é ignorante, não se move por laivos de estupidez, nem sequer estará de má-fé a cometer um crime hediondo de destruição da sustentabilidade da região do Algarve, é que vimos por este meio apelar para que o seu governo repense a autorização da prospeção e exploração de petróleo em Aljezur e impugne de imediato esta decisão, revogando-a. Agora que sabemos que alguns ex-membros do seu governo, na pessoa de alguns ex-Secretários de Estado, receberam indevidamente da Galp, viagens pagas para ir ver jogos de futebol do Euro, consideramos que a concessão atribuída à ENI/GALP, após estas oferendas, está ferida de ilegitimidade e faz lançar suspeitas sobre esta aprovação do Estado às petrolíferas. Dr. António Costa, deixamos o nosso lancinante apelo para que trave o furo de Aljezur, pois estamos convencidos que a entrada das petrolíferas no mar do Algarve significa o fim da sustentabilidade ambiental da região. O senhor Primeiro-Ministro não pode permitir que o GALPGATE manche todo o seu governo, no presente e no futuro. Recordamos-lhe o que tão bem sabiam os romanos, à mulher de César não basta sê-lo, é preciso que o pareça.

Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP)

Sem comentários: